Roman Polanski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Roman Polansky)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Roman Polański
Polanski em 2011.
Nome completo Roman Rajmund Polański
Nascimento 18 de agosto de 1933 (81 anos)
Paris,  França
Ocupação Diretor
Produtor
Roteirista
Ator
Cônjuge Barbara Lass (1959-1962)
Sharon Tate (1968-1969)
Emmanuelle Seigner (1989-)
Atividade 1953 - atualmente
Oscares da Academia
Melhor Diretor
2003 - The Pianist
Prêmios Globo de Ouro
Melhor Filme Dramático
1975 - Chinatown
Melhor Fime Estrangeiro
1980 - Tess
Melhor Diretor
1975 - Chinatown
Festival de Cannes
Palma de Ouro
2003 - The Pianist
César
Melhor Filme
1980 - Tess
2003 - The Pianist
Melhor Diretor
1980 - Tess
2003 - The Pianist
2011 - The Ghost Writer
Melhor Roteiro Adaptado
2011 - The Ghost Writer
2012 - Carnage
BAFTA
Melhor Filme
2002 - The Pianist
Melhor Diretor
1974 - Chinatown
2002 - The Pianist
Urso de Prata
Melhor Diretor
2011 - The Ghost Writer
Outros prêmios
Urso de Ouro - Melhor Fime
1974 - Chinatown
Leão de Ouro - Prêmio de Honra
1993 - Prêmio honorário
IMDb: (inglês)

Roman Rajmund Polański (Paris, 18 de agosto de 1933) é um cineasta, produtor, roteirista, ator polaco-francês.

Polański iniciou sua carreira na Polônia, e depois se tornou um célebre[1] Cineasta de sucesso e prestígio na carreira, foi premiado com a Palma de Ouro do Festival de Cannes e com o Oscar de melhor diretor, ambos por seu filme O Pianista, de 2002, que tem como plano de fundo o Gueto de Varsóvia, onde esteve na infância, como judeu na Polônia ocupada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Polański é um dos melhores do mundo, conhecidos diretores de cinema contemporâneo e é amplamente considerado um dos maiores diretores de sua época.[2] [3] Também é conhecido por suas polêmicas, turbulenta na vida pessoal e controversa.[4] Em 1969, a sua esposa grávida, Sharon Tate, foi assassinada pela Família Manson. Em 1977, foi condenado nos Estados Unidos pelo estupro presumido de uma menor de treze anos (Samantha Geimer), fugindo posteriormente para Londres, tendo depois se estabelecido na França. Mais de 32 anos depois, em setembro de 2009, Polanski foi temporariamente detido na Suíça a pedido de autoridades estadunidenses que pediam sua extradição. A Justiça helvética rejeitou o pedido e liberou o cineasta. Durante uma entrevista para um documentário, ele pediu desculpas à mulher dizendo-se arrependido.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Polański nasceu em Paris com o nome de Rajmund Liebling, filho de Ryszard Polański (também conhecido por Ryszard Liebling), de religião judaica, e Bula Polański (nome de solteira Katz), uma católica. Em 1937, a sua família voltou à Polônia. A sua mãe morreu num campo de concentração, mas ele conseguiu evitar a prisão e o envio aos campos escapando do Gueto de Cracóvia, e passou a Segunda Guerra Mundial em fuga permanente, de um lugar para o outro. Ao final da guerra estudou na Polônia, tendo concluído estudos na escola de cinema de Łódź, em 1959.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Polański fez o primeiro longa-metragem, Nóż w wodzie ("Faca na água", 1962), pelo qual ganhou sua primeira indicação ao Óscar (de Melhor Filme Estrangeiro, 1963). Polanski deixou a Polônia comunista para viver na França, antes de se mudar para a Inglaterra, onde colaborou com Gérard Brach em três filmes, começando com Repulsion em 1965. Em 1968 mudou-se para os Estados Unidos, dirigindo o filme de terror Bebê de Rosemary de 1968, em Hollywood. Depois de fazer vários filmes independentes, Polanski voltou a Hollywood em 1973 para fazer Chinatown para a Paramount Pictures, com Robert Evans como produtor. O filme foi indicado para um total de 11 Oscars, estrelas como Jack Nicholson e Faye Dunaway ambos receberam indicações para seus papéis e engenhosamente desenhados roteiro de Robert Towne ganhou o prêmio de Melhor Roteiro Original.[5] A principal crítica e sucesso de bilheteria da época de sua estréia no verão de 1974, Chinatown é considerada a maior realização de Polanski como cineasta.[carece de fontes?] O próximo filme de Polanski, The Tenant (1976), foi filmado na França, e completou o seu "Apartment Trilogy", na sequência Repulsion e Rosemary's Baby.

