Ricardo Salgado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ricardo Salgado, Horasis Global China Business Meeting 2009

Ricardo Espírito Santo Silva Salgado (Cascais, 25 de junho de 1944) é um economista e banqueiro português.[1] Foi presidente e fundador do Banco Espírito Santo, e é hoje o banqueiro no ativo há mais tempo em Portugal.[2]

Educação[editar | editar código-fonte]

Bisneto de José Maria do Espírito Santo Silva e neto materno de Ricardo Ribeiro do Espírito Santo Silva, Ricardo Salgado passou os primeiros anos da sua vida em Lisboa. Viveu na Lapa, onde estudou numa escola primária pública e, mais tarde, no Liceu Pedro Nunes.[3] [4]

Em 1969 licenciou-se em Economia, pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (actual ISEG) da Universidade Técnica de Lisboa. De seguida, cumpriu o serviço militar na Marinha Portuguesa, no Curso de Formação de Oficiais da Reserva Naval, antes de se juntar ao Banco Espírito Santo Comercial de Lisboa, em 1972.[5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1972, no Banco Espírito Santo Comercial, assume a direção do gabinete de estudos económicos e posteriormente a direção de crédito, onde fica até 1975, altura em que o banco foi nacionalizado.[6]

Vai para o estrangeiro onde participa na reconstrução do Grupo Espírito Santo primeiro a partir do Brasil (1976-1982) e depois na Suíça (1982-1991), de onde regressa para investir em Portugal. Começou pela criação do Banco Internacional de Crédito em 1986, quando a Constituição da República Portuguesa ainda não permitia reprivatizações.[7] Mais tarde esse banco é absorvido pelo Banco Espírito Santo.

Em 1991, após a reprivatização, Ricardo Salgado assume a presidência executiva do Banco Espírito Santo e dá início a um percurso que conduziu a um aumento de quota de mercado de 8% para 20% e à internacionalização do BES. Em 2002 foi nomeado para o Supervisory Board da Euronext NV (Amesterdão) e em 2006 participa na fusão da Euronext com o New York Stock Exchange (NYSE), tendo feito parte do seu Conselho como membro não Executivo até 2011. Foi Administrador não Executivo do Banco Bradesco (Brasil) de 2003 a 2012.[8]

Foi presidente da comissão executiva e vice-presidente do Conselho de Administração do Banco Espírito Santo. Foi também membro do conselho superior do Grupo Espírito Santo. Acumulou essas funções com as de presidente do Conselho de Administração do Espírito Santo Financial Group sedada em Luxemburgo) e do Banco Espírito Santo de Investimento (BESI). É ainda administrador do Espírito Santo Bank of Florida (EUA), da E.S. International Holding (Luxemburgo), da Espírito Santo Resources (Bahamas), do Banque Privée Espírito Santo (Suiça) e do Banque Espírito Santo et de la Vénétie (França).[4]

Ricardo Salgado foi mentor da internacionalização do BES apostando no triângulo estratégico África, Brasil e Espanha. Hoje a área internacional pesa metade dos lucros do banco.[9] Em 2012 o banco liderado por Ricardo Salgado foi o único dos três maiores bancos privados portugueses a aumentar capital recorrendo apenas aos acionistas e ao mercado de capitais, sem recorrer ao dinheiro dos contribuintes.[10] Em Janeiro de 2013 o BES foi o único banco português a gerir a operação que marca o regresso de Portugal aos mercados desde que o país foi alvo de intervenção da troika.[11]

Em Junho de 2014, o banco liderado por Ricardo Salgado levou a cabo uma operação de aumento de capital, considerada pelo banqueiro como a de maior sucesso desde a privatização em 1992. O aumento de capital do BES foi totalmente subscrito, tendo a procura superado 178% da oferta disponível.[12] [13]

Por pressão do Banco de Portugal, Ricardo Salgado pediu demissão em 20 de julho 2014 do cargo de Presidente da Comissão Executiva do BES,[14] tendo sido substituído por Vítor Bento.[15] A 2 de Julho, demite-se da presidência do BESI. [16]

Foi detido em sua casa, a 24 de Julho de 2014, no Estoril, por alegado envolvimento na operação Monte Branco, "que investiga a maior rede de branqueamento de capitais alguma vez detetada em Portugal".[17]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado Economista do Ano, pela Associação Portuguesa de Economistas (1992) e Personalidade do Ano, pela Câmara Portuguesa de Comércio do Brasil (2001). Recebeu as condecorações de Cavaleiro da Ordem Nacional do Mérito (1994) e da Ordem Nacional da Legião de Honra (2005), de França, e a de Grande-Oficial da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul (1998), do Brasil.

