Conflito no norte do Mali

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

Conflito no Norte do Mali
Parte da(o) Insurgência islâmica no Magreb e das Rebeliões tuaregues
Northern Mali conflict.svg
Mapa da situação no Mali a partir de 22 de janeiro de 2013.
Data 16 de janeiro de 2012 – presente
Local Mali
Desfecho
Status Em andamento
Combatentes
 Mali
 França[10] [11] [12]
CEDEAO

 Chade[22]
 Burundi[23]
 Gabão[24]
 África do Sul[25]
 Ruanda[25]
 Tanzânia[25]
 Uganda[26]


Apoiados por:
União Europeia [27]
Argélia Argélia [28] [29]
Bélgica Bélgica[30]
Canadá Canadá[31]
 Comoros[32]
DinamarcaDinamarca[33] [34]
Alemanha Alemanha[35]
Itália Itália[36]
Países Baixos Países Baixos[37]
Rússia Rússia[38]
Espanha Espanha[39] [40]
Reino Unido Reino Unido[41]
Emirados Árabes Unidos Emirados Árabes Unidos[42]
Estados Unidos Estados Unidos[43]


Combatentes não-estatais:
NLFA[44] [45]

Estado Independente da Azauade Islamistas
Principais líderes
Mali Dioncounda Traoré (desde abril de 2012)
Mali Amadou Sanogo (desde março de 2012)
Mali Amadou Toumani Touré (até março)
Mali Sadio Gassama (até março)
Mali El Haji Ag Gamou (até março)
França François Hollande
França Édouard Guillaud
Nigéria Shehu Usman Abdulkadir
Nigéria Yaye Garba

Mohamed Lamine Ould Sidatt (NLFA)
Housseine Khoulam (NLFA)[44]

Mahmoud Ag Aghaly
Bilal Ag Acherif
Moussa Ag Acharatoumane
Ag Mohamed Najem[46]
Iyad ag Ghaly[47]

Omar Ould Hamaha[48]
Mokhtar Belmokhtar
Abdelmalek Droukdel[49]

Forças
Mali 6.000-7.000[50] (12.150 pré-guerra est.)[51]

França 2.500[52]
Chade 2.000[22]
Nigéria 1.200[13] [53]
Togo 733[42]
Burkina Faso 500[13]
Costa do Marfim 500[42]
Níger 500[13]
Senegal 500[13]
Serra Leoa 500[13]
Benim 300[13]
Guiné 144[13]
Gana 120[13]
Total: 23.564+


União Europeia 450 (EUTM)[54]


~500 (NLFA)[44]

3.000[55] [56] 1.200–3.000[57] [58]
Vítimas
164+ mortos,[59]

400 capturados[60]
Total:
1.000–1.500+ mortos, capturados ou desertados (por abril de 2012)[55]


11–36 mortos, 60 feridos,[61] [62] 12 capturados[63] (Janeiro de 2013)
6 soldados franceses mortos.[64]

165+ mortos
(conflito com Exército do Mali)[65] [66] [67]

5–123 mortos
(conflito com os islamitas)[68] [69] [70] [71]

740+ mortos
[68] [69] [70] [71] [72]
Deslocados:
~144.000 refugiados no estrangeiro[22]
~230,000 deslocados internos.[22]
Total≈374,000.[73]

O Conflito na região norte do Mali é um conflito armado que começou em janeiro de 2012 que prossegue até os dias atuais, composto por elementos dos povos tuaregues e grupos islâmicos fundamentalistas na região de Azauade no deserto do Sara, como uma rebelião separatista contra o governo do Mali. Conduzida inicialmente pelo Movimento Nacional de Libertação do Azauade (MNLA), a mais recente encarnação de uma série de revoltas das populações nômades tuaregues que remonta pelo menos até 1916, contra a exploração desse solo por multinacionais europeias e estadunidenses[74] . O MNLA foi formado por antigos revoltosos e um número significante de combatentes tuaregues fortemente armados que lutaram pelo Conselho Nacional de Transição ou pelo Exército Líbio durante a Guerra Civil Líbia.[75]

No dia 22 de março, o presidente constitucionalmente eleito Amadou Toumani Touré foi deposto por um golpe de Estado promovido por militares contrários à conduta do governo na resolução da crise, apenas um mês antes que ocorressem as eleições para a presidência. Os militares rebelados, sob a bandeira do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado (CNRDE) suspenderam a constituição do Mali, embora essa ação tenha sido revertida no dia primeiro de abril. Como uma consequência da instabilidade política que se seguiu ao golpe, as três maiores cidades do norte do Mali - Kidal, Gao e Timbuktu - foram tomadas por rebeldes tuaregues.[76] Em 5 de abril, depois da captura de Douentza, o MNLA afirmou que havia atingido seus objetivos e cancelou sua ofensiva. No dia seguinte, foi proclamada a independência de Azauade do Mali.[77]

O MNLA inicialmente apoiado pelo grupo islâmico Ansar Dine. Depois que os militares do Mali foram expulsos de Azauade, o Ansar Dine começou a impor a sharia. O MNLA e os islâmicos se esforçaram para conciliar suas visões conflitantes para o novo Estado pretendido. [78] Posteriormente, o MNLA começou a lutar contra o Ansar Dine e outros grupos islâmicos, incluindo Movimento para a Unidade e Jihad na África Ocidental (MUJOA), um grupo dissidente do Al Qaida no Magreb Islâmico. Até 17 de julho de 2012, o MNLA perdeu o controle da maioria das cidades do norte do Mali para os islamitas.[79]

Em 11 de janeiro de 2013, o presidente da França, François Hollande, afirmou que havia concordado com um pedido do governo de Mali para ajuda externa e que "as forças francesas prestariam apoio ao Mali".[57]

Em 18 de junho, após quase um ano e meio desde o começo da crise, o governo do Mali e os rebeldes tuaregues assinaram um acordo de paz.[8] Contudo, em 26 de setembro de 2013, os rebeldes anunciaram que não mais aceitariam o acordo de paz e afirmaram que o governo não havia respeitado os entendimentos que haviam sido firmados no ano anterior.[9] Enquanto a luta continuava, as forças francesas afirmaram que pretendiam se retirar do país.[80]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

No início de 1990, os tuaregues e árabes nômades formaram o Mouvement Populaire de l’Azaouad / Movimento Popular de Azawad (MPA) e declararam uma guerra pela independência de Azawad.[81] Apesar dos acordos de paz com o governo do Mali em 1991 e 1995, uma insatisfação crescente entre os antigos combatentes tuaregues, que haviam sido integrados as forças armadas do Mali, conduziu a novos combates em 2007.[82] Apesar de historicamente ter dificuldade para manter alianças entre as facções seculares e islamistas, o Movimento Nacional para a Libertação de Azawad, aliou-se com os grupos islâmicos Ansar Dine e o Al Qaida no Magreb Islâmico e iniciou um conflito no norte do Mali em 2012. [81]

O MNLA foi um desdobramento de um movimento político conhecido como o Movimento Nacional para Azawad (MNA) antes da revolta.[83] Após o fim da Guerra Civil Líbia, um influxo de armas levou ao armamento dos tuaregues em sua demanda pela independência do Azawad. [84] A força desta revolta e o uso de armas pesadas, que não estavam presentes nos conflitos anteriores, foi dito ter "surpreendido" os oficiais malianos e observadores. [85]

Embora dominado por tuaregues, o MNLA declarou que o movimento representava também outros grupos étnicos, [86] e foram supostamente ligados por alguns líderes árabes.[83] O líder do MNLA, Bilal Ag Acherif, disse que a responsabilidade estava no Mali em querer dar aos povos saarianos a sua auto-determinação ou fariam isso eles mesmos.[87]

Outro grupo dominado por tuaregues, o islamita Ansar Dine (Defensores da Fé), inicialmente lutou ao lado do MNLA contra o governo. Ao contrário do MNLA, não buscava a independência, mas sim a imposição da lei islâmica (sharia) no Mali.[88] O líder do movimento, Iyad Ag Ghaly, fez parte da rebelião no início de 1990 e tem sido relatado estar ligado a um ramo do Al Qaida no Magreb Islâmico (AQMI), que é liderado por seu primo Hamada Ag Hama[89] , bem como o Département du Renseignement et de la Sécurité (DRS) da Argélia.[55]

O Mali passava por diversas crises ao mesmo tempo que favoreceram o surgimento do conflito: [90]

  • Crise do Estado: o estabelecimento de um Estado tuaregue tem sido um objetivo de longo prazo do MNLA, desde que começou uma rebelião em 1962. Depois disso, o Mali tem estado em uma luta constante para manter seu território.
  • Crise alimentar: a economia do Mali tem uma extrema dependência de ajuda externa, o que levou a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (ECOWAS) a aplicar um bloqueio para subjugar a junta militar [91]
  • Crise política: um motim levou à queda do presidente.

