Roncalês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa da localização dos dialetos do País Basco.

O roncalês (também conhecido como euskera roncalês ou uskara roncalês) é um dialeto morto do País Basco, falado antigamente no vale do Roncal (Navarra, na Espanha). Sabe-se que se usava de maneira habitual no final do século XIX, e que seu desaparecimento progressivo começou em 1876 devido à proibição de seu uso nas escolas. Sua última falante nativa foi Fidela Bernat, nascida em 1898, em Uztárroz, e faleceu em 1991, em Pamplona.

Outro falante que teve grande importância para este dialeto foi Ubaldo Hualde Martín, falecido em 31 de julho de 1967, a última pessoa que além de falar o roncalês sabia escrevê-lo. José e Bernardo Estornés, Koldo Mitxelena ou Juan San Martín foram alguns dos linguistas que visitaram Ubaldo antes de sua morte, para deixar conhecimento de todos os dados que se pode retirar deste dialeto. Ubaldo Hualde também conhecia as variantes de outras zonas do Roncal como Uztárroz, Vidángoz ou Garde.

O filólogo francês Louis Lucien Bonaparte, sobrinho do imperador Napoleão, o catalogou no século XIX como um subdialeto do suletino, ainda que hoje em dia muitos experientes afirmem que existem diferenças claras do roncalês com outros dialetos vizinhos. Há outros como Bernardo Estornés assegura que o roncalês é uma língua e que a língua basca é um conjunto de idiomas diferenciados.

Na Fonoteca de Navarra existem gravações de entrevistas a disposição de qualquer pessoa realizada nesta variedade dialetal.

Relações externas[editar | editar código-fonte]