Rip van Winkle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Março de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Estátua de Rip van Winkle em Irvington, Nova Iorque.

Rip van Winkle é o nome de uma narrativa curta de um personagem homônimo, escrita pelo Washington Irving e publicada em 1819, baseada em contos germânicos que Irving conheceu, ouviu e aprendeu durante o período no qual passou na Europa. De acordo com Charles M. Skinner, no livro Myths and Legends of our Own Land, esta é a mais conhecida das lendas americanas.[1]

Este conto foi escrito durante um estágio de Irving na Inglaterra e conta sobre os tempos antes e após a revolução norte-americana. Conta que um homem, fugindo à sua esposa má, corre até uma floresta. Depois de muitas aventuras ele põe-se a descansar embaixo de uma árvore umbrosa, e adormece.

Vinte anos após ele acorda e decide regressar a sua vila. Ele mete-se logo em dificuldades quando ovaciona George III, não sabendo, no entanto, que se tinha realizado a revolucão e que já não se devia saudar a monarquia.

Por causa deste conto, Rip van Winkle também é associado às pessoas que não dão conta que certas coisas mudaram, como o retorno ao lar depois de tantos anos sem notícias.

História[editar | editar código-fonte]

Um fazendeiro chamado Rip Van Winkle tinha um cachorro chamado Lobo, não gostava de trabalhar e vivia no bar. Um dia, para não ouvir as reclamações da sua esposa resolveu ir às montanhas, passou lá o dia todo com seu cachorro. Quando pensava em voltar, ele viu um anão subindo a montanha carregando um barril. Rip ofereceu ajuda ao homem e subiu com o barril nas costas, até um local onde havia vários outros homens jogando, até que um homem de barbas brancas fez Rip dormir.[1]

Após acordar, Rip procurou sua arma, mas esta estava tão enferrujada que se desfez. Desceu a montanha de volta a cidade. Ele vai até a sua casa e está toda destruída, depois ele foi até o bar, procura os amigos, porém descobre que houve uma guerra e que muitos morreram. Ao perguntar sobre si mesmo, é apresentado a um jovem, muito semelhante a ele mesmo, que é o jovem Rip, filho de Rip van Winkle, que nunca havia voltado das montanhas, vinte anos atrás. Ele volta então para casa de sua filha e não trabalha mais, por ser muito velho. Passou 20 anos dormindo e agora brinca com as crianças e conta sua história para os turistas.[1]

Legado[editar | editar código-fonte]

O termo "Rip Van Winkle" acabou se tornando sinônimo de uma pessoa que vive situação de mudança social, seja ela intencional ou não, mas que "congela no tempo". O personagem de Washington Irving acabou se tornando um marco daquilo que estagnou, que dormiu e acordou em dois períodos distintos, mas ainda permanece o mesmo. No caso, Rip confronta a mudança da Revolução Americana, dormindo numa colônia inglesa e acordando numa América independente. Quando ele retorna para o vilarejo, nota que uma série de coisas estão diferentes, mesmo o boteco onde ele costumava passar boa parte do tempo havia mudado muito:

Cquote1.svg He recognized on the sign, however, the ruby face of King George, under which he had smoked so many a peaceful pipe; but even this was singularly metamorphosed. The red coat was changed for one of blue and buff, a sword was held in the hand instead of a scepter, the head was decorated with a cocked hat, and underneath was painted in large characters, GENERAL WASHINGTON. Cquote2.svg

Tradução: "Ele reconheceu no letreiro, contudo, o rosto vermelho do Rei George, embaixo do qual ele tinha fumado tantos cachimbos da paz, mas até isto foi particularmente metamorfoseado. O casaco vermelho foi modificado para um azul e de camurça, foi mantida uma espada na mão ao invés de um cetro, a cabeça foi decorada com um chapéu levantado, e abaixo estava pintado em grandes letras, GENERAL WASHINGTON."

Referências

  1. a b c Charles M. Skinner, Myths and Legends of our Own Land (1896), The Hudson and its hills, Rip van Winkle [em linha]