Rebelião Tuaregue (janeiro-abril de 2012)[editar | editar código-fonte]

Zonas étnico-culturais malinesas: árabe-bérberes (ou magrebinos), ao norte, e subsaarianos (ou negros), ao sul.

Os primeiros ataques da revolta ocorreram em Menaka, uma pequena cidade no extremo leste do Mali, em 16 e 17 de janeiro de 2012. Em 17 de janeiro, ataques em Aguelhok e Tessalit foram relatados. O governo do Mali afirmou ter recuperado o controle de todas as três cidades no dia seguinte.[92] Em 24 de janeiro, os rebeldes retomaram Aguelhok depois que o Exército do Mali ficou sem munição.[55] No dia seguinte, o governo do Mali, mais uma vez recapturou cidade[92] . O Mali lançou contra operações aéreas e terrestres para retomar os territórios apreendidos [93] , em meio a protestos em Bamako[94] e Kati.[95] O presidente maliense Amadou Toumani Touré, em seguida, reorganizou seus comandantes para a luta contra os rebeldes [96] .

Em 1 de fevereiro de 2012, o MNLA tomou o controle da cidade de Menaka, quando o exército maliano operou o que foi denominado de um recuo tático. A violência dos combates no norte levou a protestos na capital Bamako. Dezenas de soldados malianos também foram mortos em combates em Aguelhok.[94] Em 6 de fevereiro, as forças rebeldes atacaram Kidal, a capital regional. [97]

Em 4 de março, uma nova série de combates foi relatado próximo à cidade de Tessalit, anteriormente mantida pelos rebeldes. No dia seguinte, três unidades do Exército do Mali desistiram de tentar suspender o cerco. [55] [98] A Força Aérea dos Estados Unidos faz lançamento aéreo de suprimentos através de um C-130 em apoio aos soldados malianos sitiados.[99] Em 11 de março, o MNLA reassumiu Tessalit e seu aeroporto, e as forças militares malianas fugiram em direção à fronteira com a Argélia.[100] Os rebeldes avançaram cerca de 125 quilômetros de Timbuktu e seu avanço não foi contido quando entraram sem combates nas cidades de Diré e Goundam. O Ansar Dine afirmou que tinha o controle da fronteira Mali-Argélia.

Golpe de Estado[editar | editar código-fonte]

Em 21 de março de 2012, soldados insatisfeitos com o curso do conflito atacaram o ministro da Defesa Sadio Gassama quando chegava para discursar para eles. Em seguida, apedrejaram o carro do ministro, obrigando-o a fugir do acampamento. [101] Mais tarde, naquele dia, os soldados invadiram o palácio presidencial, forçando Touré se esconder.[102]

Na manhã seguinte, o capitão Amadou Sanogo, o presidente do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado (CNRDR), fez uma aparição na televisão em que anunciava que a junta havia suspendido a constituição do Mali e assumido o comando da nação.[103] Os amotinados citaram o suposto tratamento débil de Touré a insurgência e à falta de equipamentos para o Exército do Mali como suas razões para a rebelião. [104] O CNRDR serviria como um regime transitório até que o poder pudesse ser devolvido a um novo governo democraticamente eleito[105] .

O golpe foi "condenado de forma unânime" pela comunidade internacional,[106] inclusive pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, [107] pela União Africana,[107] e pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (ECOWAS), que anunciou em 29 de março que o CNRDR tinha 72 horas para ceder o controle antes que as fronteiras sem acesso ao mar do Mali fossem fechadas por seus vizinhos, [108] e seus bens ficariam congelados pela União Económica e Monetária da África Ocidental, e os indivíduos do CNRDR teriam seus patrimônios congelados e viagens proibidas. [109] A CEDEAO [110] e a União Africana, também suspenderam o Mali. Os Estados Unidos, o Banco Mundial e o Banco Africano de Desenvolvimento suspenderam os fundos de ajuda ao desenvolvimento em apoio às reações da CEDEAO e da UA para o golpe.[111] [112]

O Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, que era o presidente rotativo da CEDEAO, afirmou que quando o governo civil fosse restaurado uma força da CEDEAO de 2.000 soldados poderia intervir contra a rebelião. [113] O Presidente do Burkina Faso, Blaise Compaoré, foi nomeado mediador da CEDEAO para solucionar a crise.[109] Um acordo foi alcançado entre a junta e os negociadores da CEDEAO em 6 de abril, em que Sanogo e Touré renunciariam, as sanções seriam suspensas, aos amotinados seria concedida a anistia, e o poder passaria ao porta-voz da Assembleia Nacional do Mali, Dioncounda Traoré.[114] Após posse de Traoré, ele prometeu "travar uma guerra total e implacável" contra os rebeldes tuaregues, a menos que eles liberassem o controle das cidades do norte do Mali. [115]

Ofensiva contínua[editar | editar código-fonte]

Durante as incertezas após o golpe, os rebeldes lançaram uma ofensiva com o objetivo de capturar várias cidades e acampamentos militares abandonados pelo exército do Mali.[116]

Embora a ofensiva ostensivamente incluísse o MNLA e o Ansar Dine, de acordo com Jeremy Keenan da School of Oriental and African Studies da Universidade de Londres, a contribuição militar do Ansar Dine foi pequena: "o que parece acontecer é que, quando eles se movem em uma cidade, o MNLA retira a base militar - que não haja muita resistência - e Iyad [ag Aghaly] entra na cidade, coloca a bandeira e começa a dar ordens a todos ao redor sobre a lei da sharia". [117]

Em 30 de março de 2012, os rebeldes tomaram o controle de Kidal, a capital da região de Kidal, [118] bem como Ansongo e Bourem na região de Gao. [119] Em 31 de março, Gao caiu para os rebeldes, e ambos, o MNLA e o Ansar Dine, hastearam suas bandeiras na cidade.[120] No dia seguinte, os rebeldes atacaram Timbuktu, a última grande cidade controlada pelo governo no norte: eles capturaram com pouco combate [121] A velocidade e a facilidade com que os rebeldes tomaram o controle do norte foi atribuído, em grande parte, à confusão criada pelo golpe de Estado do exército, levando a Reuters a descrevê-lo como "um espetacular gol-contra". [122]

Em 6 de abril de 2012, declarando que havia assegurado todo o seu território desejado, o MNLA declarou a independência do Mali. No entanto, a declaração foi rejeitada como inválida pela União Africana e pela União Europeia. [123]

Conflito islâmico-nacionalista (junho-novembro de 2012)[editar | editar código-fonte]

Um combatente tuaregues com uma metralhadora no norte do Mali.

Após a retirada das forças do governo maliano da região, os ex-co-beligerantes (Ansar Dine, MOJWA e o MNLA) logo se viram em conflito uns com os outros, bem como a população.

