Richard Sorge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Richard Sorge
Richard Sorge.JPG
Nascimento 4 de outubro de 1895
Sabunchi, Azerbaijão, Império Russo
Morte 7 de novembro de 1944 (49 anos)
Tóquio, Japão
País  Império Alemão
 União Soviética
Anos em serviço Império Alemão 1914 - 1916
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 1920 - 1941

Richard Sorge (em russo: Рихард Зорге; em azeri: Rixard Zorge; Sabunchi, Baku, 4 de outubro, 1895Tóquio, 7 de novembro, 1944) foi um jornalista alemão e um espião para a União Soviética no Japão antes e durante a Segunda Guerra Mundial. O nome de código na KGB do grupo deste espião era "Ramsay".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Sorge nasceu em Sabunchi, uma comuna da aglomeração de Baku, Azerbaijão, que então fazia parte do Império Russo. Era um dos nove filhos do engenheiro alemão Wilhelm Sorge e da sua esposa russa, Nina. A família mudou-se para a Alemanha quando ele tinha 3 anos. O seu tio tinha sido um secretário de Karl Marx.

Em outubro de 1914, Sorge voluntariou-se para combater na Primeira Guerra Mundial, entrando para um batalhão de artilharia. Durante o seu serviço foi gravemente ferido quando, em março 1916, fragmentos de artilharia atingiram ambas as suas pernas. Foi promovido a cabo, recebeu uma Cruz de Ferro e foi enviado para casa.

Em 1925, instala-se em Moscou e torna-se membro do Partido Comunista Soviético. Em 1930, é enviado para a China, pelo serviço de espionagem do Exército Vermelho. Ao longo de três anos de estadia no país, ganha reputação como jornalista independente e familiariza-se com a Ásia.[1]

Em 1933, dirigentes soviéticos, interessados em conhecer melhor as intenções do governo japonês, enviam Sorge para o Japão, país que havia vencido a Rússia por várias vezes - como na Guerra Russo-Japonesa (1904-1905). A sua missão era simples mas fulcral: descobrir se os japoneses tinham a intenção de cumprir com o Pacto Anti-Komintern e atacar a Rússia. Além disso, Sorge deveria aproveitar a oportunidade para reunir informações sobre as relações entre o Japão e a Alemanha e também sobre a indústria pesada e o exército japoneses.

Sorge, com uma brilhante reputação como jornalista do Frankfurter Zeitung, rapidamente tornou-se amigo próximo e confidente do general Eugen Ott, que seria o futuro embaixador alemão em Tóquio. Ao mesmo tempo, era amante da mulher do militar. Para a nomeação de Ott como embaixador no Japão, a ajuda de Sorge foi fundamental. Com o apoio de sua vasta biblioteca sobre o país, forneceu grande quantidade de informação a Ott, auxiliando-o também nas análise do material.

Selo postal soviético em homenagem a Richard Sorge

Hedonista, amante de mulheres e bebidas fortes, Sorge passava despercebido aos serviços de contra-espionagem japoneses, não deixando perceber que, por sob a aparência do herói de guerra alemão, estaria um eficiente espião soviético. Recluso no Japão, após recusar-se a regressar à Alemanha - cumprindo ordens de Josef Stalin -, em 1937 Sorge passa informações da maior importância a Moscovo, tais como a data do início da Operação Barbarossa - desacreditada por Stalin - e, principalmente, a de que o Japão não atacaria a URSS, o que permitiu o reposicionamento dos exércitos russos que se encontravam na fronteira com o Japão para oeste, o que possibilitou deter, em Stalingrado, a operação alemã de invasão da URSS.

Ozaki Hozumi, um jornalista japonês do Asahi Shimbun que trabalhava para Sorge, foi preso no dia 14 de Outubro de 1941. Interrogado, acabou entregando Sorge, que foi preso a 18 de Outubro de 1941, em Tóquio, e posteriormente encarcerado na prisão de Sugamo. Inicialmente, os japoneses pensaram que, devido à sua condição de membro do Partido Nazista e por seus laços com a Alemanha, Sorge fosse um  agente da Abwehr, o que a Abwehr negou. Mesmo sob tortura, Sorge negou os seus vínculos com os soviéticos.

No dia 7 de Novembro de 1944 - ironicamente o dia da Revolução do Grande Outubro, o feriado mais importante da URSS - ambos os prisioneiros são enforcados. Os japoneses chegaram a fazer três ofertas de negociação aos soviéticos, oferecendo a troca de Sorge por um de seus espiões. Contudo, os soviéticos se recusaram a negociar, alegando que Sorge era um desconhecido para eles. Muito provavelmente isto ocorreu devido ao receio de Stalin de que se soubesse que ele havia ignorado os avisos de Sorge sobre a Operação Barbarossa. Assim, a contribuição de Richard Sorge permaneceu ignorada por duas décadas, até que, em 1964, ele recebeu o título de Herói da União Soviética, sendo erguidos monumentos em sua homenagem, em Baku [2] e em pleno centro de Moscovo[3] .

Encontra-se sepultado no Cemitério de Tama, em Fuchū (Tóquio).[4]

Referências

  1. Coleção 70º Aniversário da Segunda Guerra Mundial - Fascículo 11, Abril Coleções 2009 - Pag. 23
  2. Monumento a Richard Sorge, em Baku.
  3. Monumento a Richard Sorge em Moscou
  4. Richard Sorge (em inglês) no Find a Grave.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Coleção 70º Aniversário da Segunda Guerra Mundial - Fascículo 11, Abril Coleções, 2009

Ver também[editar | editar código-fonte]