Ricardo Jafet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ricardo Nami Jafet (São Paulo, 26 de novembro de 1907Cleveland, 18 de março de 1958) foi um advogado, banqueiro e industrial brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do empresário libanês Nami Jafet (1860-1923)[1] e de Afife Jafet, fez seus estudos no Mackenzie College e formou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1930.

Em 1936 fundou a empresa Mineração Geral do Brasil, que explorou jazidas de ferro, manganês, cromo, carvão e ouro. Mais tarde fundaria também a Usina Siderúrgica de Moji das Cruzes e a Empresa Internacional de Transportes.

No governo[editar | editar código-fonte]

Jafet ajudou a financiar a campanha vitoriosa de Getúlio Vargas para a presidência da República em 1950, e foi cogitado para ocupar o Ministério da Fazenda. O cargo acabou ficando com Horácio Lafer, mas já no início do novo governo foi nomeado presidente do Banco do Brasil e tomou posse em janeiro de 1951. Jafet defendia uma política de expansão do crédito, e logo incompatibilizou-se com Lafer, que defendia uma política antiinflacionária.

A partir de 1952 a oposição a Vargas passou a denunciar um suposto favoritismo porparte do Banco do Brasil na concessão de créditos ao jornal A Última Hora, de propriedade de Samuel Wainer. O jornal havia sido criado com o objetivo de apoiar Vargas uma vez que a maioria dos grandes diários se opunha a seu governo. O chamado "escândalo da Última Hora" acabou por transformar-se num dos fatores de agravamento da crise do governo Vargas.

O desgaste e os atritos dentro do governo, levaram-no a pedir demissão em janeiro de 1953. Em abril constituiu-se uma comissão parlamentar de inquérito para investigar as relações entre o Banco do Brasil e a Última Hora. Em 1954 Jafet voltou a ser duramente atacado pela Tribuna da Imprensa, de Carlos Lacerda.

Ricardo Jafet foi casado com Neli Maluf Jafet.

Foi ligado ao Jóquei Clube Brasileiro, ao Clube Atlético Monte Líbano (São Paulo) e ao Clube Atlético Ypiranga, ao qual, em 1956, a família Jafet doou o terreno onde foi construído o primeiro ginásio esportivo do Clube.[2]

Seu corpo foi enterrado no Cemitério da Consolação, em São Paulo.[3]

Referências