Repatriamento de Arte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Repatriamento de arte (e cultural) é o retorno de arte e objetos culturais ao seu país de origem (geralmente referindo-se a arte antiga), ou (para arte saqueada) aos seus antigos proprietários (ou seus herdeiros).

Repatriamento cultural pode se referir a objetos indígenas e restos humanos. Um exemplo é o Totem poste Haisla de Kitimat na Colúmbia Britânica, Canadá. Preparado para o chefe hövding G'psgoalux em 1872, foi doado para o museu Sueco em 1929. De acordo com o doador, que tinha comprado o pole do povo Haisla enquanto ele vivia na costa oeste canadense e serviu como cônsul sueco. Depois de ser abordado pelo povo Haisla, o governo sueco decidiu, em 1994, a retornar o Totem, pois as circunstâncias exactas em torno da aquisição não eram claras. O Totem foi devolvido à Kitimat em 2006, após um edifício ter sido construído de forma a preservar o Totem.

O conceito de arte e de repatriamento cultural ganhou impulso com as últimas décadas do século XX e começou a mostrar fruição até o final do século, quando obras importantes foram cedidas de volta para os reclamantes. No entanto, o conceito permanece controverso como opositores argumentam que recuperar a posse de um país, é patrimônio perdido por outro, especialmente quando os objetos de arte foram realizados às vezes, por períodos muito longos de tempo. Por exemplo, o British Museum, tem a guarda do Mármores de Elgin desde 1816 e o museu defende fortemente o seu direito de possuir e exibir os mármores. Por outro lado, o Metropolitan Museum of Art recentemente negociou a repatriação do Euphronios krater a Itália, de onde pensava-se ter sido roubado no início de 1970.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Repatriamento de Arte

Arte saqueada

Repatriamento cultural