Em 5 de abril de 2012, os islâmicos, possivelmente do AQIM ou MOJWA, entraram no consulado argelino em Gao e fizeram reféns.[124] O MNLA conseguiu negociar a libertação sem violência, e um comandante do MNLA afirmou que o movimento decidiu desarmar os outros grupos armados[125] . Em 8 de abril, uma milícia de maioria árabe que se autodenomina Frente Nacional de Libertação de Azawad (FNLA) anunciou a sua intenção de se opor ao Estado tuaregue e a batalha do MNLA, e "regressar à paz e à atividade econômica"; o grupo reivindicou consistir de 500 combatentes. [126]

O MNLA entrou em confronto com manifestantes em Gao em 14 de maio, supostamente ferindo quatro e matando um.[127] Em 6 de junho, os moradores de Kidal protestaram contra a imposição da sharia na cidade, e os protestos em apoio ao MNLA foram violentamente dispersados pelos membros do Ansar Dine. Pela noite de 8 de junho, o MNLA e os rebeldes do Ansar Dine entraram em confronto uns contra os outros na cidade com armas automáticas, com duas mortes no confronto. [128]

No início de junho, o presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, afirmou que os jihadistas afegãos e paquistaneses estavam oferecendo treinamento aos rebeldes islâmicos do Azawad. [129]

Batalha de Gao e consequências[editar | editar código-fonte]

Os confrontos começaram a aumentar entre o MNLA e os islâmicos depois de uma tentativa fracassada de fusão,[130] apesar da assinatura de um tratado de partilha de poder.[6]

Protestos eclodiram em 26 de junho de 2012 na cidade de Gao, onde a maioria das pessoas não são tuaregues (ao contrário do MNLA), mas sim grupos subsaarianos como os povos Songai e Fulas. Os manifestantes se opõe aos rebeldes tuaregues e a divisão do Mali. Dois foram mortos como resultado dos protestos, alegadamente por tropas do MNLA.[131] Os manifestantes usaram bandeiras do Mali e islâmicas, e a France 24 informou que muitos moradores locais apoiaram os islamitas, como resultado de sua oposição aos nacionalistas tuaregues e da secessão de Azawad [132]

Combatentes islamitas no norte do Mali.

Em 26 de junho de 2012, a tensão chegou ao combate total em Gao entre o MNLA e o MOJWA, com os dois lados disparando com armas pesadas. O Secretário Geral do MNLA Bilal ag Acherif foi ferido na batalha.[133] O MNLA logo foi expulso da cidade, [134] além de Kidal e Timbuktu pouco depois. No entanto, o MNLA afirmou que continuou a manter as forças e controlar algumas áreas rurais da região. [135]

Em outubro de 2012, o MNLA manteve o controle da cidade de Menaka, com centenas de pessoas se refugiando na cidade de domínio dos islâmicos, e da cidade de Tinzawatene, perto da fronteira argelina.[136] No mesmo mês, um grupo dissidente se separou do MNLA; que se intitula Frente para a Libertação do Azawad (FPA), o grupo afirmou que a independência tuaregue já não era um objetivo realista e que deveriam concentrar-se na luta contra os islamitas[137]

Tomada de Douentza e Menaka[editar | editar código-fonte]

Em 1 de setembro de 2012, o MOJWA assumiu o sul da cidade de Douentza, o que já havia sido feito por uma milícia secular Songhai, o Ganda Iso. Um porta-voz do MOJWA declarou que o grupo tinha um acordo com o Ganda Iso, mas decidiu ocupar a cidade quando a milícia parecia estar agindo de forma independente e obteve o controle da cidade após um breve impasse com Iso Ganda.[138] Assim que tropas do MOJWA cercaram a cidade, a milícia supostamente se rendeu sem luta e foram desarmados. [138] [139]

Em 16 de novembro de 2012, as forças tuaregues do MNLA lançaram uma ofensiva contra Gao em uma tentativa de retomar a cidade. No entanto, até o final do dia, os tuaregues foram derrotados pelas forças do MOJWA após os islâmicos colocarem lhes numa emboscada. Uma fonte de segurança maliana afirmou que pelo menos uma dúzia de combatentes do MNLA foram mortos enquanto os islamitas sofreram apenas uma baixa. Um oficial do MNLA afirmou que suas forças mataram 13 combatentes do MOJWA e feriram 17, enquanto que sofreram apenas nove feridos. [70]

Rebeldes islamitas.

Em 19 de novembro de 2012, as forças do MOJWA e do AQMI tomaram a cidade oriental de Menaka, que já havia sido detida pelo MNLA, com dezenas de combatentes de ambos os lados e civis mortos. No primeiro dia de combates, o MNLA alegou suas forças mataram 65 combatentes islamitas, enquanto que sofreram apenas uma baixa e 13 feridos. Os islâmicos, por sua vez, afirmaram que mataram mais de 100 combatentes do MNLA e capturaram 20. [71]

Intervenção estrangeira (janeiro de 2013)[editar | editar código-fonte]

Treinamento de membros de uma milícia pró-governo em Sevare.

Na sequência de pedidos tanto do governo do Mali e da CEDEAO para uma intervenção militar estrangeira,[140] em 12 de outubro de 2012, o Conselho de Segurança das Nações Unidas, por unanimidade, [141] ao abrigo do Capítulo VII da Carta das Nações Unidas, [142] passou uma resolução francesa que aprova uma força conduzida por africanos para auxiliar o exército de Mali na luta contra os militantes islâmicos. [143] A resolução deu 45 dias para "recomendações detalhadas e acionáveis​​"[140] para a intervenção militar, que seria elaborada pela CEDEAO e pela União Africana,[141] com um número informado de 3.000 soldados propostos.[140] Um plano anterior da CEDEAO havia sido rejeitado por diplomatas conforme falta de detalhes suficientes.[143]

Enquanto autoriza o planejamento da força, e dedica recursos da ONU para este planejamento,[141] a Resolução 2.071 não autoriza a implantação da força.[140] No entanto, a Resolução 2085, aprovada em 20 de dezembro de 2012, "autoriza a implantação de uma Missão Internacional de Apoio ao Mali sob a Liderança Africana (AFISMA) por um período inicial de um ano."[144]

Em 8 de janeiro de 2013, foi relatado pela Al Jazeera que os rebeldes teriam capturado 12 soldados do governo do Mali, perto da cidade de Konna.[63] No mesmo dia, a RFI relata que as tropas governamentais dispararam tiros de advertência e progrediram um pouco de Konna para Douentza.[145]

O realinhamento do MNLA com o Governo do Mali[editar | editar código-fonte]

Em dezembro, o então deslocado MNLA, iniciou conversações de paz com o governo do Mali e abandonou sua meta anterior de independência do Azawad em favor de uma solicitação de autonomia dentro do Mali. Após a entrada francesa em janeiro de 2013, o porta-voz do MNLA, em Paris, Moussa Ag Assarid (que havia criticado a ruptura do grupo FPA nos meses anteriores por desistir da independência [146] ), declarou que o MNLA estava "pronto para ajudar" os seus antigos adversários na luta contra os islâmicos.[147] O MNLA não controla grandes localidades no momento e só é forte em áreas rurais e nos desertos perto da fronteira com a Mauritânia, Argélia e Níger, tendo sido expulsos da maior parte do território reivindicado por grupos islâmicos[148] .

Treinamento de combatentes de uma milícia pró-governo.

Batalha de Konna e intervenção francesa[editar | editar código-fonte]

Em 10 de janeiro de 2013, as forças islâmicas capturaram a cidade estratégica de Konna, localizada a 600 km da capital. [149] Mais tarde, cerca de 1.200 combatentes islâmicos avançaram até 20 quilômetros de Mopti, área adjacente de uma guarnição militar do Mali[57] .