Em 2012, foi condecorado Commander's Cross Order of Merit da República da Hungria[18] e distinguido na categoria Lifetime achivement em Mercados Financeiros nos Investor Relations and Governance Awards 2012, iniciativa da Deloitte que distingue as melhores práticas no sector empresarial.[19]

Em julho de 2013 foi-lhe atribuído o douturamento Honoris Causa pela Universidade Técnica de Lisboa, tendo sido distinguido por serviços prestados à Economia, Cultura, Ciência e à Universidade.[20]

Ricardo Salgado é membro do Instituto Internacional de Estudos Bancários desde 2003 e seu presidente entre outubro 2005 e dezembro 2006. É também membro do Board of Directors, do Human Resources e Compensation Committee da NYSE Euronext.[21]

Polémica[editar | editar código-fonte]

Em 2012 Ricardo Salgado rectificou por três vezes declaração de IRS de 2011, o total das rectificações é de 4,3 milhões de euros de IRS pagos a mais face à colecta inicial.[22] [23]

Referências

  1. Nota Biográfica de Ricardo Salgado. Site BES. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  2. José Maria Ricciardi é primo de Ricardo Salgado e o principal candidato à sucessão no BES. SIC Notícias. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  3. O Banqueiro do costume Diário Económico. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  4. a b Romeira, Maria (14 de fevereiro de 2003). OS RICOS PORTUGUESES. Correio da Manhã. Página visitada em 11/05/2012.
  5. Nota Biográfica de Ricardo Salgado. Site BES. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  6. Nota Biográfica de Ricardo Salgado. Site BES. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  7. O Banqueiro do costume Diário Económico. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  8. Nota Biográfica de Ricardo Salgado. Site BES. Página visitada em 21 de novembro de 2013.
  9. O Banqueiro do costume Diário Económico (24 de julho de 2011). Página visitada em 21 de novembro de 2013.
  10. Como o BES evitou o dinheiro dos contribuintes. Revista Exame (01 de outubro de 2012, págs.24 a 34). Página visitada em 21 de novembro.
  11. Barcalys, Deutsche Bank, BES e Morgan Stanley montam regresso ao mercado. Diário Económico (21 de janeiro de 2013). Página visitada em 21 de novembro.
  12. Jornal de Negócios, Ricardo Salgado: "Foi o aumento de capital com mais sucesso desde 1992"
  13. Jornal de Negócios, Procura no aumento de capital do BES supera oferta em 79%
  14. Dinheiro Vivo (19-06-2014). Ricardo Salgado entrega demissão de presidente do BES. Dinheiro Vivo. Página visitada em 25-07-2014.
  15. Jornal Observador (04-07-2014). Vítor Bento será o novo presidente do BES. Jornal Observador. Página visitada em 25-07-2014.
  16. RTP (02-07-2014). Ricardo Salgado demitiu-se da administração do BESI. RTP. Página visitada em 25-07-2014.
  17. Ricardo Salgado foi detido. Diário de Notícias (24 de julho de 2014).
  18. Nota Biográfica de Ricardo Salgado. Site BES. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  19. Investor Relations and Governance Awards 2012. Site Deloitte. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  20. Nota Biográfica de Ricardo Salgado. Site BES. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  21. O Banqueiro do costume Diário Económico. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  22. Ricardo Salgado regularizou 4,3 milhões de euros de IRS. Jornal de Negócios (17 de Janeiro de 2013). Página visitada em 06 de Março de 2013.
  23. Por Carlos Diogo Santos e Luís Rosa (17 de Janeiro de 2013). Ricardo Salgado esqueceu-se de declarar 8,5 milhões de euros ao fisco. Jornal i. Página visitada em 06 de Março de 2013.