Ronald Gamarra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ronald Álex Gamarra Herrera, ou simplesmente Ronald Gamarra (10 de dezembro de 1958) é um advogado e político peruano nascido em Lima. Gamarra foi o representante legal dos familiares das vítimas da Cantuta e Bairros Altos no julgamento contra Alberto Fujimori, pelas quais o ex-presidente peruano foi condenado a 25 anos de prisão em 2009.[1] Por sua notável participação foi proposto como perito internacional no processo do magistrado Baltasar Garzón com o Tribunal de Espanha, quem pesquisou crimes da ditadura de Francisco Franco.[2]

Destacado jurista, Ronald Gamarra ocupou os cargos de Procurador Adjunto Anticorrupción durante o governo de Alejandro Toledo -onde pesquisou os crimes e actos de corrupção da ditadura de Alberto Fujimori e de seu assessor Vladimiro Montesinos, os achando culpados pelo homicídio qualificado e abuso de autoridade (as denúncias também comprometieron o ex-chefe das Forças Armadas peruanas, o general Nicolás de Bari Hermosa, e o chefe do Serviço de Inteligência Nacional, o general Julio Salazar)- e Presidente da Coordenação Nacional de Direitos Humanos do Peru (CNDDHH).[3]

Gamarra Herrera cursou Direito e Ciências Políticas na Universidade Nacional Maior de São Marcos.

Referências