Renfe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde junho de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Renfe Operadora
Comboio de alta velocidade Renfe Série 102, fabricado pela espanhola Talgo em parceria com a canadense Bombardier
Red actual de ferrocarriles de España.png
Mapa da rede operada pela RENFE em 2010
Área de operação Espanha / França / Portugal / Itália / Suíça
Tempo de operação 1 de janeiro de 2005 (9 anos)–
Bitola 1,668mm
Sede Madrid
Website http://www.renfe.es

A RENFE (Red Nacional de Ferrocarriles Españoles), foi uma empresa ferroviária espanhola estatal, que resultou da junção de todas as empresas ferroviárias espanholas, que existiu entre 1941 e 2004. No dia 1 de Janeiro de 2005, o monopólio da Renfe acabava, dividindo-se a RENFE no ADIF (Administrador de Infraestructuras Ferroviarias), e na Renfe Operadora.

História[editar | editar código-fonte]

A RENFE foi criada em 1941, que resultou da junção de todas as empresas ferroviárias espanholas, entre as quais se destacam:

  • Compañía de los Caminos de Hierro del Norte de España, criada em 1858.
  • Compañía de los Ferrocarriles de Madrid a Zaragoza y Alicante, criada em 1856.
  • Compañía del Oeste,criada em 1928.
  • Ferrocarriles Andaluces, criada em 1936.

O objectivo da criação da RENFE foi reabilitar a rede ferroviária espanhola, gravemente danificada pela Guerra Civil, antes da falência económica de empresas ferroviárias que tinham então explorado a rede. A RENFE explorou a rede ferroviária espanhola no regime de monopólio até ao dia 31 de Dezembro de 2004.

A partir da década de 1970 e principalmente de 1980, a RENFE começou a reger-se por uma política de rentabilidade económica, que consistia em encerrar todas as linhas que não eram rentáveis. No dia 1 de Janeiro de 1985 encerraram-se mais de 900 km de linhas, entre as quais a linha Santander-Mediterrâneo, Via de la Plata, etc.

Divisões Comerciais[editar | editar código-fonte]

As divisões comerciais ou unidades de negócio da RENFE eram:

  • Alta Velocidad
  • Grandes Líneas
  • Regionales
  • Cercanías
  • Mercancías e Logística
  • Mantenimiento integral de trenes

Divisão da RENFE[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de Janeiro de 2005, acabou o monopólio da RENFE, e a empresa dividiu-se em dois:

  • Renfe Operadora, que está encarregada do transporte de passageiros e mercadorias. Também realiza a manutenção e o fabrico de material ferroviário.
  • ADIF (Administrador de Infraestructuras Ferroviarias), que gere linhas, estações, circulações, etc., cobrando um preço às empresas usuárias da rede, entre elas a Renfe Operadora.

Devido às novas directivas económicas da União Europeia, o Governo Espanhol deveria abrir a rede ferroviária à concorrência, pelo que se implementou uma nova legislação para o sector ferroviário, que deveria entrar em vigor no dia 1 de Junho de 2004, mas que se atrasou devido a ascensão do governo de José Luís Zapatero no dia 1 de Janeiro de 2005.

No dia 31 de Dezembro de 2004, a RENFE fusionou-se com o GIF (Gestor de Infraestructuras Ferroviárias) e, minutos mais tarde, no dia 1 de Janeiro de 2005, a Entidad Pública Empresarial Renfe Operadora desprendia-se da RENFE, que a partir desse momento se começou a chamar Entidad Pública Empresarial Administrador de Infraestructuras Ferroviarias (ADIF). A Renfe Operadora especializou-se na prestação de serviços de transporte, enquanto o ADIF ficou encarregado com as funções de atribuição de capacidades, manutenção e construção de infraestruturas da rede ferroviária espanhola.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Espanha é um esboço relacionado ao Projeto Europa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.