Rio Piracicaba (rio de Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Piracicaba
Rio Piracicaba entre Coronel Fabriciano e Timóteo
Comprimento 240 km
Nascente Serra do Caraça, em Ouro Preto
Foz Rio Doce, entre Timóteo e Ipatinga
Área da bacia 6 000 km²
Afluentes
principais
Rio Santa Bárbara, Rio Prata, Rio Peixe e Rio Maquiné
País(es)  Brasil

O Rio Piracicaba é um rio brasileiro do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país, pertencente à Bacia do Rio Doce. Nasce a 1 680 metros de altitude, em uma das vértices da Serra do Caraça, no distrito ouro-pretano de São Bartolomeu, percorrendo cerca de 240 km até desaguar no Rio Doce, entre os municípios de Ipatinga e Timóteo.[1]

Tem como principais afluentes o Rio Santa Bárbara, Rio Prata, Rio Peixe e o Rio Maquiné.[2] Seu nome é de origem tupi-guarani e significa "lugar onde o peixe para".[3]

Bacia do Rio Piracicaba[editar | editar código-fonte]

Rio Piracicaba na zona rural de Nova Era.

A ocupação da região teve início no século XVIII, com a exploração dos bandeirantes. Sua sub-bacia está inserida na Bacia do Rio Doce, contando com 6 mil km² e abrangendo 21 municípios, sendo os principais Alvinópolis, Barão de Cocais, Coronel Fabriciano, Ipatinga, Itabira, João Monlevade, Mariana, Nova Era, Ouro Preto, Rio Piracicaba, Santa Bárbara e Timóteo. A população é estimada em cerca de 800 mil habitantes, sendo a maior parte residente em João Monlevade, Itabira ou na Região Metropolitana do Vale do Aço.[2]

Abrange parte de duas unidades de conservação; a Serra do Caraça e o Parque Estadual do Rio Doce, uma das principais reservas de Mata Atlântica do país. Da área total da bacia, cerca de 30% do total são compostos de lavouras, cidades, minas e cursos d'água, enquanto que 25% são pastagens, em 25% há presença do reflorestamento com eucalipto, em 20% há capoeiras e em 0,2% encontra-se Mata Atlântica original. O rio e seus afluentes têm sido muito castigados pela poluição gerada por dejetos oriundos da atuação das indústrias locais, como a Cenibra (papel e celulose), Vale (antiga Companhia Vale do Rio Doce), Gerdau (em Barão de Cocais), Aperam South America (em Timóteo), ArcelorMittal Aços Longos (em João Monlevade) e Usiminas (em Ipatinga).[2] [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Minas Sustentável (28 de agosto de 2009). Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba lança site com informações ambientais. Página visitada em 11 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013.
  2. a b c Cláudio Bueno Guerra (9 de junho de 1999). Expedição Piracicaba 300 anos depois: De Ouro Preto a Ipatinga, revendo a história e pensando o futuro. Página visitada em 11 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013.
  3. Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba (CBH Piracicaba). Informações gerais sobre a Bacia do Rio Piracicaba. Página visitada em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rio Piracicaba
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.