No dia seguinte, o exército francês lançou a Operação Serval para intervir no conflito. [150] De acordo com analistas, os franceses foram forçados a agir antes do planejado devido à importância do aeroporto militar de Sévaré, localizado a 60 km ao sul de Konna, para posteriores operações.[151] A operação incluiu a utilização de helicópteros Gazelle das forças especiais, o que impediu uma coluna islamista de avançar para Mopti, e o uso de quatro jatos Mirage 2000-D do Exército do Ar Francês operando de uma base no Chade. O chefe do exército francês, Édouard Guillaud, anunciou que os islâmicos se retiraram de Konna e recuaram dezenas de quilômetros para o norte. [152] Os ataques aéreos teriam destruído meia dúzia de picapes armadas islâmicas [153] e um centro de comando rebelde. Um piloto francês, o tenente Damien Boiteux, foi morto depois que seu helicóptero de ataque foi derrubado por disparos terrestres durante a operação.[154] [155]

Durante a noite de 11 de janeiro de 2013, o exército maliano, apoiado por tropas francesas, alegou tomar o controle da cidade de Konna,[156] e afirmou ter matado mais de 100 islamitas. [151] Testemunhas da AFP afirmaram ter visto dezenas de cadáveres de islamitas ao redor de Konna, com uma delas afirmando que contou 46 corpos.[157] [158] Os franceses declararam que quatro veículos rebeldes foram atingidos por seus ataques aéreos,[159] enquanto que o Exército do Mali reivindicou quase 30 veículos que foram bombardeados. Várias dezenas de soldados do Mali[62] e 10 civis também foram mortos. Um residente de Gao, a sede do MOJWA, disse que o hospital da cidade havia sido sobrecarregado com mortos e feridos.[61] Ao todo um morador contou 148 corpos em torno de Konna.[62]

No rescaldo da instalação francesa, a CEDEAO afirmou que tinha ordenado tropas para serem implantadas imediatamente no Mali, o Conselho de Segurança disse que uma força previamente planejada liderada pela ONU seria implantada em um futuro próximo, e a União Europeia informou que havia preparado um aumento do envio de tropas de treinamento militar no Mali.[160] O MNLA também se ofereceu para se juntar à ofensiva contra os islamitas.[161]

As tropas francesas chegando em Bamako.

Em 12 de janeiro, o governo britânico anunciou que estava implantando dois aviões de transporte C-17 da Royal Air Force em uma função não-combate para transportar principalmente as forças francesas, mas também potencialmente africanas, no Mali. [162]

Em 13 de janeiro, fontes de segurança regional anunciaram a morte em Konna de Abdel Krim, apelidado de "Kojak", um líder de alto nível do grupo Ansar Dine.[163] O ministro da Defesa francês, Le Drian, afirmou que novos ataques aéreos estavam em andamento no Mali, aconteceram durante na última noite e acontecerão no dia seguinte também. Um residente de Léré disse que ataques aéreos foram realizados na área.[164] Os ataques aéreos foram concentrados em três áreas: Konna, Léré e Douentza.[165] Dois helicópteros foram vistos atacando posições islâmicas em Gao.[166] Uma dúzia de ataques tiveram como alvo a cidade e seus arredores. Um morador informou que todas as bases islâmicas ao redor de Gao haviam sido retiradas de operação pelos ataques.[167] Uma base islâmica em Kidal foi alvejada pela força aérea francesa.[168] O ministro da Defesa francês, anunciou que quatro caças Rafale tinham participado dos ataques aéreos em Gao. Eles deixaram a França e estão no Chade.[169]

Foi relatado que, após os ataques que destruíram as suas bases, as forças do MUJAO deixaram Gao.[170] Os residentes informaram que 60 islamitas morreram nos ataques aéreos a Gao. Outros estavam escondidos em casas e escolheram os corpos dos mortos durante a noite. [171]

Em 14 de janeiro, os islamitas atacaram a cidade de Diabaly, a 400 km ao norte de Bamako, em áreas sob poder do governo. Eles vieram da fronteira mauritana, onde fugiram para evitar os ataques aéreos. O líder da AQIM, conhecido como Abu Zeid, estava liderando a operação.[172] No mesmo dia, os islamitas prometeram lançar ataques em solo francês.[173] Os jihadistas tomaram o controle de Diabaly poucas horas depois de seus ataques. [174]

Em 15 de janeiro, o ministro da Defesa francês confirmou que os militares do Mali ainda não tinham recapturado Konna das forças rebeldes, apesar de alegações anteriores de que eles o fizeram.[175] Enquanto isso, a Força Aérea Real do Canadá enviou um avião de transporte C-17 para o Mali em uma função similar ao dos C-17 britânicos.[176] O parlamento dinamarquês decidiu contribuir com um avião de transporte C-130[177] e o governo belga tomou a decisão de enviar dois aviões C-130, juntamente com um helicóptero de evacuação médica Agusta A109 Medevac do Componente Médica do Exército Belga, juntamente com 80 do pessoal de apoio para o Mali.[178]

Crise de reféns de In Aménas[editar | editar código-fonte]

Em 16 de janeiro, foi noticiado que um grupo de militantes do AQMI teriam cruzado a fronteira do Mali para a Argélia e haviam capturado um campo de gás natural de propriedade argelina / Statoil / BP, em In Aménas, perto da fronteira com a Líbia. Os militantes teriam assassinado dois de nacionalidade estrangeira e estavam mantendo reféns 41 cidadãos estrangeiros, e um porta-voz do grupo afirmou que o objetivo do ataque seria uma vingança aos países que intervieram no Mali. Os reféns supostamente incluíam vários cidadãos estadunidenses, japoneses, ingleses, romenos e noruegueses. A Argélia estaria supostamente negociando com os militantes para tentar obter a libertação dos reféns.[179] Em 19 de janeiro, 11 militantes e sete reféns foram mortos em um ataque final para acabar com o impasse. Além disso, 16 reféns estrangeiros foram libertados, incluindo dois estadunidenses, dois alemães e um português.[180]

Avanço no norte do Mali[editar | editar código-fonte]

Em 16 de janeiro, forças especiais francesas, juntamente com o exército maliano, em pequenos grupos móveis começaram a reconquistar a cidade de Diabaly,[181] mas o ministro da Defesa francês negou a presença de tropas francesas dentro de Diabaly.[182]

No mesmo dia, o governo da Espanha aprovou o envio de uma aeronave de transporte ao Mali para fins de apoio logístico e de treinamento.[183] Entretanto, o governo da Alemanha autorizou a contribuição de duas aeronaves Transall C-160 para transportar tropas tropas Africanas para a capital Bamako.[35] Da mesma forma, o governo da Itália prometeu transporte aéreo e bases de apoio logístico.[36]

Um caça francês Mirage 2000 sobrevoando o Norte da África em fevereiro de 2013.

Em 17 de janeiro, Banamba, foi colocado em estado de alerta após islâmicos teriam sido vistos perto da cidade. O exército maliano enviou 100 soldados para a cidade como reforços. No mesmo dia, um comboio de islâmicos teriam deixado Diabaly em direção a Banamba.[184]

Em 18 de janeiro, o Exército do Mali divulgou um comunicado afirmando ter o controle completo de Konna novamente.[185] [186] A afirmação foi confirmada por moradores de Konna,[187] bem como uma porta-voz de Ansar al-Dine. No mesmo dia, os rebeldes foram expulsos de Diabaly de acordo com várias fontes locais.[53]

Em 19 de janeiro que os residentes de Gao teriam linchado Aliou Toure, um proeminente líder islâmico e o comissário da polícia MOJWA da cidade, em represália pela morte do jornalista local, Kader Toure.[188] AFP citou relatórios locais dizendo que os islâmicos estavam começando a deixar outras áreas sob seu controle a procurando refúgio na montanhosa da região de Kidal.[189] No mesmo dia, dois soldados nigerianos foram mortos e cinco ficaram feridos por islâmicos perto da cidade nigeriana de Okene quando eles moviam-se em direção a Mali.[190]

Em 20 de Janeiro, aviões dos Estados Unidos USAF C-17 começaram a transportar tropas francesas e suprimentos.[191]

Em 21 de Janeiro tropas francesas e do Mali entraram em Diabaly sem encontrar resistência.[192] Douentza também foi tomada no mesmo dia.[193]

Na noite de 24 de janeiro soldados do Mali assumiram o controle de Hombori.[194] No mesmo dia, um grupo dissidente do Ansar al-Dine, chamando-se o Movimento Islâmico para Azawad, declarou que queria buscar uma solução pacífica para o conflito e pediu a França e Mali para cessar as hostilidades no norte a fim de "criar um clima de paz, que irá pavimentar o caminho para um diálogo político".[195] [196]

Em 26 de janeiro, forças especiais francesas tomaram o aeroporto e uma importante ponte na cidade de Gao.[197] A cidade foi tomada por forças francesas e maliense mais tarde naquele dia.[198]

Outro grupo em Léré, chefiado por seu comandante Kamou Ag Meinly abandonou o Ansar Dine aderindo ao MNLA.[199]

Dois caças franceses Rafale em ação no Mali.

