Rendimento químico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em Química, o rendimento (ou rendimento químico ou ainda rendimento da reacção) é a quantidade de produto obtido numa reacção química.[1] O rendimento absoluto pode ser dado em gramas ou moles (rendimento molar). O rendimento fraccional ou relativo, que serve para medir a eficácia de uma reacção de síntese, é calculada dividindo-se a quantidade de produto obtido, em moles, pelo rendimento teórico, também em moles:

\mbox{rendimento relativo} = \frac{\mbox{rendimento real}}{\mbox{rendimento te}\acute\mbox{o}\mbox{rico}}

Para se obter um rendimento em percentagem, o resultado é multiplicado por cem (por exemplo, 0,673 corresponde a 67,3%).

Um ou mais reagentes são normalmente usados em excesso numa reacção química. O rendimento teórico é portanto calculado com base na quantidade molar do reagente limitante, tomando-se em conta a estequiometria da reacção. Teoricamente, o rendimento ideal seria de 100%, o que na prática é impossível de alcançar. Rendimentos perto dos 100% são designados quantitativos, acima dos 90% excelentes, acima dos 80% muito bons, acima do 70% bons, abaixo dos 50% razoáveis e abaixo dos 40% baixos.[1] Rendimentos que aparentam estar acima de 100% podem acontecer se o produto se encontrar impuro. Eventuais passos de purificação têm sempre o efeito de diminuir o rendimento; os rendimentos relatados na literatura científica são normalmente os do produto final purificado.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Vogel, A.I., Tatchell, A.R., Furnis, B.S., Hannaford, A.J. and P.W.G. Smith. Vogel's Textbook of Practical Organic Chemistry, 5th Edition. Prentice Hall, 1996. ISBN 0-582-46236-3.