Rodrigo Nunes de Gusmão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rodrigo Nunes de Gusmão
Nobre do Reino de Castela, senhor da Casa de Gusmão, tenente em Roa e em Guzmán
Cônjuge Maior Dias
Descendência
Ver descendência
Nome completo
Rodrigo Nunes de Gusmão ou Rodrigo Moniz de Gusmão
Casa Casa de Gusmão
Pai Munio ou Nuno
Nascimento Reino de Castela
Morte 1186
Enterro Mosteiro de São Cristóbal de Ibeas, San Millán de Juarros

Rodrigo Nunes de Gusmão ou Rodrigo Moniz de Gusmão (em espanhol: Rodrigo Muñoz ou Núñez de Guzmán morto em 1186), considerado o ancestral comum da casa nobre de Gusmão, foi um rico-homem castelhano e tenente em Roa e em Guzmán, Burgos, a partir do qual esta linhagem teve o seu nome.

Esboço biográfico[editar | editar código-fonte]

Os genealogistas ainda não chegaram a acordo sobre as origens desta linhagem ou sobre a filiação de Rodrigo ea única coisa que se sabe é que, segundo os costumes onomásticos dessa idade, deve ter sido o filho de um Munio (Muño) ou Nuno.[a]Era um patrono de vários mosteiros, incluindo o Mosteiro de São Cosme e São Damián em Covarrubias e do Mosteiro de San Cristóbal de Ibeas situado em San Millán de Juarros que tinha sido fundado por Álvaro Dias de Oca e a sua esposa Teresa Ordonhes. Rodrigo e sua mulher foram enterrados neste último mosteiro. Em 20 de fevereiro 1151, Guterre Fernandes de Castro com sua esposa Toda, e Rodrigo e sua mulher, Maior, irmã de Toda, doou várias propriedades que as irmãs tinham herdado dos avós maternos, ao abade do mosteiro.[1] [2]

Rodrigo provavelmente morreu pouco depois de 29 de janeiro de 1186, data em que aparece pela última vez na documentação medieval.

Matrimónio e descendência[editar | editar código-fonte]

Átrio e torre da Colegiata de San Cosme y San Damián de Covarrubias

Casou-se antes de 1150 com Maior Dias, filha de Diogo Sanches, que morreu na Batalha de Uclés, e de Enderquina Álvares, filha de Álvaro Dias de Oca e de sua esposa Teresa Ordonhes.[2] [3] Pelo menos nove crianças nasceram deste casamento:

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ De acordo com o genealogista espanhol Luis de Salazar y Castro, Rodrigo era filho de Álvar Nunes de Gusmão e Elvira de Manzanedo, ignorando o uso mais básico de patronímicos durante os séculos X, XI e XII. O historiador Gonzalo Martínez Díez descarta esta filiação como pura ficção e conclui que não há nenhuma prova documental que permite a identificação do Munio (Muño) ou Nuno quem teria sido o pai de Rodrigo.[3]
[b] ^ Aparece com freqüência com seus irmãos, por exemplo, em 1170 com Pedro e Fernando confirmando o tratado de Saragoça: Albaro rodriz de massiella, Petrus rodriz et Ferrandus rodriz eius fratres.[6]
[c] ^ Em outro documento datado de 1167, menciona seus irmãos e irmãs: Pedro, Fernando, Rodrigo, Urraca, Sancha e Teresa.[17] [18]
[d] ^ Não sabemos nada sobre o casamento ou descendentes de Fernando Rodrigues de Gusmão. Devido a esta falta de documentação eo fato de que não houve registro de qualquer Félix de Gusmão, o suposto pai de São Domingos, Salazar y Castro propôs a hipótese, totalmente infundada, que este Fernando era o pai de São Domingos. ... Temos verificado vários ramos das linhagens Aza e Gusmão sem ter encontrado Juana de Aza (suposto mãe de santo) ou qualquer Félix de Gusmão.[19]
[e] ^ Em antigos tratados genealógicos, a esposa de Pedro diz-se ser um membro da família Manzanedo; embora esta filiação não está confirmada nos documentos medievais. Jaime de Salazar y Acha sugere que ela poderia ter sido uma filha ilegítima de Guilherme VIII de Montpellier e, portanto, meia-irmã de Maria de Montpellier, a mãe do rei Jaime I de Aragão. Sánchez de Mora propõe que Mahalda poderia ter sido a filha de Manrique Peres de Lara, embora ela não aparecer com seus supostos pais ou irmãos em nenhum documento.[20] [21]

Referências

  1. Martínez Díez 1975, p. 9.
  2. a b Sánchez de Mora 2003, p. 69, Vol. I.
  3. a b c Martínez Díez 1994, p. 197.
  4. Sánchez de Mora 2003, p. 288, Vol. I.
  5. Martínez Díez 1994, pp. 197-199.
  6. a b c Sánchez de Mora 2003, p. 204, Vol. I.
  7. Sálazar y Acha 1991, p. 44.
  8. Sánchez de Mora 2003, p. 477, Vol. I.
  9. Martínez Díez 1994, pp. 97 and 223.
  10. Martínez Díez 1994, p. 199.
  11. Sánchez de Mora 2003, p. 225, Vol. I.
  12. a b Sánchez de Mora 2003, p. 351, Vol. I.
  13. Martínez Díez 1994, pp. 199-200.
  14. Salazar y Acha 1991, p. 43.
  15. Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 392.
  16. a b c d Martínez Díez 1994, p. 200.
  17. a b Sánchez de Mora 2003, p. 453, Vol. I.
  18. Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 90.
  19. Martínez Díez 1994, p. 202.
  20. Salazar y Acha & Masnata y de Quesada 1989, p. 224–225.
  21. Sánchez de Mora 2003, p. 400, Vol. I.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]