Rhamnus alaternus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaRhamnus alaternus
Folhas e bagas de Rhamnus alaternus

Folhas e bagas de Rhamnus alaternus
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Rosidae
Ordem: Rosales
Família: Rhamnaceae
Género: Rhamnus
Espécie: R. alaternus
Nome binomial
Rhamnus alaternus
L.
Sinónimos

Rhamnus alaternus é uma espécie de planta com flor da família Rhamnaceae. É popularmente conhecida como aderno-bastardo, aderno-bravo, espinheiro-cerval ou sanguinho-das-sebes.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do género deriva do grego antigo "rabdos", ou “pau”, como referência à presença em muitas espécies de espinhos no término dos ramos. O nome específico, do latim, alaternus, semelhante a "alternus" ou “alterno”, é referência às folhas alternas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Rhamnus alaternus é um arbusto de folha persistente, com cerca de 1 a 5 metros de altura ,apresentando uma forma densa e arredondada.[2] Os ramos possuem uma casca de cor avermelhada e ramos jovens pubescentes, arredondados e com folhagem compacta com folhas inteiras, serrilhadas, alternas de cerca de 2 a 6 cm de comprimento,[2] por vezes quase opostas, nervadas, ovais ou lanceoladas, de aspecto coriáceo, verde brilhantes da parte superior e verde amareladas da parte inferior.

As pequenas flores fragrantes, de cor branca esverdeada, estão juntas num pequeno racemo axilar, possuindo 4 pétalas. A época de floração estende-se de Fevereiro a Abril. Os frutos são drupas obovóides de cor vermelha acastanhada com cerca de 3 a 4 mm, contendo de 2 a 4 sementes de cor branca. A frutificação dá-se no Verão. A drupa torna-se de cor preta quando amadurece. Os frutos possuem propriedades medicinais, podendo ser usados com cuidado como laxativos.

São plantas muito resistentes à seca. É uma planta dióica. O seu crescimento é relativamente rápido.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Esta espécie esta presente na maioria dos países mediterrânicos. Pode ser encontrada nomeadamente em França, Portugal, Espanha, ex-Jugoslávia, Albânia, Grécia, Itália, Turquia, Israel, Líbia, Tunísia, Agélia, Marrocos e Ucrânia.[3]

Encontra-se em estado naturalizado na Austrália e na Nova-Zelândia. É utilizada em programas de reflorestação.[4] .

Em Portugal ocorre em praticamente todo o país, predominando no centro e sul do país.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Está dispersa em bosques e matagais termofílicos de folha persistente ou marcescente das regiões de clima mediterrânico, desde o nível do mar até aos 700 m de altitude.[2] Ocorre também em sebes e orlas de bosques. Tem uma boa tolerância a ventos marítimos.

Propiedades[editar | editar código-fonte]

Os frutos possuem propriedades medicinais e podem utilizar-se com precaução como laxante.

A planta é utilizada como purgante, laxante, adstringente (ritidoma).[5]

Uso[editar | editar código-fonte]

É usada como planta ornamental, em sebes e em jardins.

Na indústria de corantes é utilizada para produzir pigmento de cor acastanhada que podem servir para tingimento de lã. A madeira pode ser usada na indústria dos embutidos.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Rhamnus alaternus foi descrita por Lineu e publicado em Species Plantarum 1: 193–194, no ano de 1753.[6]

Citologia[editar | editar código-fonte]

O número de cromossomas de Rhamnus alaternus (Fam. Rhamnaceae) e táxones infraespecíficos é de 2n=24[7]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

  • Rhamnus alaternus L. subsp. alaternus
  • Rhamnus alaternus L. subsp. myrtifolia (Willk.) Maire
  • Rhamnus alaternus L. subsp. pendula (Pamp.) Jafri

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rhamnus alaternus
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Rhamnus alaternus
Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Rosales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Rhamnus_alaternus. Flora Digital de Portugal. jb.utad.pt/flora. Página visitada em 9 de Dezembro de 2012.
  2. a b c Pignatti S. - Flora d'Italia – Edagricole – 1982. Vol. II, pag. 78
  3. J-C. Rameau, D. Mansion, G. Dumé, C. Gauberville, Flore Forestière Française, guide écologique illustré, 3 région méditerranéenne, Ministère de l'agriculture et de la pêche, 2008, 2426 p.
  4. Gulias, J.; A. Traveset, N. Riera, M. Mus. (2004-01-06). "Critical Stages in the Recruitment Process of Rhamnus Alaternus L.". Annals of Botany 93 (6): 723-731. DOI:10.1093/aob/mch100. ISSN 1095-8290 0305-7364, 1095-8290.
  5. Rhamnus alaternus. Plantas útiles: Linneo. Página visitada em 5 de noviembre de 2009.
  6. Rhamnus alaternus em Trópicos
  7. Números cromosomáticos de plantas occidentales, 855-862 López Pacheco, M. J. & al. (2000) Anales Jard. Bot. Madrid 58(2): 342-343