Rio Casca (Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Casca
Comprimento 162 km
Nascente Ervália
Altitude da nascente 1400 m
Foz Rio Doce
Altitude da foz 260 m
Área da bacia 2475 km²
Afluentes
principais
Ribeirão Santo Antônio do Grama, Ribeirão Turvão, Ribeirão das Bandeiras
País(es)  Brasil

O Rio Casca é um rio brasileiro que banha a Zona da Mata do estado de Minas Gerais. É um afluente da margem direita do Rio Doce.

Apresenta 162 km de extensão e drena uma área de 2475 km².[1] Suas nascentes localizam-se na Serra da Mantiqueira, no município de Ervália, a uma altitude de aproximadamente 1400 metros.[2] Sua foz no rio Doce se localiza na fronteira dos municípios de Rio Casca e São Pedro dos Ferros.[3]

Banha as cidades de Jequeri e Rio Casca e terras dos municípios de Araponga, São Miguel do Anta, Canaã, Pedra do Anta, Santo Antônio do Grama, Urucânia e Piedade de Ponte Nova. Seu leito serve de limite natural entre alguns desses municípios. O trecho entre a foz do rio São Domingos e a confluência do ribeirão Turvão separa os municípios de Araponga e Ervália.[2] [4] Entre a foz do ribeirão Turvão e confluência do rio Santana, o rio Casca separa o município de Canaã, na margem direita, dos municípios de São Miguel do Anta e Pedra do Anta, na margem esquerda.[4] O trecho entre a Fazenda Ponte do Casca e a foz do córrego dos Mendes separa os municípios de Jequeri e Santo Antônio do Grama.[5] Entre o córrego dos Mendes e o córrego Engenho Velho, o rio Casca separa os municípios de Urucânia e Santo Antônio do Grama.[5] O trecho entre o córrego Engenho Velho e o ribeirão das Bandeiras separa os municípios de Urucânia e Rio Casca.[5] A partir da foz do córrego Óculo Pequeno, o rio Casca separa os municípios de Rio Casca e São Pedro dos Ferros até desaguar no Rio Doce.[6] [3]

As águas do rio Casca são aproveitadas para geração de energia elétrica em três Centrais Geradoras Hidrelétricas atualmente em operação: Casquinha, com potência instalada de 384 kW, situada entre os municípios de São Miguel do Anta e Canaã; Ponte Queimada 1 e Ponte Queimada 2, situadas entre os municípios de Urucânia e Rio Casca, que somam 1640 kW de potência instalada.[7]

Referências

  1. Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  2. a b Carta do Brasil SF-23-X-B-V-4 Ervália (JPG) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 9 de janeiro de 2011.
  3. a b Carta do Brasil SE-23-Z-D-V Coronel Fabriciano (JPG) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 9 de janeiro de 2011.
  4. a b Carta do Brasil SF-23-X-B-V-2 São Miguel do Anta (JPG) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  5. a b c Carta do Brasil SF-23-X-B-II-4 Jequeri (JPG) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  6. Carta do Brasil SF-23-X-B-II-2 Rio Casca (JPG) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 13 de outubro de 2012.
  7. Sistema de Informações Georreferenciadas do Setor Elétrico Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Visitado em 12 de outubro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.