República Cisalpina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Repubblica Cisalpina
República Cisalpina

república

Flag of Repubblica Cispadana1.jpg
 
Flag of the Repubblica Transpadana.svg
1797 – 1802 Flag of the Italian Republic (1802).svg

Bandeira de República Cisalpina

Bandeira

Localização de República Cisalpina
Continente Europa
Capital Milão
Língua oficial italiano, lombardo
Governo república
História
 • 29 de junho de 1797 Fundação
 • 26 de janeiro de 1802 Dissolução
População
 •  est. 3,240,000 hab, 

A República Cisalpina (em italiano: Repubblica Cisalpina) foi um estado, fundado pelos exércitos revolucionários franceses no norte da Península Itálica, que existiu entre 1797 e 1802, com capital em Milão, abrangendo principalmente as atuais regiões italianas da Lombardia, Emília-Romanha e marginalmente Vêneto e Toscana. Nos anos seguintes, o estado foi denominado primeiro República Italiana e depois Reino de Itália.

Origem[editar | editar código-fonte]

Após a batalha de Lodi, em maio de 1796, o general francês Napoleão Bonaparte determinou a organização de dois estados — um a sul do rio Pó, a República Cispadana, e outro a norte, a República Transpadana. Estes dois, juntamente com a província de Novara, foram fundidos, mais tarde, na República Cisalpina a 29 de Junho de 1797, com capital em Milão.

A Áustria reconheceu a nova entidade no Tratado de Campoformio, a 17 de outubro do mesmo ano, em troca do que restava da República Veneziana.

A bandeira da República Cisalpina era a mesma tricolor da República Transpadana, embora num formato quadrado.

Instituição[editar | editar código-fonte]

A República Cisalpina foi criada em 29 de junho de 1797 por obra de Napoleão Bonaparte sobre aquela que era a "jovem" República Cispadana (nascida em 9 de janeiro de 1797). A essa foi anexada a República Transpadana (ex Ducado de Milão) a 9 de julho do mesmo ano.

A Áustria reconheceu a nova entidade com o Tratado de Campoformio em 17 de outubro do mesmo ano, obtendo em troca o que restava da efêmera República Vêneta (nascida em 29 de junho de 1797).

Extensão e economia[editar | editar código-fonte]

30 soldi, de 1801, da República Cisalpina

O território da república, na sua máxima extensão, era formado pelos seguintes territórios:

Em 1797, o estado se estendia sobre uma superfície de 42.500 km² e tinha uma população de 3 milhões e 240 mil habitantes, subdividida in 20 departamentos. A capital era Milão, por ser o centro mais importante e populoso (cerca de 124.000 habitantes em 1765). O país era economicamente próspero, apesar da espoliação dos séculos passados feita pelos ocupantes, e se baseava numa agricultura de tipo cerealístico com forte presença na sericultura e na zootecnia. A atividade artesanal tradicional era sólida e o desenvolvimento da indústria florescente.

Relações com a Suíça[editar | editar código-fonte]

As relações com a Suíça foram difíceis, uma vez que eram fortes as pretensões hegemônicas da República Cisalpina, decidida a unir em um só estado todas as pessoas com a mesma cultura e a mesma língua. Assim, o objetivo era anexar os territórios suíços aos sul dos Alpes. Isto levou à ocupação de Campione d'Italia e à anexação da Valtellina. Foi tentado também um golpe de mão para a anexação de Lugano em 1797, mas com o transcorrer do tempo e com o nascimento da República Helvética, a pretensão se reduziu a tentativas de ocupação de Mendrisiotto.

Forma institucional[editar | editar código-fonte]

A forma institucional do estado foi definida em agosto de 1796 e refletia fortemente a francesa. Tratava-se de uma ditadura. Foi também adotado o calendário francês.

O território foi dividido em departamentos, nos quais eram eleitos os juízes de paz, os magistrados e os eleitores, um em cada duzentos habitantes tendo direito a voto. Esses últimos elegiam dois conselhos: o dos Seniores e o dos Juniores. O primeiro era composto de quarenta a sessenta membros e tinha o dever de aprovar as leis e promover eventuais variações da Carta Constitucional, o segundo era formado de oitenta a cento e vinte membros e tinha o dever de propor as leis. O dever comum de ambos conselhos era a aprovação dos tratados, a escolha de um Diretório e a determinação dos tributos.

O diretório era formado por cinco ministros e representava o poder executivo. Como autoridade suprema permanecia o comandante das tropas francesas na Lombardia.

Em 8 de julho de 1797 foi promulgada a constituição cisalpina, de conteúdo moderado, baseada na francesa de 1795.

No comando do Diretório foram colocados políticos locais como o duque Gian Galeazzo Serbelloni e Francesco Melzi d'Eril, enquanto no corpo legislativo foram nomeados personagens notórios como os escritores Pietro Verri e Giuseppe Parini e cientistas como Alessandro Volta.

A bandeira tricolor[editar | editar código-fonte]

A República Cisalpina tem importância histórica por ter herdado a bandeira tricolor da República Cispadana. É a mesma tricolor, nascida nas idéias jacobinas e napoleônicas, da atual República Italiana. A tricolor da República Cisalpina foi modificada durante a República Italiana de 1802 porque era muito similar à francesa e demasiado revolucionária.

As bandeiras dessas repúblicas estão conservadas no Museu da Tricolor de Reggio Emilia.

A segunda república[editar | editar código-fonte]

A república foi dissolvida após a derrota da França contra a segunda Coalizão em agosto de 1799. Foi então ocupada pela Áustria, que permaneceram até junho de 1800, quando Napoleão venceu a Batalha de Marengo. A república foi restaurada depois do Tratado de Lunéville de 9 de fevereiro de 1801, e seu território foi ampliado com as terras anteriormente austríacas do Vêneto e dos Estados Pontifícios da atual região italiana de Marcas.

O fim da República Cisalpina[editar | editar código-fonte]

26 de janeiro de 1802, A Consulta da República Cisalpina recebe o Primeiro Cônsul, Nicolas-André Monsiau, 1806-08.

Em janeiro de 1802, a República Cisalpina mudou seu nome para República Italiana, quando o próprio Napoleão Bonaparte nomeou-se presidente (24 de janeiro), sob conselho de Talleyrand. Dois dias depois, Napoleão apareceu no Collège de la Trinité em Lyon, assistido por Joaquim Murat, Berthier, Luís Bonaparte, Hortense e Joséphine de Beauharnais, e ouviu a assembléia de notáveis aclamar a República Italiana.

Mais tarde, a república transformou-se no Reino de Itália.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.