Depois de fugir para a Europa na sequência da sua condenação nos Estados Unidos em 1977, Polanski continuou a dirigir filmes, embora houvesse uma pausa de quase sete anos entre Tess (1979) (um drama romântico adaptado da novela de Thomas Hardy Tess, de 1891, do Urbervilles d', dedicado à memória de sua falecida esposa, Sharon Tate) e Os Piratas (1986), uma comédia de aventura. Mais tarde, filmes incluem Frantic (1988), Death and the Maiden (1994), The Ninth Gate (1999), The Pianist (2002), e Oliver Twist (2005). O mais notável de seus filmes mais tarde é O Pianista, a Segunda Guerra Mundial-set adaptação da autobiografia de mesmo nome de músico judeu-polonês Wladyslaw Szpilman, cujas experiências têm semelhanças com o próprio Polanski (Polanski, como Szpilman, escapou do gueto e campos de concentração, enquanto os membros da família não). O filme ganhou três Oscar, incluindo Melhor Diretor (2002), Palma de Ouro do Festival de Cannes (2002), e sete César, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor. Também fez trabalhos ocasionais no teatro.

Polanski e o escritor espanhol Diego Moldes, Madrid, 2005

Foi um dos nomeados ao European Film Awards de melhor diretor por The Ghost Writer.

Seu primeiro filme de longa-metragem, realizado em 1962 e falado em polaco, Faca na Água, recebeu boa acolhida da crítica e o lançou numa carreira internacional dirigindo filmes em inglês e francês.

Trabalhou como ator nos filmes Uma Simples Formalidade (1994), do diretor Giuseppe Tornatore, O Inquilino (1976), do próprio, e Dança dos Vampiros (1967), também dirigido por ele.

Casado com a atriz francesa Emmanuelle Seigner desde 1989, entre seus principais trabalhos estão Repulsa ao Sexo, O Bebê de Rosemary e Chinatown .

O assassinato de sua esposa Sharon Tate pela Família Manson[editar | editar código-fonte]

Sua mulher Sharon Tate (que estava grávida de oito meses do primeiro filho do casal) foi assassinada brutalmente no dia 9 de agosto de 1969 por integrantes da Família Manson, liderada por Charles Manson, num dos mais famosos e bárbaros crimes da história criminal dos Estados Unidos.

O crime de estupro[editar | editar código-fonte]

Outra polêmica na vida do cineasta é o fato de que não vai aos Estados Unidos desde 1977, por ter saído do país antes de poder ser condenado por "relação sexual ilícita com uma menor de 13 anos", e assim é considerado fugitivo da justiça. Desde então vive na França, tendo ele próprio assumido o crime em 1977, quando a adolescente tinha somente 13 anos. Jack Nicholson recebia amigos para uma festa na tarde de 10 de março de 1977. Polanski admitiu também ter dado champagne e drogas à menina que relutou em tomá-las mas concordou após a insistência do cineasta. A menor, Samantha Geimer, disse ainda que chorou e pediu para ir para casa, antes de Polanski estuprá-la. Polanski admite que ela pediu para ir para casa, mas alega que o sexo foi consensual. Em 27 de setembro de 2009, a convite do Festival de Cinema de Zurique, viajou à Suíça para receber um prémio pela sua carreira cinematográfica, e acabou sendo preso pelas autoridades helvéticas sob a alegação que um mandado internacional de prisão contra ele estava em vigor, devido à condenação acima citada[6] [7] [8] [9] .

Em 1977, Polanski foi detido em Los Angeles e se declarou culpado de relações sexuais ilegais com menores, de uma garota de 13 anos (na época ele próprio tinha 43 anos). Nos depoimentos, a menor acusou-o de drogá-la com Champanhe e Methaqualone.[10] Liberado após 42 dias, de uma avaliação psiquiátrica, Polanski fugiu para a França e teve um mandado de detenção E.U. pendentes desde 1978[11] e um mandado de captura internacional desde 2005.[12] Polanski por muitos anos evitou visitas aos países que eram suscetíveis de extraditá-lo, como o Reino Unido e viajou principalmente entre a França, onde reside, e a Polônia. Como um cidadão francês, foi protegido na França pela extradição limitada do país com os Estados Unidos.[13] Em 26 de setembro de 2009, ele foi preso, a pedido das autoridades americanas, pela polícia suíça, na chegada no aeroporto de Zurique durante a tentativa de entrar na Suíça[12] para receber o "Golden Icon Award" do Festival de Cinema de Zurique.[14] [15] A Suíça recusou extraditar o realizador por falta de provas conclusivas.

Em outubro de 2013, Samantha Geimer afirmou, durante a apresentação do seu livro de memórias, em Paris, que há "muito tempo" perdoou o cineasta[16] .