Em 27 de Janeiro, as forças francesas e maliense cercaram Timbuktu[200] [201] [202] e reconquistaram o aeroporto, no dia seguinte, fontes militares do Mali e francesas afirmaram que toda a área entre Gao e Timbuktu estava sob o controle do governo e o acesso à cidade estava disponível.[203] [204] [205] A cidade foi totalmente tomada pelas forças francesas e do Mali no dia seguinte.

Em 28 de janeiro, o MNLA tomou o controle de Kidal, com a ajuda do Movimento Islâmico do Azawad, um grupo Ansar Dine separatista que dividiu após a intervenção internacional. O MNLA também assumiu o controle das cidades de Tessalit e Em Khalil. Aparentemente, os combatentes que desertaram do MNLA para o melhor financiado Ansar Dine estavam voltando ao MNLA.

Em 29 de janeiro, as primeiras tropas africanas não-maliense entraram Norte do Mali. Soldados do Niger ocuparam Ansongo e tropas do Chade Menaka, também foi relatado que o exército chadiano estava se movendo para o norte de Menaka em apoio ao Exército do Mali.[206]

Em 30 de Janeiro, os franceses retomaram aeroporto de Kidal. Nenhum soldado maliense estavam com eles, pois se temia um confronto com tuaregues. A cidade estava supostamente sob controle, tanto do MNLA como do MIA. O MNLA, porém negou qualquer colaboração ou até mesmo desejo de colaborar com a MIA, e afirmou que seus combatentes estavam mantendo o controle da cidade ao lado das forças francesas, [207]

Em 2 de Fevereiro, as tropas do Chade reconquistaram Kidal e se alojaram em uma base abandonada na cidade. Seu general disse que não tinha problema com o MNLA e que havia boas relações entre eles.[208] No mesmo dia, o presidente francês, François Hollande, juntou-se ao presidente interino do Mali, Dioncounda Traoré, em uma aparição pública na cidade recentemente recapturada de Timbuktu.[209]

Retomada de Timbuktu[editar | editar código-fonte]

Em sua pressa de fugir, no mês passado, de Timbuktu no Mali, os combatentes da Al-Qaeda deixaram para trás um documento crucial, é uma carta confidencial, soletrando a estratégia da rede de terror para conquistar norte do Mali e refletindo discórdia e críticas interna sobre como governar a região.[210]

O documento de mais de nove páginas é assinado por Abu Musab Abdul Wadud, o nome de guerra de Abdelmalek Droukdel, o comandante nomeado por Osama bin Laden para liderar o ramo da Al-Qaeda na África.[210]

A carta de Droukdel é um dos diversos documentos internos entre os comandantes da ala Africana da Al-Qaeda que foram encontrados no Mali e, possivelmente, o primeiro a ser tornado público, de acordo com o estudioso islâmico Mathieu Guidère da Universidade de Toulouse, ele é numerado 33/234, um sistema reservados para comunicações internas da Al-Qaeda.[210]

Em 2006, o grupo ao qual ele pertencia, conhecido como o GSPC, se tornou um do ramos da Al-Qaeda, após negociações com Ayman al-Zawahri, tenente de Bin Laden.[210] As palavras de Droukdel refletem a divisão dentro de uma das ramos mais cruéis da Al-Qaeda, e pode explicar por que em Timbuktu, sob o controle da Al-Qaeda no Magreb Islâmico, experimentou uma versão um pouco menos brutal da Xaria do que em Gao, uma das outras três principais cidades controladas pelos extremistas. Em 29 de novembro, grupos tuaregues laicos rompem com o governo. [211]

