Revolta Jônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Revolta Jônica
Parte da(o) Guerras Médicas
Local Anatólia, Mar Mediterrâneo
Desfecho Vitória aquemênida
Combatentes
Jônia, Eólia, Dóris, Cária, Atenas, Erétria, Chipre Império Aquemênida
Principais líderes
Aristágoras
Histieu
Eualcides
Artafernes

A Revolta Jônica, e revoltas associadas na Eólia, Dóris, Chipre e na Cária, foram rebeliões militares em várias regiões da Ásia Menor contra os persas, de 499 a.C. a 493 a.C.. A causa da rebelião foi a insatisfação das cidades gregas da Ásia Menor com os governadores nomeados pela Pérsia, para governá-las, juntamente com as ações individuais de dois governadores, Histieu e Aristágoras. As cidades de Jônia tinham sido conquistadas pela Pérsia em 540 a.C. e, posteriormente, eram controladas por governadores nativos, nomeados pelo sátrapa de Sardes. Em 499 a.C., o então governador de Mileto, Aristágoras, lançou uma expedição conjunta com o sátrapa persa Artafernes para conquistar Naxos, em uma tentativa de reforçar a sua posição. A missão foi um fracasso, e sentindo sua iminente remoção como governador, Aristágoras escolheu incitar as cidades da Jônia a rebelarem-se contra o rei persa Dario.