Robert Hermann Schomburgk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Robert Hermann Schomburgk.

Sir Robert Hermann Schomburgk (5 de junho de 1804, Freyburg11 de maio de 1865, Berlin-Schöneberg) foi um explorador britânico.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Schomburgk nasceu em Freyburg, cidade às margens do rio Unstrut, na Saxônia-Anhalt, filho de um pastor protestante.

Em 1820, enquanto morava com seu tio, ele aprendeu sobre botânica com um professor. Em 1828 foi escalado para supervisionar um transporte de ovelhas da Saxônia para a Virgínia, Estados Unidos, onde ficou. Perdeu sua fortuna, em parte na Virgínia, onde foi mal-sucedido como plantador de tabaco, em parte na ilha caribenha de Saint Thomas, onde perdeu tudo o que tinha em um incêndio. Conseqüentemente, ele decidiu parar com suas atividades de empreendedor. Em 1830, Schomburgk partiu para a ilha de Anegada, uma das ilhas Virgens, famosa por seus naufrágios de navios. Cuidou da ilha por conta própria e enviou à Royal Geographical Society, em Londres, um relatório que criou tamanha impressão que, em 1835, a ele foi confiado o comando de uma expedição à então Guiana Inglesa.[1]

Ele cumpriu sua missão (1835-1839) com grande êxito, e incidentalmente descobriu em 1837 uma planta aquática que posteriormente denominou Vitória-régia. Em 1841 voltou à Guiana, desta vez como oficial do Governo Britânico para mapear e fixar suas fronteiras. O resultado foi uma fronteira provisória entra a Guiana e a Venezuela, conhecida como a “Linha Schomburgk”, assim como a fronteira com a colônia neerlandesa do Suriname. Ele veementemente aconselhou a regulamentação da fronteira com o Brasil, já que alegou ter visto escravidão de índios locais – muitos dos quais já extintos – por brasileiros. Posteriormente, suas explorações nessa região geraria um conflito diplomático que seria denominado Questão do Pirara, no qual o Brasil cedeu dois terços do território disputado.

Ao voltar para a Inglaterra, ele recebeu da Rainha Vitória o título de Cavaleiro da Coroa Britânica e se tornou de fato Oficial do Governo Britânico. Em 1846 Schomburgk foi escalado para servir em Barbados, e em 1848 foi designado Cônsul em Santo Domingo. Já em 1857, recebeu o título de Cônsul Geral de Sião, e se fixou em Bangcoc. Enquanto servia à Coroa Britânica, ele continuava suas explorações. Saiu do serviço público em 1864, por causa de problemas de saúde. Morreu em Berlim, em 11 de março de 1865. Foi autor de A Descrição da Guiana Inglesa e A História de Barbados.

Seu irmão, Otto (28 de agosto de 181016 de agosto de 1857) editou a obra R. H. Schomburgks Reisen in Guiana und am Orinoco während 1835-1830, publicada em 1941. Este emigrou para a Austrália junto com um terceiro irmão, Moritz Richard.

Moritz Richard Schomburgk (5 de outubro de 181125 de março de 1891) foi criado como jardineiro e acompanhou seu irmão célebre, Robert Schomburgk, em sua segunda expedição à Guiana, onde ele coletou espécimes vegetais para o Museu da Universidade de Berlim. Após instabilidades políticas na Europa em 1848, Moritz decidiu emigrar para a Austrália Meridional em 1849, onde se tornou o vice-diretor do Jardim Botânico de Adelaide (em 1866), uma posto que exerceu até sua morte, de ataque cardíaco.

Referências

  1. Mapa de esboço da Guiana Inglesa (1840). Visitado em 2013-10-25.

Fonte[editar | editar código-fonte]



Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.