Robert H. Gundry

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Robert Horton Gundry é um estudioso da Bíblia, laureou-se pelo Seminário Batista de Los Angeles, em 1961 recebeu o titulo de Ph.D. pela Universidade de Manchester, na Inglaterra e tem ensinado por várias décadas no Westmount College da Califórnia[1] Ele se tornou um proeminente membro da Sociedade Teológica Evangélica (ETS), e, como tal, assinou a sua afirmação “A inerrância da Bíblia”.

Em 1973 publicou The Church and the Tribulation: A Biblical Examination of Posttribulationism. (A Igreja e a Tribulação: Uma Análise Bíblica do pós-tribulacionismo). Em 1977, ele prosseguiu com outro livro abordando a polêmica sobre o momento da Segunda Vinda, quando publicou First the Antichrist: Why Christ Won't Come Before The Antichrist Does (Primeiro o Anticristo: Porque Cristo virá depois do Anticristo)[2]

Em 1982 ele publicou o polêmico Matthew: A Commentary on His Literary and Theological Art analyzing the Gospel of Matthew (Mateus: Um Comentário à Sua Literatura e a Arte Teológica de analisar o Evangelho de Mateus). Aqui neste trabalho Gundry utiliza a crítica de redação. Assim, ele argumentou que Mateus adaptou a história de Jesus para atrair o público-alvo.

Isso provocou uma grande controvérsia na Sociedade Evangélica Teológica.

Gundry sustentou que seu trabalho não questionou a infalibilidade de Mateus. Ao contrário, ele argumentou que a inerrância deve ser considerado à luz da intenção autoral. Mateus, afirma Gundry, "trata-nos a história misturada com elementos que não podem ser chamados históricos no sentido moderno."[3] Assim, o livro de Mateus não deve ser medido contra os padrões do gênero de escrita histórica moderna, a fim de ser chamado inerrante. Por outro lado, "Lucas afirma uma finalidade histórica ao longo das linhas que funcionam mais para a história moderna da escrita..."[4]

Gundry foi apoiado por uma parcela significativa da ETS. Um executivo da Sociedade analisou o caso de Gundry. No entanto, uma campanha contra Gundry foi lançada, liderada por Norman Geisler. Esta campanha foi bem-sucedida e em dezembro de 1983 Gundry demitiu-se da ETS..[5]

No Outono de 2001, Robert H. Gundry falou no ETS "Jesus the Word According to John the Sectarian. A Paleofundamentalist Manifesto For Contemporary Evangelicalism Especially its Elites in North America." (A Palavra de Jesus, de acordo com o sectarismo de João. Um Manifesto Paleo-fundamentalista no Evangelicalismo Contemporaneo especialmente as elites da América do Norte.) Nessa mensagem, Gundry sugeriu que "Nessas circunstâncias à palavra da cristologia joanina, norteia os evangélicos a tomar um rumo sectário, um retorno, mutatis mutandis, para o fundamentalismo e dos autores, no início do século XX".

Livros em Português

Panorama do Novo Testamento, Editora Vida Nova, 452 páginas.

Referências

  1. Robert H. Gundry, Scholar-in-Residence. Westmont College (2002). Página visitada em 2009-02-04.
  2. Ice, Tommy. Dr. Robert H. Gundry. Who's Who of Prophecy. Página visitada em 2009-02-04.
  3. Gundry, Robert Horton. Matthew, a commentary on his literary and theological art. Grand Rapids, MichiganWilliam B. Eerdmans Publishing Company, 1982. p. 623. ISBN 0-8028-3549-X
  4. Gundry, Robert Horton. Matthew, a commentary on his literary and theological art. Grand Rapids, MichiganWilliam B. Eerdmans Publishing Company, 1982. p. 628. ISBN 0-8028-3549-X
  5. Keylock, Leslie R.. (November 2003). "CT Classic: Evangelical Scholars Remove Robert Gundry for His Views on Matthew". Christianity Today 47.
Ícone de esboço Este artigo sobre Teologia ou sobre um teólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.