Revestimento do corpo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

o revestimento do corpo dos animais evoluiu, ao longo de milhões de anos permitindo que cada espécie se adaptasse a viver no seu habitat. É por essa razão que existe uma diversidade tão grande de espécies com formas e revestimentos variados. Estas duas características externas são facilmente observáveis na grande diversidade de animais que existem na Terra.

A Minhoca

Designação vulgar do filo dos anelídeos, da classe dos oligoquetas, da ordem dos megadrilos e da família dos Lumbricídeos. A classe dos oligoquetas, ou segundo alguns autores, a dos quetópodes (consideram a designação oligoquetas como uma subclasse), está distribuída por duas mil e quinhentas espécies. A minhoca (Lumbricus terrestris) é um anelídeo subterrâneo de corpo delgado subcilíndrico, deprimido para trás o que permite distinguir a parte anterior. A minhoca é um verme anelado, pois o seu corpo é constituído por cento e cinquenta anéis separados internamente por septos. A minhoca é revestida por uma cutícula de brilho iridiscente, com pequeno número de sedas por segmento. A deslocação é feita devido a movimentos de contração dos músculos longitudinais e a contração dos músculos circulares. O atrito no solo para possibilitar a deslocação deve-se à existência de sedas locomotoras nos anéis. As suas dimensões variam entre alguns centímetros e os três metros. Durante o dia as minhocas estão no subsolo onde cavam galerias e vão recolhendo da terra substâncias orgânicas, fundamentalmente detritos vegetais, de que se alimentam. Feita a digestão, expulsam os detritos que servem de adubo. No verão é necessário escavar profundamente para encontrar minhocas, mas a seguir a uma chuvada, à noite, sobem para o solo. Todas as minhocas põem ovos quer sejam machos quer sejam fêmeas. Os ovos são colocados no anel de muco segregado com os excrementos. O anel é abandonado na terra, disseca-se, e nele vão eclodir as minúsculas minhocas.

  • A forma esférica ou arredondada - Ouriço-do-mar e Esponja marinha;
    O Ouriço-do-mar tem uma forma esférica e simetria radial
    bgkjhfd67u8iop+´+poiku
    A Esponja marinha tem forma arredondada e é assimétrica
  • A forma achatada - Salamandra e Cobra
    A Salamandra tem o corpo alongado e achatado, quatro patas e uma longa cauda. Tem simetria bilateral
    A Cobra tem o corpo bastante alongado, com forma cilíndrica
  • A forma hidrodinâmica - Salmão
    O Salmão é fusiforme. Esta forma, por facilitar o "corte" da água e a sua deslocação neste meio, diz-se hidrodinâmica
  • A forma aerodinâmica - Águia
    A Águia tem grandes e largas asas que durante o voo lhe dão forma aerodinâmica - forma que facilita o "corte" do ar

Tendo em conta a forma e a distribuição das partes constituintes do corpo dos animais podemos dividi-los, quanto à sua simetria, e três grupos:

  • animais com simetria bilateral (salamandra; salmão; cobra e águia), que apresentam uma só forma de divisão do seu corpo em duas partes idênticas;
  • animais com simetria radial (ouriço-do-mar e estrela-do-mar), que apresentam mais do que uma forma de divisão do seu corpo em duas partes idênticas;
  • animais assimétricos (esponja marinha), que não possuem qualquer forma de divisão do seu corpo.

Nos animais, o tipo de simetria mais frequente é a simetria bilateral, que é apresentada pelos vertebrados e pela maioria dos invertebrados.

O revestimento do corpo dos animais[editar | editar código-fonte]

  • O revestimento dos invertebrados:

- Cutícula - A minhoca e a sanguessuga têm o corpo protegido por uma camada de cutícula fina, resistente e flexível. Esta parece uma camada de verniz e evita a perda de água.

- Quitina - Os insectos têm o corpo protegido por uma substância rígida e resistente - quitina - que forma o exosqueleto. A quitina é flexível nas articulações para permitir os movimentos do corpo e evita a perda de água. a quitina não é extensível por isso os animais que a têm sofrem mudas periódicas para poderem crescer.

- Placas calcárias - a estrela-do-mar e o ouriço-do-mar têm o corpo protegido por vária placas calcárias unidas que possuem espinhos móveis. Este tipo de revestimento evita a perda de água.

- Concha Calcária - O caracol e o búzio têm o corpo protegido por uma concha calcária formada por uma só peça - concha univalve. O mexilhão e a amêijoa têm o corpo protegido por uma concha calcária formada por duas peças - concha bivalve. A concha calcária é um revestimento muito duro e resistente, que serve de abrigo e impede a perda excessiva de água.

- Carapaça - A sapateira e a lagosta têm o corpo protegido por quitina com substâncias calcárias formando um exosqueleto muito duro, chamado crusta ou carapaça, que evita a perda de água. Tal como a quitina, a carapaça é flexível nas articulações mas não é extensível, logo, os animais, que têm carapaça sofrem mudas de crescimento periódicas.

  • O revestimento dos vertebrados:
A rã tem revestimento de pele nua

- Pele nua - Os anfíbios, como a , o tritão e a salamandra, não têm qualquer tipo de revestimento do corpo estando este coberto por pele nua - pele que não possui qualquer tipo de formação protectora. A pele da maior parte dos anfíbios é fina, húmida e escorregadia, pois possui glândulas que produzem um líquido pegajoso. A el nua não protege o corpo da temperatura exterior - não é isoladora térmica - e não evita a perda excessiva de água.

- Pele com escamas - A maior parte dos peixes têm o corpo protegido por escamas que estão fixas na zona profunda da pele. As escamas profundas são independentes umas das outras e crescem ao mesmo tempo que o corpo do peixe. Na pele dos peixes é produzido um líquido viscoso que torna as escamas escorregadias. Os répteis têm o corpo protegido por escamas que estão fixas na zona superficial da pele. Estas escamas superficiais estão ligadas umas às outras e não crescem. Por isso, os répteis sofrem mudas de crescimento periódicas. Os répteis têm escamas ásperas e secas. As escamas não protegem o corpo da temperatura exterior - não são isoladoras térmicas'.

- Pele com penas - As aves têm o corpo protegido por penas que estão fixas na zona profunda da pele. As penas constituem uma boa protecção contra as variações da temperatura do meio, ajudando a manter a temperatura do corpo constante - são bons isoladores térmicos. Nas aves voadoras, as penas facilitam o voo, porque resistem à passagem do ar. As penas das asas e da cauda intrevêm na orientação do voo. Nas aves aquáticas, as penas evitam a passagem da água até elas, pois estão cobertas por uma substância gordurosa - são impermeáveis.

O revestimento de pêlo ajuda os ursos polares a sobreviverem em climas muito rigorosos

Os animais vertebrados têm corpo revestido por pele - camada constituída pela derme e epiderme