Rivera (Uruguai)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rivera

Vista superior de Rivera.
País Uruguai
Departamento Rivera
População 200.103 habitantes
Censo 2013
Altitude 219 metros
Latitude 30°53'60" Sul
Longitude 55°31'0" Oeste
Obelisco da Praça Internacional, na "Frontera de la Paz", cidades de Rivera (Uruguai) e Santana do Livramento (Brasil).

Rivera é uma cidade do Uruguai, capital do departamento de mesmo nome (cuja superfície total é de 9.370 km²), no norte do país. Segundo estimativas de 2010, a cidade teria em torno de 70 mil habitantes.

Fronteira com o Brasil[editar | editar código-fonte]

Rivera com a cidade vizinha de Santana do Livramento, no extremo sul do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, constitui uma curiosa conurbação binacional, denominada Fronteira da Paz, com aproximadamente 190.000 habitantes, que vivem de forma harmoniosa e integrada. A população das duas cidades falam um idioma conhecido por portunhol riverense. Porém, há na região pessoas que falam um bilinguismo, ou a mistura de idiomas, denominada portunhol.

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade se encontra no norte do Uruguai, aproximadamente distante 500 km da capital Montevidéu. A cidade se comunica com o restante do país pelas rotas nacionais 5 e 27.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade foi fundada em 1862, com o nome de Pueblo Ceballos em memória do vice-rei espanhol Pedro de Ceballos. Mas com o decreto nacional que determinava a criação da cidade, teve seu nome mudado em 1867 para homenagear o general Fructuoso Rivera.

Os primeiros moradores do município foram imigrantes espanhóis, italianos, portugueses e alguns brasileiros que viviam em Santana do Livramento, já lado brasileiro da fronteira.

Economia[editar | editar código-fonte]

Uma das principais atividades econômicas da cidade de Rivera são as lojas destinadas ao free-shop, voltadas ao público brasileiro, vindo principalmente das cidades gaúchas próximas da fronteira com o Uruguai, tornando Rivera um destino popular para a compra de produtos importados em dólar. Com a queda da cotação da moeda norte-americana, muitos aparelhos podem ser comprados por preços até 40% menores do que similares vendidos no Brasil. O limite de compras em Rivera é de US$ 300 por pessoa. Compras acima desse valor devem ser declaradas na Receita Federal para o pagamento do imposto de importação correspondente para que o produto possa entrar legalmente no Brasil.

Destaca-se também a existência de um casino, situado justamente sobre uma das avenidas por onde corre a fronteira entre os dois países. No interior do departamento, predomina a criação de gado, a agricultura e a florestação.

Autores Riverenses[editar | editar código-fonte]

  • Agustín Bisio;
  • Luis María Techera;
  • Olinto Ma. Simões;
  • Lalo Mendoza;
  • Rafael Fischer;
  • Carlos Higgie;
  • Nélida Higgie;
  • Soledad Silveira;
  • Maria Elcira Berrutti;
  • Eduardo Higgie;
  • Mirta Garath Marin;
  • Delia Cazarré de Alvez;
  • Michel Croz.

Riverenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Arte e cultura[editar | editar código-fonte]

Futebol[editar | editar código-fonte]

Literatura e direito[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Copa América de 1995[editar | editar código-fonte]

Em 1995, Rivera foi uma das 4 sedes da Copa América daquele ano, sediada no Uruguai. O Estádio Atilio Paiva Olivera abrigou todos os jogos do Grupo B (Brasil, Colômbia, Equador e Peru) e mais o histórico jogo das quartas-de-final entre Brasil e Argentina. A partida terminou em empate por 2 a 2, com um polêmico gol brasileiro marcado pelo atacante Túlio. No lance, o jogador dominou a bola com a mão, mas, mesmo assim, o árbitro validou o gol.

Na ocasião da competição, a Seleção Brasileira ficou hospedada no município brasileiro de Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul, cidade que faz fronteira com Rivera.

A Copa América de 1995 foi realizada no Uruguai nas cidades de Rivera, Maldonado, Montevidéu e Paysandu. A competição foi vencida pelos uruguaios.

O Grenal de Rivera[editar | editar código-fonte]

Em 30 de Janeiro de 2011 a cidade de Rivera sediou o clássico Grenal. O jogo foi disputado no Estádio Atilio Paiva Olivera. Foi a primeira vez que o maior clássico do futebol brasileiro foi disputado em outro país e a vitória foi do Grêmio.

Cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Uruguai é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.