Revolta de Chiapas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Revolta de Chiapas
Parte da(o) Conflito de Chiapas
Chiapas en México.svg
Localização de Chiapas
Data 1 de Janeiro - 12 de janeiro de 1994
Local Chiapas,  México
Desfecho Acordos de San Andrés de 1996
Combatentes
Bandeira do México México Flag of the EZLN.svg EZLN
Principais líderes
Miguel Ángel Godínez Bravo
Alberto Martínez Herrera
Jorge de Jesús Wabi Rosel
Luis Humberto López Portillo Leal
Juan López Ortiz
Subcomandante Marcos
Comandante Hugo
Subcomandante Pedro
Comandanta Ramona
Forças
40.000 soldados,[1] com paramilitares e policiais
Total: 60-70.000 efetivos[2]
200-600[3] efetivos, até 3.000[4]
Vítimas
145-1.000 mortos[5]

O Levante Zapatista ou Revolta de Chiapas é o nome dado a uma rebelião iniciada em 1 de Janeiro de 1994 no estado mexicano de Chiapas. O levante, liderado pelo Exército Zapatista de Libertação Nacional, durou 12 dias e teve repercussão internacional, devido às suas demandas por justiça e defesa dos direitos dos povos indígenas e dos pobres do México.

Revolta[editar | editar código-fonte]

A ação militar em janeiro de 1994 coincidiu com a entrada em vigor do Nafta assinado pelo México, Estados Unidos e Canadá.

Muito antes da insurreição armada em Chiapas, os militares mexicanos estavam cientes do crescente descontentamento político na região. No entanto, eles optaram por esconder esta informação, a fim de garantir a aprovação do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) com o Canadá, México e Estados Unidos.[6] Não foi uma coincidência que a revolta camponesa, liderada pelo Exército Zapatista de Libertação Nacional, ocorreu no mesmo dia em que o NAFTA foi assinado e implementado. O NAFTA invocou ressentimentos entre camponeses e membros do exército de guerrilha. Eles temiam serem deslocados, já que os grandes proprietários de terras seriam obrigados a competir com os melhores produtores agrícolas dos EUA e Canadá. A revolta armada, assim, surgiu como uma batalha pela propriedade, justiça e tradição. O Subcomandante Marcos, líder insurgente do exército de guerrilha Zapatista, se refere ao NAFTA como a "sentença de morte" para os pobres mexicanos[7] As desigualdades sociais existentes em Chiapas, dessa forma, são uma das causas para o conflito.

A revolta iniciou-se com a tomada de San Cristóbal de las Casas e várias outras cidades (Ocosingo, Las Margaritas, Altamirano e Comitan). Os zapatistas declararam oficialmente guerra contra o Governo do México e anunciaram seus planos para ir para a capital. Em Las Margaritas morre nas primeiras horas de primeiro de janeiro, o Subcomandante Pedro, que era então Chefe de Gabinete e Segundo no comando do EZLN. Em 2 de janeiro de 1994, durante a Batalha de Ocosingo, assim como o Comandante Hugo, morre o "Senhor Ik" nos ataques contra o Exército Federal nessa área. Nos combates, o EZLN tomam como prisioneiro de guerra o ex-governador de Chiapas, General Absalón Castellanos Domínguez. As hostilidades continuam ao sul de San Cristobal e perto da sede de Rancho Nuevo. O bispo Samuel Ruiz emite um comunicado pedindo trégua e suspensão das hostilidades.

Após vários dias de combates, o presidente Carlos Salinas de Gortari, então em seu último ano de mandato, ofereceu negociações de cessar-fogo com os rebeldes, cujo porta-voz foi Subcomandante Marcos.

Geograficamente, esta insurreição contra o governo afetou apenas áreas remotas de Chiapas, localizada na selva. Cerca de 70.000 pessoas habitam esta área isolada, vivendo dentro de suas pequenas comunidades e dioceses. A população de Chiapas é composta principalmente de índios maias, divididos em vários grupos indígenas. Os nativos também formaram grupos que não estão de acordo com os princípios zapatistas, existem grupos poderosos que incluem muitos adeptos, mas são pouco conhecidos no estrangeiro e não estão na linha política da anti-globalização. Os grupos mais radicais como o EPR (Exército Popular Revolucionário) - está muito pouco presente em Chiapas e opera principalmente nos estados vizinhos de Oaxaca e Guerrero - denunciaram o pacifismo do EZLN e realizam atividades de guerrilha desde 1996, atacando recentemente (em finais de Julho de 2007) uma prisão em Chiapas.

A partir de fevereiro de 1995, tropas mexicanas ainda estavam em Chiapas para manter uma paz forçada. Sob o então governo do Presidente Ernesto Zedillo, a prisão dos líderes rebeldes foi ordenada (9 de fevereiro de 1995). Seis dias depois, o presidente Zedillo restabeleceu sua disposição de negociar[8]

Referências

  1. En ascenso la presencia del Ejército Mexicano en Chiapas
  2. Militarización y guerra sucia en Chiapas
  3. Uppsala conflict data expansion. Non-state actor information. Codebook pp. 347
  4. Zapatista Uprising (1 January 1994)
  5. Sipaz - Brief history of the conflict in Chiapas (1994)
  6. "Mexico: Pentagon Analyzes Roots of Chiapas Conflict," Inter Press Service. March 22, 1995.
  7. Literature "1994 Was a Tough Year for Mexico, But 1995 May Prove An Even Tougher Challenge," Defense & Foreign Affairs' Strategic Policy. March 31, 1995.
  8. "1994 Was a Tough Year for Mexico, But 1995 May Prove An Even Tougher Challenge," Defense & Foreign Affairs' Strategic Policy. March 31, 1995.