Robótica baseada em comportamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde outubro de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

A Robótica beaseada em comportamento ou os robôs comportamentais é um campo da robótica que utiliza um modelo interno do ambiente muito reduzido ou não o utiliza de todo. Por isso, não existe nada programado no robô sobre como é uma cadeira ou o tipo de superfície em que eles está se movendo - toda a informação é obtida das entradas dos sensores dos robôs o modelo do ambiente geralmente reduz-se a pequenas informações acerca de valores anteriores dos sensores. Através do uso destas informações o robô pode reagir a mudanças no seu ambiente.

Os Robôs baseados em comportamento (RBC) geralmente mostra funções mais biológicas que suas contrapartes computadorizadas intensivamente, que são muito deliberadas em suas funções.Um RBC freqüentemente comete erros, repete ações, e fica confuso, mas também possui a característica antropomórfica da tenacidade. Comparações entre RBC e insetos são freqüentes por causa de suas ações. RBC são exemplos de Inteligência Artificial fraca.

O lugar que mais estudou os RBC no anos 80 foi o Massachusetts Institute of Technology com o professor Rodney Brooks, que com a ajuda de seus estudantes e colegas construiu uma série de robôs com rodas ou patas utilizando a arquitetura subsumption. As publicações de Brooks, geralmente escrito com títulos como "Planejar é apenas um caminho de evitar ter que figurar o que fazer depois", as qualidades antropormórficas de seus robôs, e o custo relativamente baixo de seus desenvolvimentos, popularizaram a aproximação baseada em comportamento.

O trabalho de Brooks contribuiu - por acidente ou não - para as duas maiores marcas na aproximação baseada em comportamento. Nos anos 50, William Grey Walter, um cientista inglês com experiência em pesquisas neurológicas, construiu um par de robôs controlados por válvulas termoiônicas, em 1950, os quais foram exibidos no Festival of Britain em 1951, e que possuíam um controle de sistema simples porém efetivo baseado em comportamento.

A segunda grande marca foi o livro de Valentino Braitenberg de 1984, "Vehicles - Experiments in Synthetic Psychology"(Veículos - Experimentos em Psicologia Sintética) (MIT Press). Onde ele descreve uma série de experimentos demonstrando que conexões simples entre sensores/motores podem resultar em comportamentos complexos como medo e amor.

Alguns dos últimos trabalhos na RBC vem da comunidade da Robótica BEAM, a qual foi iniciada por Mark Tilden. Tilden foi inspirado pela redução do poder computacional necessário para os mecanismos de caminhada dos experimentos de Brooks(os quais usavam um microcontrolador para cada pata), e reduziu ainda mais os requerimentos computacionais necessários para um simples circuito lógico, uma eletrônica baseada em transistores, e o projeto de circuitos analógicos.