Referências

  1. Couamba Sylla (4 de abril de 2012). Tuareg-jihadists alliance: Qaeda conquers more than half of Mali middle-east-online.com. Visitado em 6 de abril de 2012.
  2. a b "Traore readies to take over in Mali", News24, 12 de abril de 2012. Página visitada em 12 de abril de 2012.
  3. Hirsch, Afua. "Mali rebels claim to have ousted regime in coup", The Guardian, 22 de março de 2012.
  4. Communiqué N°14-04-04-2012- Fin des Opérations Militaires Mnlamov.net. Visitado em 12 de janeiro de 2013.
  5. Tuaregs claim 'independence' from Mali Al Jazeera (6 April 2012). Visitado em 6 de abril de 2012.
  6. a b Mali Tuareg and Islamist rebels ″agree on Sharia state BBC News (26 de maio de 2012). Visitado em 27 de maio de 2012.
  7. Flood, Zoe. "Trouble in Timbuktu as Islamists extend control", The Daily Telegraph, 29 de junho de 2012. Página visitada em 6 de julho de 2012. “Ansar Dine ordered the Tuareg MNLA group to leave the historical city of Timbuktu ... backed by al-Qaeda’s north African branch”
  8. a b "Mali and Tuareg rebels sign peace deal", 19 de junho de 2013.
  9. a b Thomson Reuters Foundation. Mali Tuareg separatists suspend participation in peace process Trust.org. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  10. [1] Agência RT (15 de Janeiro 2013). Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  11. Logistics: American Robots Sustain The Siege of Tessalit Strategypage.com (8 de março de 2012). Visitado em 22 de março de 2012.
  12. Mali junta quits as regional troops prepare to target Tuareg rebels The Observer (7 de abril de 2012). Visitado em 7 de abril de 2012.
  13. a b c d e f g h i j "Les djihadistes s'emparent d'une ville à 400 km de Bamako". Página visitada em 2013-01-14.
  14. MALI UPDATE 5: Burkina Faso, Nigeria to send troops to Mali English.ahram.org.eg. Visitado em 2013-01-13.
  15. a b c APA: Int'l Support Mission for Mali to begin operations on Friday
  16. Ghana agrees to send troops to Mali Ghana Business News (14 de janeiro de 2013). Visitado em 18 de janeiro de 2013.
  17. a b Mali conflict: West African troops to arrive 'in days' Mali conflict: West African troops to arrive 'in days' (15 de janeiro de 2013). Visitado em 18 de janeiro de 2013.
  18. Ellen: Liberia Will Send Troops to Mali for Peace Mission
  19. "Niger says sending 500 soldiers to Mali operation". Página visitada em 2013-01-13.
  20. a b "Mali says Nigeria, Senegal, France providing help". Página visitada em 2013-01-13.
  21. "Aid Pledged to Mali as More Troops Deploy", 17 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  22. a b c d "Chad to send 2000 soldiers to Mali", 17 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  23. "AU to hold donor conference on Mali intervention", 18 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  24. WPR Article | Global Insider: Despite Early Successes, France’s Mali Challenge is Long-Term Worldpoliticsreview.com (2004-03-08). Visitado em 2013-01-28.
  25. a b c "Five more African countries pledge to send troops into Mali: Nigerian minister", NZweek. Página visitada em 2013-01-28.
  26. "Forces capture Gao rebel stronghold - World News", TVNZ. Página visitada em 2013-01-28.
  27. EU dilemma over Malian armed forces training Euronews (14 de janeiro de 2013).
  28. Mali: Algeria Supports French Operation in Nation
  29. Algeria rides wave of war despite its support for political solution in Mali
  30. Regering keurt steun aan militaire interventie in Mali goed ( Belgium sends transport planes, helicopters and military personnel) (em dutch (Flemish)) De Standdard (15 de janeiro de 2012). Visitado em 18 de janeiro de 2013.
  31. Canada sending C-17 transport plane to help allies in Mali www.cbcnews.ca (14 de janeiro de 2013). Visitado em 14 de janeiro de 2013.
  32. Mali: Comoros backs military intervention in Mali | News Afriquejet.com (2013-01-21). Visitado em 2013-01-28.
  33. Danmark sender transportfly ind i kampene i Mali (Denmark Confirms Sending Aid to Mali) Politiken.dk (14 de janeiro de 2012). Visitado em 18 de janeiro de 2013.
  34. Denmark confirms sending aid to Mali. Politiken, 2013.
  35. a b "Germany pledges two transport planes for Mali", 16 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  36. a b "Mali: Italy to offer France logistical support", 16 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  37. "Nederlands transport voor Franse missie Mali", 17 de janeiro de 2013. Página visitada em 19 de janeiro de 2013.
  38. French launches 'total reconquest' of Mali's north AFP (20 de janeiro de 2013).
  39. España confirma que intervendrá en Malí. Cuartopoder, 2013.
  40. Spain provides a transport plane.. ABC, 2013.
  41. UK troops to assist Mali operation to halt rebel advance BBC (13 de janeiro de 2013). Visitado em 2013-01-13.
  42. a b c Mali aid offers pour in; Army chief sets sights on Timbuktu
  43. US to provide French air transport in Mali US to provide French air transport in Mali Al-Jazeera. Visitado em 19 de janeiro de 2013.
  44. a b c Par Europe1.fr avec AFP. Mali: nouveau groupe armé créé dans le Nord Europe1.fr. Visitado em 9 April 2012.
  45. Felix, Bate; Diarra, Adama (10 April 2012), New north Mali Arab force seeks to "defend" Timbuktu, http://af.reuters.com/article/topNews/idAFJOE83901120120410 
  46. MISNA (20 de janeiro de 2012). Mali: Fighting In North; The New Touareg War Eurasiareview.com. Visitado em 7 de março de 2012.
  47. Daniel, Serge. "Mali's isolated junta seeks help to stop Tuareg juggernaut", ModernGhana.com, 30 de março de 2012. Página visitada em 1 de abril de 2012.
  48. "Mali Tuareg rebels' call on independence rejected", BBC, 6 April 2012. Página visitada em 6 de abril de 2012.
  49. "Facts: Islamist groups present in northern Mali", Google News, 13 de janeiro de 2013.
  50. Laurence, Norman (31 de outubro de 2012). Europe’s Response to Mali Threat Wall Street Journal Blogs. Visitado em 20 de janeiro de 2013.
  51. Sylla, Coumba. "Mali's bruised army plays second fiddle in offensive", 17 de janeiro de 2013. Página visitada em 20 de janeiro de 2013.
  52. "Mali Conflict: UN backs France's Military Intervention", 14 de janeiro de 2013. Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  53. a b "Mali army retakes key towns from rebels", 18 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  54. Chu, Henry. "EU authorizes military training mission for Mali", 17 January 2013. Página visitada em 17 January 2013.
  55. a b c d e Jeremy Keenan (20 de março de 2012). Mali's Tuareg rebellion: What next? Al Jazeera. Visitado em 23 de março de 2012.
  56. a b Sofia Bouderbala (2 de abril de 2012). Al-Qaeda unlikely to profit from Mali rebellion: experts The Daily Star. Visitado em 3 de abril de 2012.
  57. a b c "France begins Mali military intervention", Al Jazeera, 11 de janeiro de 2013. Página visitada em 11 de janeiro de 2013.
  58. Analysis: French early strike shakes up Mali intervention plan Reuters.
  59. 2 mortos(17–19 de janeiro),[2] 160 mortos (24–25 de janeiro),[3] 2 mortos (16 de janeiro),[4] total de 164+ dados como mortos
  60. Des prisonniers crient leur détresse (em francês) El Watan (8 de abril de 2012). Visitado em 9 de abril de 2012.
  61. a b Felix, Bate. "France bombs Mali rebels, African states ready troops". Página visitada em 2013-01-13.
  62. a b c "Over 100 dead in French strikes and fighting in Mali", 9 January 2013. Página visitada em 2013-01-13.
  63. a b Al Jazeera, Rebels capture Mali government troops, Al Jazeera, 8 de janeiro de 2013
  64. "Soldado francês é morto no Mali; morte de líder da al Qaeda é incerta", 3 de março de 2013. Página visitada em 3 de março de 2013.
  65. "Fierce clashes between Malian army and Tuareg rebels kill 47", The Daily Telegraph, 19 de janeiro de 2012.
  66. "Mali says 20 rebels killed, thousands flee", 5 de fevereiro de 2012. Página visitada em 7 de março de 2012.
  67. "Heavy fighting in north Mali, casualties reported", 7 de fevereiro de 2012. Página visitada em 11 de janeiro de 2013.
  68. a b "Mali: au moins 35 morts dans les affrontements islamistes/Touareg à Gao", Google News, 30 de junho de 2012. Página visitada em 30 de junho de 2012. (em francês)
  69. a b Islamists seize north Mali town, at least 21 dead in clashes Google (27 de junho de 2012). Visitado em 12 de janeiro de 2013.
  70. a b c New fighting breaks out in northern Mali France 24 (16 de novembro de 2012). Visitado em 12 de janeiro de 2013.
  71. a b c "North Mali clashes kill dozens, some unarmed: source" Google News (AFP), 20 de novembro de 2012
  72. "French air strikes stop Mali Islamist advance", 12 de janeiro de 2013. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  73. Tran, Mark. "Mali refugees flee across borders as fighting blocks humanitarian aid", 17 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  74. Mining and Petroleum Les Jounées Minières de Mali Pétrolièrs (13 de janeiro de 2013). Visitado em 3 de abril de 2012.
