Rio Tâmega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tâmega
O rio Tâmega, em Chaves.
Comprimento 145 km
Nascente Serra de San Mamede, Galiza, Espanha
Altitude da nascente 960 m
Foz Douro
País(es)  Espanha,  Portugal

O rio Tâmega (Támega em galego) é um rio internacional, que nasce na Serra de San Mamede, província de Ourense, (Galiza, Espanha) e desagua em Entre-os-Rios no rio Douro.

Entra em Portugal pela extensa veiga de Chaves,vale estrutural (linha de fractura, Verin-Régua), inactivo do ponto de vista sísmico. Este é de abatimento e dissimétrico, conservando ainda o testemunho sedimentar de importante fase lacustre. O rio Tâmega,seguindo sempre uma direcção Norte-Sul, serve de fronteira internacional numa extensão de cerca de 2 quilómetros.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Na primeira parte do seu curso em Portugal,ficam-lhe a Este as alturas do Brunheiro (919 metros), e a Oeste os vários degraus que formam a serra do Larouco. Em Portugal, o Tâmega, banha a cidade de Chaves, as terras de Ribeira de Pena, e Basto, passa por Amarante e Marco de Canaveses, desaguando finalmente no Douro em Entre-os-Rios.[1] Estabelece a fronteira entre os concelhos de Boticas e Vila Pouca de Aguiar.

Afluentes[editar | editar código-fonte]

  • Rio Avelames em Monteiros
  • Ribeira de Arcossó perto de Outeiro Seco
  • Ribeiro da Curalha em Curalha
  • Rio Bessa em Ribeira de Pena
  • Rio de Cavez em Cabeceiras de Basto
  • Rio Louredo
  • Ribeira de Moimenta em Cabeceiras de Basto
  • Rio Cabril em Mondim de Basto
  • Rio Borba nascido em Borba da Montanha(Celorico de Basto) e que entrado no Concelho de Amarante toma o nome de Ribeira de Santa Natália
  • Rio Olo perto de Amarante
  • Rio Odres em Marco de Canavezes
  • Rio Ovelha em Marco de Canavezes
  • Ribeiro de Perosinho em Penafiel

Regime do rio[editar | editar código-fonte]

Devido às irregularidades do regime pluviométrico na área da sua bacia, o qual apresenta grandes variações anuais, originam-se consequentemente irregularidades no seu regime e no dos seus ribeiros. Assim,no fim do Verão, devido ao estilo prolongado, a água corrente escasseia, originado-se grande degradação na sua qualidade. Pelo contrário no Inverno, com a abundância de precipitação e a fusão das neves que caem nas serras próximas, os caudais engrossam, transbordando por vezes. Senão, repare-se nas inúmeras referências marcadas em paredes de casas ribeirinhas ao Tâmega. Mas, além das águas do Tâmega, surgem-nos em Chaves, outras que sendo de menor caudal as ultrapassam em fama: as águas das caldas. Estas estiveram na origem do nosso burgo, advém dai também a designação de flavienses (águas de Flávio), atribuída aos populares oriundos dessas terras.

Aproveitamento Hidroeléctrico[2] [editar | editar código-fonte]

No Tâmega, o Centro de Produção do Douro possui um aproveitamento hidroelétrico - Barragem de Torrão (Marco de Canaveses) - construído em 1988, com uma potência instalada de 146 MW e uma produção média anual de 228 GWh estando ainda previstos novos empreendimentos em Vidago e Codeçoso.

Características básicas do escoamento da bacia vertente do Rio Tâmega[2] [editar | editar código-fonte]

Sup. total da bacia
(1000 km²)
Estação Sup. da bacia
(1000 km²)
N.º de anos de registo Escoamento anual
(1000 milhões de )
Caudal médio
(/s)
Caudal específico
(l/s/km²)
3,2
P.te Canavezes
3,2
33
médio: 2,2
máximo: 4,8
mínimo: 0,77
relação máximo/mínimo: 6
69
22

Imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rio Tâmega Infopédia online. Página visitada em 27 de Janeiro de 2014.
  2. a b Barragem do Torrão INAG. Página visitada em 27 de Janeiro de 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rio Tâmega
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.