Recentemente, a atriz Charlotte Lewis se manifestou a favor da extradição de Roman Polanski para os EUA com o argumento de que ela também teria sido vítima de estupro por parte do diretor em 1986.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Como diretor
Ano Filme Indicações
ao Óscar
Óscar
1955 Zaczarowany rower (Bicycle)
1957 Morderstwo (A Murderer)
Uśmiech zębiczny (A Toothful Smile)
Rozbijemy zabawę (Break Up the Dance)
1958 Dwaj ludzie z szafą (Two Men and a Wardrobe)
1959 Lampa (The Lamp)
Gdy spadają anioły (When Angels Fall)
1961 Le Gros et le maigre (The Fat and the Lean)
Ssaki (Mammals)
1962 Nóz w wodzie (Knife in the Water) 1
1964 Les plus belles escroqueries du monde (The Beautiful Swindlers) — segment: "La rivière de diamants"
1965 Repulsion (filme)
1966 Cul-de-Sac
1967 The Fearless Vampire Killers or: Pardon Me, Madam, but Your Teeth Are in My Neck (Dance of the Vampires)
1968 Rosemary's Baby 2 1
1971 The Tragedy of Macbeth
1973 What? (Diary of Forbidden Dreams)
1974 Chinatown 11 1
1976 Le Locataire (The Tenant)
1979 Tess 6 3
1986 Pirates 1
1988 Frantic
1992 Bitter Moon
1994 Death and the Maiden
1999 The Ninth Gate
2002 The Pianist 7 3
2005 Oliver Twist
2007 To Each His Own Cinema (segmento Cinéma erotique)
2010 The Ghost Writer (O Escritor Fantasma (Pt-BR))
2010 Smoke on the Water
2012 Carnage

2012 "Venus in Fur (pré-produção)" 2013 "D (pré-produção/roteirização)"

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Recebeu três indicações ao Oscar de Melhor Diretor, por "Chinatown" (1974), "Tess" (1979) e "O Pianista" (2002). Venceu em 2002.
  • Recebeu uma indicação ao Oscar Melhor Roteiro (adaptado), por "O Bebê de Rosemary" (1968).
  • Recebeu duas indicações ao Globo de Ouro de Melhor Diretor, por "Chinatown" (1974) e "Tess" (1979). Venceu em 1974.
  • Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro, na categoria de Melhor Roteiro, por "O Bebê de Rosemary" (1968).
  • Ganhou o Urso de Ouro, no Festival de Berlim, com "Armadilha do Destino" (1966).
  • Ganhou o Urso de Prata, no Festival de Berlim, na categoria de Melhor Diretor, por "O Escritor Fantasma" (2010).
  • Ganhou o Prêmio Especial do Júri e o Prêmio FIPRESCI, no Festival de Berlim, por "Repulsa ao Sexo" (1965).
  • Ganhou o Prêmio FIPRESCI, no Festival de Veneza, por "Nóz w wodzie" (1962).
  • Recebeu uma indicação ao BAFTA, na categoria de Melhor Diretor, por "Chinatown" (1974).
  • Ganhou o César de Melhor Filme e Melhor Diretor, por "Tess" (1979).
  • Recebeu uma indicação ao Independent Spirit Awards, na categoria de Melhor Diretor, por "A Morte e a Donzela" (1994).
  • Ganhou o Prêmio Bodil de Melhor Filme Americano, por "Chinatown" (1974).

Referências

  1. Polanski Libel Case Roman Polanski BBC Radio 4's Law in Action was broadcast on Friday, novembro 19, 2004 at 1600 GMT. BBC (novembro 19, 2004). Página visitada em 2009-09-14.
  2. Zurich Film Festival: A tribute to Roman Polanski Night postponed. Página visitada em setembro 27, 2009.
  3. Profile: Tumultuous Polanski always in spotlight. Página visitada em setembro 27, 2009.
  4. Roman Polanski: Wanted and Desired. Página visitada em janeiro 25, 2009.
  5. Chinatown(1974) at IMDB. Página visitada em janeiro 2009.
  6. Polanski é detido na Suíça por crime sexual de 1977. Estado.com.br (28 de setembro de 2009). Página visitada em 28 de setembro de 2009.
  7. La stupéfiante arrestation de Roman Polanski. Le Temps (28 de setembro de 2009). Página visitada em 28 de setembro de 2009.
  8. Roman Polanski in 'good spirits' after arrest in Switzerland. Guardian (28 de setembro de 2009). Página visitada em 28 de setembro de 2009.
  9. Cineasta Roman Polanski preso na Suiça. TSF Rádio Notícias (27 de setembro de 2009). Página visitada em 28 de setembro de 2009.
  10. Victim's Grand Jury testimony as reported by "The Smoking Gun" web site. Thesmokinggun.com. Página visitada em 2009-08-07.
  11. Roman Polanski Said to Be Arrested. Página visitada em setembro 27, 2009.
  12. a b Polanski arrested in connection with sex charge. Página visitada em setembro 27, 2009.
  13. Deutsch, Linda, (Associated Press) "Polanski's arrest could be his path to freedom", Yahoo!News, setembro 27, 2009.
  14. Zurich Film Festival, "A Trubute To ..." Roman Polanski, Visitado em 29 setembro 2009
  15. The Guardian, 28 setembro 2009, Free Roman Polanski now, demand France and Poland
  16. Mulher afirmou que "perdoou há muito" Polanski.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Roman Polanski

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Roman Polanski