Revolta de Ilinden-Preobrazhenie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Revolta de Ilinden)
Ir para: navegação, pesquisa
Ativistas búlgaros capturados pelo exército otomano.

A Revolta de Ilinden (em búlgaro: Илинденско-Преображенско въстание - Văstanie Ilindensko-Preobrazhensko; em macedônio: Илинденско востание - Vostanie Ilindensko) foi um levante organizado contra o Império Otomano liderado pela Organização Revolucionária Interna da Macedônia. O objetivo inicial da revolta era criar uma nação macedônia livre do regime do Império Otomano.

O início da revolta ocorreu na noite de 2 de agosto de 1903 no Vilaiete de Monastir, atualmente no norte da Grécia e centro-sul da República da Macedónia, na cidade de Smilevo. No dia seguinte, os rebeldes capturaram a cidade de Krusevo e estabeleceram um governo provisório, conhecido como a República da Krusevo, liderada pelo professor Nikola Karev.

Esta revolta mobilizou o exército do Império Otomano na região da Macedónia, com um número de 167 mil unidades de infantaria e 3700 de cavalaria para reprimir os rebeldes.

Mapa político dos Balcãs. A Macedónia e áreas de Adrianópolis, que foram transferidos de volta da Bulgária para o Império Otomano de acordo com o Tratado de Berlim são mostrados com fronteiras em verde.

Em 9 de agosto do mesmo ano, o exército otomano conseguiu capturar Smilevo e três dias mais tarde, acabar com a insurreição com a captura de Krusevo, centro do governo provisório dos rebeldes.

Em resposta ao contra-ataque otomano, em 19 de agosto passou a uma segunda revolta na Vilaiete de Adrianópolis por parte de um grupo rebelde búlgaro conhecido como a Revolta dos Preobrazhenie (a última palavra significa "transfiguração" em búlgaro). O sucesso deste segundo levante foi capaz de estabelecer um governo provisório pelos insurgentes nas montanhas do Strandzha na costa do Mar Negro, que ficou conhecido como a República de Strandzha. Os rebeldes foram derrotados depois de vinte e seis dias de resistência ao ataque pelo exército otomano.

As conseqüências da vitória otomana foram terríveis para os macedônios eslavos, bem como diversos grupos étnicos perto dos valáquios. Durante a campanha otomana contra os rebeldes, morreram 8 816 pessoas, 200 aldeias foram destruídas e mais de 70 000 pessoas ficaram desabrigadas.

A partição da Macedónia e Trácia em 1913.

Os sobreviventes conseguiram manter uma campanha de guerrilha contra os turcos para os próximos anos, mas seu maior efeito foi que convenceu as potências europeias na tentativa de convencer o sultão otomano que ele deveria tomar uma atitude mais conciliadora para com seus súditos cristãos na Europa.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]