Revolta dos Panthay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Revolta dos Panthay
Capture of the Provincial Capital Dali, Yunnan.jpg
Representação da conquista de Dali em 1872 pela China
Data 1856-1873
Local China
Desfecho Vitória da dinastia Qing
Queda de Pingnan Guo
Enfraquecimento da Dinastia Qing
Combatentes
Flag of the Qing dynasty (1862-1889).png Dinastia Qing Pingnan Guo
Principais líderes
Cen Yuying
Ma Rulong(A.K.A. Ma Julung)
Du Wenxiu
Ma Shenglin
Ma Shilin
Vítimas
1,000,000 includindo civis e soldados

A Revolta dos Panthay ou Rebelião Panthay (1856-1873), conhecida em chinês como Rebelião de Du Wenxiu ou Revolta muçulmana[1] (chinês simplificado: 杜文秀起义; chinês tradicional: 杜文秀起義; pinyin: Dù Wénxiù qǐyì) foi um movimento separatista do povo Hui e outras minorias étnicas não muçulmanas contra a Dinastia Qing, no sudoeste da província de Yunnan na China, como parte de uma onda de distúrbios multi-étnicos liderados pelos Hui.

O nome "Panthay" é uma palavra birmanesa, que é dito ser idêntica com a palavra Shan, Pang hse.[2] Foi o nome pelo qual os birmaneses denominavam os muçulmanos chineses que vieram com caravanas para a Birmânia a partir da província chinesa de Yunnan. O nome não era usado ou conhecido na própria Yunnan .[3]

Os chineses costumam denominar o movimento como Rebelião de Du Wenxiu, fazendo uma referência, ao fundador do Sultanato Dali que era o líder religioso islâmico e político mais importante da época na região de Yunnan. "Hui" é a palavra utilizada pelos chineses para se referir aos muçulmanos, que se refere aos uigures que habitam Xinjiang (noroeste da China).

Yunnan fica no sudoeste da China, e somente se tornou parte do Império Chinês no Século XIII, na época da invasão mongol, que trouxe os Hui para a região. Até o reinado do Imperador Qing Yongzheng (1723-1735), grandes partes da província eram administrados por chefes locais com muito pouca interferência do governo na capital provincial de Kunming. Algumas peculiaridades topográficas da região, tais como: altas montanhas, ausência de rios navegáveis e de estradas para o tráfego veículos com rodas, favoreciam o isolamento da região. As ricas minas de cobre do leste de Yunnan eram de especial interesse para o Império.

Entre 1775 e 1850, ocorreu uma maciça migração da etnia Han para a região de Yunnan, que elevou a população local de 4 para 10 milhões de habitantes e desestabilizou a região.

Entre entre 1818 e 1833 ocorreram três revoltas na região.

Uma série de atos de violência anti-Hui teve seu auge no Massacre de Kunming, em 1856, no qual cerca de oito mil Huis foram mortos, que deu origem à Rebelião.

Além de Du Wenxiu, Ma Rulong e Ma Dexin destacaram-se como líderes da rebelião, que se revelaria frágil pela falta de uma ideologia unificadora.

Em 1862, Ma Rulong não ofereceu resistência a um cerco da Dinastia Qing contra Kunming, em troca de sua integração à hierarquia militar do Império.

Du Wenxiu conseguiu estabelecer o Estado Pingnan (pacificar o sul) também conhecido como Sultanato de Dali, que tinha como base econômica o comércio terrestre e atingiu seu auge entre 1867 e 1869. A derrota da Rebelião Taiping permitiu que a Dinastia Qing enviasse tropas suficientes para derrotar a rebelião. Du Wenxiu se entregou, aceitando a decapitação, para evitar derramamento de sangue entre seus seguidores[1] .

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Essaios, estudos

Artigos (em jornais, revistas etc.)