Rio Uruguai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Uruguai
O Rio Uruguai na divisa entre os estados brasileiros de Santa Catarina e Rio Grande do Sul
Mapa
Comprimento 1770 km
Nascente Serra Geral
Foz Rio da Prata
Altitude da foz 0 m
Afluentes
principais
Rio Peperi-Guaçu, Rio Quaraí, Rio Negro, Rio Ijuí, Rio da Várzea, Rio Chapecó, Rio Passo Fundo, Rio Ibicuí
País(es)  Brasil
Uruguai
 Argentina

O Rio Uruguai é um rio sul-americano que nasce na Serra Geral e que forma-se pela junção dos rios Canoas e Pelotas, na divisa entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A nascente do rio é o Rio Pelotas, que nasce cerca de 65 quilômetros a oeste da costa do Atlântico. A foz do Rio Uruguai é no Rio da Prata. É um dos rios mais importantes na hidrografia do sul do Brasil, servindo de fronteira entre esse país e a Argentina e entre a Argentina e o Uruguai. Uruguaiana é a principal cidade gaúcha banhada por suas águas.

O rio Uruguai forma-se na Serra Geral em cotas aproximadas de 1 800 metros com o nome de Rio Pelotas. Somente após receber as águas do Rio Canoas, passa a se chamar Rio Uruguai, indo na direção geral leste-oeste até receber, pela margem direita, as águas do Rio Peperi-Guaçu. Então, começa a infletir para sudoeste, servindo de fronteira inicialmente entre Brasil e Argentina, até receber o rio Quaraí, afluente da margem esquerda que atua como fronteira entre o Brasil e o Uruguai.

Depois de receber as águas do rio Quaraí, o rio Uruguai continua para o sul até a localidade de Nueva Palmira, onde deságua no rio da Prata. Sua extensão total é de 1 770 quilômetros. Note que, desde a junção de seus formadores até a foz do Rio Quaraí, são um total de 1 262 quilômetros, ficando os restantes 508 quilômetros do rio Uruguai correndo inteiramente entre terras uruguaias e argentinas. Se for considerada a extensão do Rio Pelotas, sua extensão chega aos 2 150 quilômetros. Seu desnível total é de 24 centímetros por quilômetro.

Significado do nome[editar | editar código-fonte]

Segundo Eduardo de Almeida Navarro, "Uruguai" é um termo proveniente do guarani antigo: significa "rio dos uruguás", pela junção de urugûá (uruguá, um tipo de caracol de água doce) e 'y (rio).[1]

Principais afluentes[editar | editar código-fonte]

Margem Direita - Rio do Peixe, Rio Chapecó, Rio Peperi-Guaçu.

Margem Esquerda - Rio Icamaquã, Rio Inhandava, Rio Apuaê, Rio Passo Fundo, Rio da Várzea, Rio Ijuí, Rio Ibicuí, Rio Quaraí, Rio Negro

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite onde é possível observar parte do percurso médio do Rio Uruguai e o percurso inferior, onde o mesmo deságua na Bacia do Prata, ao sul

Segundo estudiosos da hidrografia, o rio Uruguai pode ser considerado, fisicamente, de três formas, superior, médio e inferior.

  • # Superior- No trecho entre a junção dos rios Pelotas e Canoas, até a foz do rio Piratini, aí neste percurso com uma extensão total de 816 km e um desnível de 43 cm/km.
  • # Médio - No trecho entre a foz do Piratini até a cidade de Salto, já no Uruguai, aí neste percurso com uma extensão de 606 km e um desnível de 9 cm/km.
  • # Inferior- No trecho entre a cidade de Salto até a cidade de Nueva Palmira, agora um percurso ainda menor, num total de 348 km com desnível de 3 cm/km.

Após receber o Rio Peperi-Guaçu e mudar a direção para o sul, o Rio Uruguai apresenta o Salto do Yucumã, o maior salto longitudinal do mundo, com extensão aproximada de 1,8 Km com altura máxima de 20 metros.

A navegação do rio Uruguai só é amplamente utilizada em seu trecho inferior, na bacia do Prata, da foz a Concepción del Uruguay, na Argentina. Aí neste trecho podem ser vistos diversos navios de cabotagem. À medida que se sobe o rio, a navegação torna-se cada vez mais difícil, até se tornar completamente inviável.

Até a cidade de Salto, no Uruguai, a navegação pode ser feita por pequenas embarcações. Acima de Salto, a navegação é dificultada pela existência de rápidos e corredeiras, agravando-se a situação em direção a montante. Um pouco mais acima, nos 210 quilômetros entre São Borja e Uruguaiana, também efetua-se navegação, porém com embarcações de pequeno porte.

Existe uma discussão sobre a verdadeira nascente do Rio Uruguai, uma vez que, através de fontes históricas, o rio nasceria com a junção entre o Rio Pelotas e o Rio do Peixe. Tal teoria estaria embasada em documentações de propriedades de terras emanadas pelo governo, que apontariam, como nascedouro, a junção entre o Rio do Peixe e o Rio Pelotas (entre os municípios de Marcelino Ramos (Rio Grande do Sul) e Alto Bela Vista (Santa Catarina).

Aspectos econômicos[editar | editar código-fonte]

Pôr-do-sol no rio Uruguai

A navegação do rio Uruguai só apresenta expressão econômica em seu trecho inferior, onde o rio é percorrido por navios de cabotagem, da foz a Concepción del Uruguay, na Argentina. Acima desse local, a navegação é mais difícil, podendo ser feita por pequenas embarcações até a cidade de Salto, no Uruguai. Acima de Salto a navegação é dificultada pela existência de rápidos e corredeiras, agravando-se a situação em direção à montante. Tem-se efetuado a navegação por embarcações de pequeno porte nos 210 quilômetros entre São Borja, Itaqui e Uruguaiana. Durante décadas seguidas, substanciais incentivos governamentais foram destinados à atividade agrícola, dando importante impulso à economia.

Usinas[editar | editar código-fonte]

Degradação[editar | editar código-fonte]

Embora drenando águas puras de importante região agroindustrial, permanece um tanto ignorada pela ciência, e pelo sistema de fiscalização ambiental, apresentando avançado estado de degradação.

Houve a quase extinção das reservas naturais de matas, resultando na exposição dos recursos hídricos à ação dos fenômenos climáticos. As enxurradas subseqüentes geraram erosão, e a conseqüente turbidez, o envenenamento e o assoreamento dos leitos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Rio Uruguai

Referências

  1. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 606.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]