  75. The Causes of the Uprising in Northern Mali.
  76. Mali mutiny 'topples' President Toure.
  77. "Tuareg rebels declare the independence of Azawad, north of Mali", 6 de abril de 2012. Página visitada em 6 de abril de 2012.
  78. Mali: Islamists seize Gao from Tuareg rebels BBC News (27 de Junho de 2012). Visitado em 27 de Junho de 2012.
  79. Nossiter, Adam. "Jihadists' Fierce Justice Drives Thousands to Flee Mali", 18 de Julho de 2012. Página visitada em 18 de Julho de 2012.
  80. France prepares to withdraw Mali troops - Africa Al Jazeera English. Visitado em 15 de março de 2014.
  81. a b Backgrounder: Situation in Mali, Ralph Sundberg, June 5, 2012, Uppsala Conflict Data Program, http://uppsalaconflictdataprogram.wordpress.com/2012/06/05/backgrounder-situation-in-mali/
  82. Mali, UCDP Conflict Encyclopedia, retrieved Jan. 14, 2013, http://www.ucdp.uu.se/gpdatabase/gpcountry.php?id=103&regionSelect=1-Northern_Africa#
  83. a b Andy Morgan (6 de fevereiro de 2012). The Causes of the Uprising in Northern Mali Think Africa Press. Visitado em 7 de março de 2012.
  84. "Mali: 47 Die in Clashes Between Troops, Rebels – Ministry", allAfrica.com, 19 de janeiro de 2012. Página visitada em 7 de março de 2012.
  85. Adam Nossiter. "Qaddafi's Weapons, Taken by Old Allies, Reinvigorate an Insurgent Army in Mali", The New York Times, 5 de fevereiro de 2012. Página visitada em 26 de março de 2012.
  86. Dans le nord du Mali, les Touaregs du MNLA lancent un nouveau défi armé à l'Etat (em french) Le Monde. Visitado em 7 de março de 2012.
  87. Ibrahim, Jibrin (26 de março de 2012). West Africa: Mali and the Azawad Question allAfrica.com. Visitado em 2 de abril de 2012.
  88. "Mali: Timbuktu heritage may be threatened, UNESCO says", BBC, 3 de abril de 2012. Página visitada em 4 de abril de 2012.
  89. AFP: Islamist fighters call for Sharia law in Mali Google (13 de março de 2012). Visitado em 22 de março de 2012.
  90. Marc Fonbaustier, Mali: A case study of a complex african crisis, Marcfonbaustier.tumblr.com, June 2012
  91. "West African ECOWAS Leaders Impose Mali Sanctions", BBC, 3 de abril de 2012. Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  92. a b Mali Besieged by Fighters Fleeing Libya Stratfor. Visitado em 22 de março de 2012.
  93. Rice, Xan (19 de fevereiro de 2012). Mali steps up battle against Tuareg revolt Financial Times. Visitado em 24 de março de 2012.
  94. a b "Mali capital paralysed by anti-rebellion protests", 2 de fevereiro de 2012. Página visitada em 7 de março de 2012.
  95. Contre la gestion de la crise du nord: Les élèves ont marché hier à Kati (em french) Mali Web (20 de março de 2012). Visitado em 24 de março de 2012.
  96. "Mali: Rebellion claims a president", 22 de março de 2012. Página visitada em 2 de abril de 2012.
  97. Tuareg rebels attack Mali town of Kidal Al Jazeera (6 de fevereiro de 2012). Visitado em 25 de março de 2012.
  98. "Mali govt forces fail to lift garrison town siege", 5 de março de 2012. Página visitada em 22 de março de 2012.
  99. "Malian forces battle Tuareg rebels", News24, 4 de março de 2012. Página visitada em 22 de março de 2012.
  100. "Tuareg rebels take Mali garrison town, say sources", Trust, 11 de março de 2012. Página visitada em 22 de março de 2012.
  101. Dembele, Diakaridia. "Mali Military Blocks Presidential Palace After Gunshots", Bloomberg, 21 de março de 2012. Página visitada em 22 de março de 2012.
  102. "Mali army claims upper hand over rebels amid coup disarray", 25 de março de 2012. Página visitada em 25 de março de 2012.
  103. "Renegade Mali soldiers declare immediate curfew | Reuters", 9 de fevereiro de 2009. Página visitada em 22 de março de 2012.
  104. "Renegade Mali soldiers announce takeover", BBC, 22 de março de 2012. Página visitada em 22 de março de 2012.
  105. "Renegade Mali soldiers say seize power, depose Toure", 22 de março de 2012. Página visitada em 22 de março de 2012.
  106. Au Mali, le front des putschistes se fragilise (em french) Le Monde (24 de março de 2012). Visitado em 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012.
  107. a b International condemnation for Mali coup Al Jazeera (23 de março de 2012). Visitado em 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012.
  108. "Ecowas gives Mali leaders ultimatum to relinquish power", BBC News, 29 de março de. Página visitada em 30 de março de 2012.
  109. a b Malian coup leader to restore constitution Al Jazeera (1 de abril de 2012). Visitado em 31 de março de 2012.
  110. Is Mali heading for a split? Al Jazeera (2 de abril de 2012). Visitado em 2 de abril de 2012.
  111. International condemnation for Mali coup – Africa Al Jazeera English (4 de outubro de 2011). Visitado em 23 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 November 2012.
  112. "US cuts off aid to Mali's government after coup", USA Today, 26 de março de 2012. Página visitada em 26 de março de 2012.
  113. Tuareg rebels enter key Malian town – Africa Al Jazeera (4 de outubro de 2011). Visitado em 1 de abril de 2012.
  114. Mali awaits next step after president, coup leader resign The Daily Star (10 de abril de 2012). Visitado em 9 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012.
  115. Mali's new leader threatens 'total war' against Tuareg rebels The Telegraph (13 de abril de 2012). Visitado em 14 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012.
  116. Lewis, David. "Mali rebels advance in north, mutineers seek president", 23 de março de 2012. Página visitada em 23 de março de 2012.
  117. Robyn Dixon and Jane Labous. "Gains of Mali's Tuareg rebels appear permanent, analysts say", Los Angeles Times, 4 de abril de 2012. Página visitada em 3 de abril de 2012.
  118. "Mali coup: Rebels seize desert town of Kidal", BBC News, 30 de março de 2012. Página visitada em 30 de março de 2012.
  119. David Lewis and Adama Diarra. "Mali coup leader seeks help as rebels seize towns", 30 de março de 2012. Página visitada em 30 de março de 2012.
  120. Baba Ahmed and Rukmini Callimachi. "Islamist group plants flag in Mali’s Timbuktu", Boston Globe, 2 April 2012. Página visitada em 3 April 2012.[ligação inativa]
  121. "Mali Tuareg rebels enter Timbuktu after troops flee", BBC News, 1 de abril de 2012. Página visitada em 1 de abril de 2012.
  122. Cheick Dioura and Adama Diarra. "Mali Rebels Assault Gao, Northern Garrison", Huffington Post, 31 de março de 2012. Página visitada em 5 de abril de 2012.
  123. Mali Tuareg rebels declare independence in the north BBC News (6 April 2012). Visitado em 28 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2012.
  124. Les rebelles touareg en guerre contre Al Qaida au Maghreb islamique ? Le Monde (5 de abril de 2012). Visitado em 9 de abril de 2012.
  125. Pour libérer les otages algériens : des négociations avec Belmokhtar sont en cours (em francês) El Watan (8 de abril de 2012). Visitado em 9 de abril de 2012.
  126. "New north Mali Arab force seeks to "defend" Timbuktu", 10 de abril de 2012.
  127. Mali Separatists Send Group to Talk to Protestors Voice of America (15 de maio de 2012). Visitado em 16 de maio de 2012.
  128. Mali rebel groups 'clash in Kidal' BBC News (8 de junho de 2012).
  129. Afghan, Pakistani jihadists 'operating in northern Mali' France 24 (7 de Junho de 2012).
  130. Mali: Islamists seize Gao from Tuareg rebels BBC News (27 de junho de 2012). Visitado em 27 de junho de 2012.
  131. "Mali: 2 Killed in Anti-Rebel Protest", The New York Times, 26 de junho de 2012.
  132. Peggy Brugiere. "Backed by popular support, Mali's Islamists drive Tuareg from Gao", France 24, 29 de junho de 2012.
  133. "Mali Islamists 'oust' Tuaregs from Timbuktu", News 24, 29 de junho de 2012. Página visitada em 29 de junho de 2012.
  134. Zoe Flood (29 de junho de 2012). Trouble in Timbuktu as Islamists extend control The Daily Telegraph. Visitado em 30 de junho de 2012.
  135. Adam Nossiter. "As Refugees Flee Islamists in Mali, Solutions Are Elusive", The New York Times, 15 de julho de 2012. Página visitada em 28 de agosto de 2012.
  136. Salima Tlemçani (11 de outubro de 2012). The limits of military intervention (em french) El Watan. Visitado em 15 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 15 October 2012.
  137. Brahima Ouedraogo. "Mali's secular Tuareg rebels splinter, new group says independence unrealistic", The Star Tribune, 24 de setembro de 2012. Página visitada em 15 de outubro de 2012.
  138. a b Islamist rebels gain ground in Mali, seize control of Douentza, ousting former allied militia The Washington Post (1 de setembro de 2012). Visitado em 2 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2012.
