Rio São José dos Dourados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio São José dos Dourados
Rio São José dos Dourados fotografado em Valentim Gentil.
Comprimento 334,5 km
Nascente Mirassol
Foz rio Paraná
Área da bacia 6.783 km²
País(es)  Brasil
País(es) da
bacia hidrográfica
 Brasil

O rio São José dos Dourados é um rio brasileiro do estado de São Paulo. Nasce em Mirassol, e abastece parte do município. Tem a foz no rio Paraná, correndo paralelamente ao rio Tietê e é ligado a esse rio por meio do Canal Pereira Barreto[1] .

Caracterização[editar | editar código-fonte]

É um rio localizado na UGRHI 18 (Unidade Hidrográfica de Gerenciamento de Recursos Hídricos) no estado de São Paulo e é constituído por cerca de 35 afluentes, a maioria de pequeno porte[1] . A UGRHI em que está inserido Possui uma grande parcela de municípios com menos de 5 mil habitantes, sendo Jales a maior cidade nessa microbacia[2] . A maior parte dos municípios da bacia se abastacem por meio de águas subterrâneas. É um rio com muitas corredeiras, favorecendo a piracema do dourado, peixe que antes era abundante e "emprestou" o nome ao rio[1] . Sua foz faz parte do reservatório da Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira. A vegetação que se encontrava era a Floresta Estacional Semidecidual, principalmente, hoje bastante degradada.

Micro-bacias[editar | editar código-fonte]

A bacia do rio São José dos Dourados é constituída por 6 micro-bacias: Baixo São José dos Dourados (2.247,1km²), Ribeirão Ponte Pensa (305,6km²), Ribeirão Coqueiro (637,3km²), Ribeirão Marimbondo (933,9km²), Médio São José dos Dourados (1.281,5km²) e Alto São José dos Dourados (1.387,8km²)[1] .

Caracterização socioeconômica da bacia[editar | editar código-fonte]

As principais atividades econômicas a pecuária de leite e a fruticultura, com destaque para o plantio de uva. O setor comercial concentra-se nos municípios de Jales e Santa Fé do Sul atraindo compradores da região.

Principais problemas encontrados na bacia[editar | editar código-fonte]

Os terrenos em que está inserida a bacia são muito suscetíveis à erosão[2] . A situação é agravada pelo fato de que não existem unidades de conservação na região e que restam apenas 6,5% da vegetação original (cerca de 449km²)[2] [3] . É notável que em alguns fragmentos maiores (como aqueles encontrados em Meridiano, São João de Iracema e Magda, somando 6.481 hectares[4] ) cortados pelo rio (ou nas proximidades), a fauna se mostra diversa, sendo constatado por moradores da região, a presença de grandes carnívoros (como a onça-parda), muito ameaçados de extinção no estado de São Paulo, o que mostra a importância da conservação da região também do ponto de vista da biodiversidade [5] .

Referências

  1. a b c d Caracterização Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São José dos Dourados. Visitado em 29 mar. 2012.
  2. a b c UGRHI - 18 São José dos Dourados Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Visitado em 29 mar. 2012.
  3. Comitê da Bacia Hidrográfica do São José dos Dourados Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Visitado em 29 mar. 2012.
  4. Estatística dos Remanescentes Florestais 2008-2010 SOS Mata Atlântica. Visitado em 02 de abr. 2012.
  5. Mata dos Ingleses: Uma fauna ameaçada no Noroeste Paulista Aves de Rapina BR. Visitado em 29 mar. 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.