República Soviética da China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
中華蘇維埃共和國
República Soviética da China
Flag of the Republic of China 1912-1928.svg
1937 Flag of the Republic of China.svg

Bandeira de China

Bandeira

Lema nacional
Nenhum
Hino nacional

Hino Nacional da República da China
A Internacional
Localização de China
Continente Ásia
Capital Ruijin, então Yan'an (Pequim até 1928)
Língua oficial chinês
Governo República, uma federação de territórios sob o controle do Partido Comunista Chinês; Estado socialista
Presidente do Comité Executivo Central Mao Tse-tung
Moeda yuan
Estado não reconhecido pela comunidade internacional.

A República Soviética da China (chinês tradicional: 苏维埃 中华 共和国; chinês simplificado: 中华 苏维埃 共和国, Pinyin: Zhonghua Sūwéi'āi Gongheguo), muitas vezes chamado simplesmente de Soviéte de Jiangxi, foi o Estado de fato estabelecido pelo Partido Comunista da China nas áreas da China sob seu controle entre 1931-1937. Durante este período, o governo legal e reconhecido internacionalmente da China era o da República da China, com sua capital em Nanquim e dominado pela figura de Chiang Kai-shek e do Partido Nacionalista Chinês ou Kuomintang.

A parte da China administrada pela República Soviética estava limitada a algumas zonas montanhosas em que os comunistas haviam conseguido consolidar seu poder, principalmente no sul da província de Jiangxi em torno da cidade de Ruijin, a capital provisória do regime foi concebida para ser o embrião de uma nova república chinesa de ideologia comunista.

A criação do chamado Governo Central Provisório da República Soviética da China ocorreu em 7 de novembro de 1931, ao ser realizada em Ruijin a Primeira Assembléia Nacional de Representantes do Soviéte da China (中华 苏维埃 第 一次 全国 大会 代表 / 中华 苏维埃 第 一次 全国代表 大会 / Zhonghua Yi Ci Sūwéi'āi Dì Quanguo Dàibiǎo Dahui). Mao Tse-tung tornou-se presidente do Comité Executivo Central, apesar de poder no Partido Comunista correspondia aos líderes apoiados pela União Soviética, que mantinha relações tensas com Mao e os seguidores deste.

Os líderes comunistas em Ruijin realizam a reforma agrária na área sob seu controle e chegam a emitir selos e papel-moeda da nova República Soviética. No entanto, o Governo Central da República da China, que desde que a capital de Nanquim havia consolidado seu controle territorial sobre o país, estava preocupado com a presença da rebelião comunista em Jiangxi, e entraria em batalhas militares contra o Partido Comunista. Em 1934, o assédio das forças nacionalistas, forçaram os comunistas a desistir de sua base de poder de em Jiangxi, iniciando a chamada Longa Marcha, uma viagem através do interior da China que levaria o exército comunista e seus líderes para outra área montanhosa no norte do país, na província de Shaanxi, onde conseguiriam estabelecer uma nova base de poder. A Longa Marcha terminou com a estrutura do Estado da República Soviética da China, mas nominalmente pode ser considerado que continuou a existir até 6 de setembro de 1937, quando, no norte da China, estabeleceu um novo governo comunista.

No contexto da Segunda Frente Unida, devido ao inicio da Segunda Guerra Sino-Japonesa, o PCC emitiu em 22 de setembro de 1937 um manifesto proclamando uma unidade formal com o Kuomintang e a dissolução oficial da República Soviética.[1]

Durante a Longa Marcha, e especialmente após a Conferência de Zunyi, Mao Tse-tung foi capaz de atrair o apoio da base partidária, que se distanciaram dos líderes Bo Gu e Wang Ming, que tinham o apoio de Moscou. A ascensão ao poder de Mao era um aleijamento dos comunistas chineses sobre os patrocinadores da União Soviética. Uma consequência deste distanciamento foi o lingüístico: a palavra russa soviete, transcrita foneticamente em caracteres chineses como 苏维埃, nunca seria utilizada pelos comunistas chineses. Quando anos mais tarde, o Partido Comunista da China venceu a Guerra Civil Chinesa, o novo estado adotou o nome de República Popular da China.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lyman P. Van Slyke, The Chinese Communist movement: a report of the United States War Department, july 1945, Stanford University Press, 1968, p. 44.
  • Spence, Jonathan D. The Search for Modern China, W. W. Norton and Company, Nueva York, 1999 (ISBN 0-393-30780-8).
  • Hsü, Immanuel C. Y. The Rise of Modern China, 6th edition, Oxford University Press, Oxford, 1999 (ISBN 0-19-512504-5).