Resistência à tração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Limite de escoamento. Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde julho de 2014)
Dois tornos aplicam tensão a um modelo puxando-o, estendendo-se a amostra até a falha (ruptura). A tensão máxima que resiste antes da falha é o seu limite de resistência à tração.

Resistência à tração, tratada também pelo conceito de limite de resistência à tração (LRT), é indicada pelo ponto máximo de uma curva de tensão-deformação e, em geral, indica quando a criação de um "pescoço" (necking) irá ocorrer. Em outros termos é a máxima tensão que um material pode suportar ao ser esticado ou puxado antes de falhar ou quebrar. Como é uma propriedade intensiva, o seu valor não depende do tamanho da amostra. No entanto, é dependente de outros fatores, como a preparação da amostra, da presença ou ausência de defeitos de superfície, e da temperatura de teste e do material.[1] [2]

Resistência à tracção, junto com o módulo de elasticidade e resistência à corrosão, é um parâmetro importante de engenharia de materiais utilizados nas estruturas e dispositivos mecânicos. É especificado para os materiais, como ligas metálicas, materiais compósitos, cerâmicas, plásticos e madeira. A resistência à tração não é o mesmo que resistência à compressão e os valores podem ser bastante diferentes.

Alguns materiais quebram, sem deformação plástica, no que é chamado de fratura frágil. Outros, que são mais dúcteis, incluindo a maioria dos metais, experimentarão alguma deformação plástica e, possivelmente, estiramento (formação de "pescoço") antes da fratura.

O limite de resistência à tração é usualmente encontrado pela realização de um ensaio de tração e registrando-se a tensão aplicada versus a deformação. O máximo ponto da curva de tensão-deformação é o LRT.[3] [4]

Resistência à tração é raramente usada ​​no projeto de corpos dúcteis, mas eles são importantes para os corpos frágeis. Eles são tabulados para materiais comuns: como ligas metálicas, materiais compósitos, cerâmicas, plásticos, e madeira.

A resistência à tração é definida como uma tensão, que é medida como força por unidade de área. Para alguns materiais não-homogêneos (ou compostos por várias partes) que pode ser relatada como apenas uma força ou como uma força por unidade de largura. No sistema SI, a unidade é o pascal (Pa ou seus múltiplos, muitas vezes megapascals, MPa, usando o prefixo mega); ou, de forma equivalente para pascal, newtons por metro quadrado (N/m²). A unidade usual nos Estados Unidos é libra força por polegada quadrada (lbf/pol² ou psi), ou kilo-libras por polegada quadrada (ksi, ou, às vezes, kpsi), que é igual a 1000 psi; kilo-libras por polegada quadrada são comumente usados ​​na medição de resistência à tração.

Referências

  1. Degarmo, E. Paul; Black, J T.; Kohser, Ronald A. (2003), Materials and Processes in Manufacturing (9th ed.), Wiley, ISBN 0-471-65653-4 .
  2. Smith, William F.; Hashemi, Javad. Foundations of Materials Science and Engineering (em ). 4ª. ed. [S.l.]: McGraw-Hill, 2006. ISBN 0-07-295358-6.
  3. A. Garcia, J.A. Spim & C.A. dos Santos, Ensaios dos Materiais, LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., Rio de Janeiro, RJ, 2000.
  4. S.A. de Souza, Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos: Fundamentos teóricos e práticos. 5.ed., Ed. Edgard Blucher Ltda, São Paulo, SP, 1982.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]