República Khmer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
សាធារណរដ្ឋខ្មែរ
República Khmer
Flag of Cambodia.svg
1970 – 1975 Flag of Democratic Kampuchea.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão de armas
Continente Ásia
Região Sudeste Asiático
País Camboja
Capital Phnom Penh
12° 15' N 105° 36' E
Língua oficial Khmer
Governo República
Chefe de Estado
 • 1970-1972 Cheng Heng
 • 1972-1975 Lon Nol
Primeiro-ministro
 • 1970-1971 Lon Nol
 • 1971-1972 Sisowath Sirik Matak
 • 1972 Son Ngoc Thanh
 • 1973 In Tam
 • 1973-1975 Long Boret
Período histórico Guerra Fria
 • 18 de março de 1970 Golpe de Estado contra Norodom Sihanouk
 • 9 de outubro de 1970 Proclamação oficial da República
 • 17 de abril de 1975 Queda de Phnom Penh
População
 • 1975 est. 7 890 000[1]  
Moeda Riel

A República Khmer (em khmer: សាធារណរដ្ឋខ្មែរ) foi um período da história do Camboja que compreende o golpe de Estado contra o então príncipe Norodom Sihanouk, dando fim ao Reino do Camboja, pelo general Lon Nol, que se apresentou como chefe de Estado da nova política que chamou de República Khmer. Este novo Estado se alinhou aos Estados Unidos e ao Vietnã do Sul contra o Vietnã do Norte e o Viet Cong, cedeu seu território para bases estadunidenses para essa finalidade e entrou em confronto com os guerrilheiros do Khmer Vermelho, liderado por Pol Pot. O declínio do poder dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã enfraqueceu o governo de Lon Nol, que caiu em 17 de abril de 1975 com a vitória do Khmer Vermelho, que fundou o Kampuchea Democrático. O golpe de Estado de Lon Nol ao príncipe Norodom Sihanouk foi a principal causa do ingresso do Camboja diretamente na Guerra do Vietnã. Durante este período, os Estados Unidos com a autorização do presidente Richard Nixon deu inicio a um programa de bombardeios intensos no nordeste do país, que causou muitas baixas de civis e não fez outra coisa senão reforçar os guerrilheiros do Khmer Vermelho.[2] Lon Nol foi evacuado pelos norte-americanos no início de abril de 1975 e morreu no Havaí em 1985.

1970: deposição de Norodom Sihanouk[editar | editar código-fonte]

No dia 8 de março de 1970, enquanto o príncipe Norodom Sihanouk encontrava-se na França, oficialmente por razões médicas, várias manifestações ocorreram na província de Svay Rieng, localizada na fronteira com o então Vietnã do Sul, contra a presença de tropas vietnamitas na região. Os protestantes alegavam serem vítimas de requisições de pessoal e veículos para o transporte de material bélico e de serem alvo de limitações de sua liberdade de circulação por medidas administrativas vexatórias.[3]

Esta manifestação foi seguida por outra, de maiores proporções e realizada em 11 de março na capital Phnom Penh, porém ela acabou por degenerar-se em um tumulto de natureza anti-vietnamita, durante o qual as representações norte-vietnamita e da Frente Nacional para a Libertação do Vietnã (FNL, cujos membros eram chamados de vietcongues) foram saqueadas.[4] Ao que tudo indica, este levante foi no mínimo tolerado, e possivelmente ativamente organizado pelo então primeiro-ministro Lon Nol e pelo seu assistente, o príncipe Sisowath Sirik Matak. No dia seguinte, Lon Nol fechou o porto de Sihanoukville (que era usado para contrabandear armamentos para a FNL), e lançou um ultimato para os vietcongues: todas as forças vietnamitas presentes no Camboja deveriam ser evacuadas detro de 72 horas (isto é, no mais tardar, até 15 de março) ou receberiam retaliações militares.[5] Apesar desses atos, em contradição explícita com a política do príncipe Sihanouk de tolerância parcial com as atividades norte-vietnamitas, aparentemente Lon Nol apresentou uma grande resistência em demitir o chefe de Estado: a princípio ele queria provavelmente apenas demostrar uma maior pressão sobre o Vietnã do Norte.[6]

Referências

  1. Kiernan, Ben. The Pol Pot Regime. New Haven: Yale University Press, 1996. p. 458.
  2. Cambodia - The Widening War. Library of Congress - Country Studies
  3. Chantrabot 1991, p. 18.
  4. Shawcross 1979, p. 119.
  5. Sutsakhan 1987, p. 42.
  6. Marlay, Ross. Patriots and tyrants: ten Asian leaders. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers, 1999. p. 165.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chantrabot, Ros. La République khmère: 1970-1975. Paris: Éditions L'Harmattan, 1991. 216 p. ISBN 9782738419309
  • Shawcross, William. Une tragédie sans importance: Kissinger, Nixon et l'anéantissement du Cambodge. Paris: F. Adel, 1979. 438 p. ISBN 9782715802186
  • Sutsakhan, Sak. The Khmer Republic at war and the final collapse. Washington: U.S. Army Center of Military History, 1987. 187 p.