  139. Mali Islamists take strategic town of Douentza BBC News (1 de setembro de 2012). Visitado em 2 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2012.
  140. a b c d UN adopts resolution on northern Mali BBC (13 de outubro de 2012). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  141. a b c UN Security Council aims for intervention in Mali Tapai Times, via AFP (14 de outubro de 2012). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  142. Security Council paves way for possible intervention force in northern Mali United Nations (12 de outubro de 2012). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  143. a b "U.N. Security Council asks for Mali plan within 45 days", 12 de outubro de 2012. Página visitada em 13 de outubro de 2012.
  144. UN Security Council Resolution 2085 United Nations (20 de dezembro de 2012). Visitado em 14 de janeiro de 2013.
  145. Mali : tirs de sommation sur la ligne de démarcation, Radio France Internationale. 8 de janeiro de 2013
  146. AP INTERVIEW: Mali's secular Tuareg rebels splinter, new group says independence unrealistic
  147. Al Arabiya: Tuareg rebels ready to help French forces in Mali
  148. Mali-based Islamists pledge attacks on French soil (Map)
  149. "Mali Islamists capture strategic town, residents flee", 10 de janeiro de 2013. Página visitada em 10 January 2013.
  150. Mali – la France a mené une série de raids contre les islamistes Le Monde (12 de janeiro de 2013). Visitado em 2013-01-13.
  151. a b Irish, John. "Malian army beats back Islamist rebels with French help". Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  152. Mali : après la mort rapide d'un officier, l'opération militaire s'annonce compliquée Le Monde. Visitado em 2013-01-13.
  153. "French army says no current plan to target northern Mali", Trust.org. Página visitada em 2013-01-13.
  154. French airstrikes destroy Mali rebel command center Panarmenian.net. Visitado em 2013-01-13.
  155. "Hollande steps up France security over Mali and Somalia", BBC News, 12 de janeiro de 2013. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  156. "Malian army retakes central town from Islamists", 26 de dezemro de 2012. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  157. "French Gunships Stop Mali Islamist Advance", 12 de janeiro de 2013. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  158. Mali: Hollande réunit son conseil de Défense à l'Elysée Libération. Visitado em 2013-01-13.
  159. Gazelle Downed in French Air Raid, Soldier Killed Aviationweek.com. Visitado em 2013-01-13.
  160. France confirms Mali military intervention BBC News (11 de janeiro de 2013). Visitado em 12 de janeiro de 2013.
  161. "France: How was it dragged into the Malian conflict?", BBC News, 14 de janeiro de 2013. Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  162. "Britain to send aircraft to Mali to assist French fight against rebels", The Guardian, 12 de janeiro de 2013. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  163. ALERTE – Mali: un haut responsable d'Ansar Dine tué dans les combats à Konna Romandie.com. Visitado em 2013-01-13.
  164. By BABA AHMED and RUKMINI CALLIMACHI – The Associated Press. Northwest Herald | Hundreds of French troops drive back Mali rebels Nwherald.com. Visitado em 2013-01-13.
  165. Alakhbar | Mali: L’aviation française bombarde les positions du MUJAO à Douentza Fr.alakhbar.info. Visitado em 2013-01-13.
  166. "French planes strike Mali rebel stronghold of Gao", Yahoo! News. Página visitada em 2013-01-13.
  167. Mali frappes francaises sur Gao Romandie.com.
  168. Mali frappes aeriennes francaises pres de Kidal autre bastion jihadiste Romandie.com.
  169. Quatre Rafale de la BA 113 ont conduit des frappes aériennes près de Gao, au Mali (em (francês)) France 3 Champagne-Ardenne.
  170. France pounds Islamist strongholds in northern Mali Channel NewsAsia.
  171. Mali: plus de 60 jihadistes tués Le Figaro.
  172. Mali: attaque des islamistes sur la route de Bamako Le Figaro.
  173. Mali-based Islamists pledge attacks on French soil France 24.
  174. Mali : revivez la quatrième journée de l'opération "Serval" (em french) BFM TV (14 de janeiro de 2013). Visitado em 18 de janeiro de 2013.
  175. France military says Mali town Konna 'not recaptured'
  176. "Canadian C-17 joins allied efforts en route to Mali", CBC News, 15 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  177. Wenande, Christian. "Air Force cargo plane heading to Mali", 15 de janeiro de 2013. Página visitada em 18 de janeiro de 2013.
  178. europe online publishing house gmbh - europeonline-magazine.eu (2012-11-20). Belgien stellt zwei Flugzeuge und einen Hubschrauber für Mali (em (em alemão)) Europeonline-magazine.eu. Visitado em 2013-01-15.
  179. Al Qaeda-linked group reportedly holding 7 Americans among 41 hostages after taking control of Algerian gas field.
  180. Goh, Melisa (19 de janeiro de 2013). Hostages, Militants Reported Dead After Assault Ends Standoff: The Two-Way NPR. Visitado em 19 de janeiro de 2013.
  181. Mali conflict: French 'fighting Islamists in Diabaly' BBC News (16 January 2013). Visitado em 18 January 2013.
  182. Mali: Le Drian dément des combats au corps à corps... Vote du Parlement si l'opération française va au-delà de quatre mois, selon Hollande 20 Minutes.fr (17 January 2013). Visitado em 18 January 2013.
  183. España ofrece un avión de transporte para la intervención en Malí ABC.es (17 January 2013). Visitado em 18 January 2013.
  184. Mali Islamist rebels draw closer to capital Bamako The Guardian. Visitado em 17 January 2013.
  185. "L'armée malienne affirme avoir repris le contrôle de Konna", 18 January 2013. Página visitada em 18 January 2013. (em French)
  186. "Mali Army Secures Central Town of Konna", 18 January 2013. Página visitada em 18 January 2013.
  187. "Mali army 'regains Konna' as Nigerian troops arrive", 18 January 2013. Página visitada em 18 January 2013.
  188. "Residents in northern Malian town lynch Islamist: sources", 19 January 2013. Página visitada em 20 January 2013.
  189. "Malian, French troops patrol as powers offer aid", 20 January 2013. Página visitada em 20 January 2013.
  190. "Islamists kill Nigerian soldiers heading to Mali", 21 January 2013. Página visitada em 24 January 2013.
  191. "US planes deliver French troops to Mali."
  192. "Mali conflict: French troops 'enter Diabaly'", 21 January 2013. Página visitada em 21 January 2013.
  193. "French and Malian troops push northward", 22 January 2013. Página visitada em 22 January 2013.
  194. "Mali army pushes farthest east toward city of Gao", 25 January 2013. Página visitada em 25 January 2013.
  195. "Mali Troops Advance Into Rebel-Held Territory", 25 January 2013. Página visitada em 25 January 2013.
  196. "New Mali rebel faction calls for negotiations", 25 January 2013. Página visitada em 25 January 2013.
  197. Valdmanis, Richard. "French forces in Mali seize airport, bridge at rebel-held Gao", 26 January 2013. Página visitada em 26 January 2013.
  198. Formanek, Ingrid. "Malian troops recapture rebel stronghold", 26 January 2013. Página visitada em 26 January 2013.
  199. "Un dirigeant militaire d’Ansar Edine entre en dissension et rejoint le MNLA", Fr.saharamedias.net. Página visitada em 2013-01-28.
  200. "BBC News - Mali conflict: French and Malian troops move on Timbuktu", BBC. Página visitada em 2013-01-28.
  201. "French and Malian forces encircle Timbuktu", 27 January 2013. Página visitada em 27 January 2013.
  202. Diarra, Adama. "Malians celebrate, French-led forces clear Timbuktu", Reuters. Página visitada em 2013-01-28.
  203. French-led troops in Mali control access to Timbuktu Times of India. Retrieved 28 January 2013
  204. French-led troops control access to Timbuktu: military Daily News. Retrieved 28 January 2013
  205. Breaking News: French-led troops control access to Timbuktu: military Straits Times. Retrieved 28 February 2013
  206. Opération Serval: Point de situation du 29 janvier 2013
  207. Ag Attaher, Mossa (30 January 2013). Communiqué N-48/ Entrée des troupes françaises à Kidal (em french) MNLA. Visitado em 1 February 2013.
  208. http://www.rfi.fr/afrique/20130202-mali-armee-tchadienne-prend-position-kidal-mnla
  209. "Mali conflict: Timbuktu hails French President Hollande", 2 February 2013. Página visitada em 2 February 2013.
  210. a b c d Rukmini Callimachi (14 fevereiro 2013). "In Timbuktu, al-Qaida left behind a manifesto" (em en) AP News. Visitado em 14 fevereiro 2013.
  211. Adama Diarra (29 de novembro de 2013). Grupo separatista declara fim do cessar-fogo no Mali (em pt) Estado de São Paulo. Visitado em 5 de dezembro de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]