Roraima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estado de Roraima
Bandeira de Roraima
Brasão de Roraima
(Bandeira) (Brasão)
Hino: Hino do estado de Roraima
Gentílico: roraimense

Localização de Roraima no Brasil

Localização
 - Região Norte
 - Estados limítrofes Venezuela (ao norte e noroeste), Guiana (leste), Pará (sudeste) e Amazonas (sul e oeste)
 - Mesorregiões 2
 - Microrregiões 4
 - Municípios 15
Capital Boa Vista
Governo
 - Governador(a) Chico Rodrigues (PSB)
 - Deputados federais 8
 - Deputados estaduais 24
 - Senadores Ângela Portela (PT)
Mozarildo Cavalcanti (PTB)
Romero Jucá (PMDB)
Área  
 - Total 224 300,506 km² (14º) [1]
População 2013
 - Estimativa 488 072 hab. (27º)[2]
 - Densidade 2,18 hab./km² (27º)
Economia 2010[3]
 - PIB R$Aumento 6.341.000 bilhões (27º)
 - PIB per capita R$14.051 (14º)
Indicadores 2008[4]
 - Esper. de vida 70,3 anos (22º)
 - Mort. infantil 18,6‰ nasc. ()
 - Analfabetismo 9,3% (13º)
 - IDH (2010) 0,707 (13º) – alto [5]
Fuso horário
Clima Equatorial úmido Am, Aw
Cód. ISO 3166-2 BR-RR
Site governamental http://www.rr.gov.br/

Mapa de Roraima

Roraima é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Está situado na Região Norte do país, sendo o estado mais setentrional da federação. Tem por limites a Venezuela ao norte e noroeste, Guiana ao leste, Pará ao sudeste e Amazonas ao sul e oeste. Ocupa uma área aproximada de 224,3 mil km², pouco menor que a Romênia, sendo o décimo quarto maior estado brasileiro. Em Boa Vista, única capital brasileira totalmente no Hemisfério Norte, encontra-se a sede do governo estadual, atualmente presidido por Chico Rodrigues.

A história do estado está fortemente ligada ao Rio Branco. Foi através deste que chegaram os primeiros colonizadores portugueses. O Vale do rio Branco sempre foi cobiçado por ingleses e neerlandeses, que adentraram no Brasil através da Guiana em busca de índios para serem escravizados. Pelo território da Venezuela, os espanhóis também chegaram a invadir a parte norte do rio Branco e no rio Uraricoera. Os portugueses derrotaram e expulsaram todos os invasores e estabeleceram a soberania de Portugal sobre a região de Roraima e de parte do Amazonas.[6]

Situado numa região periférica da Amazônia Legal, no noroeste da Região Norte do Brasil, predomina em Roraima a floresta amazônica, havendo ainda uma enorme faixa de savana no centro-leste.[7] Encravado no Planalto das Guianas, uma parte ao sul pertence à Planície Amazônica.[8] Seu ponto culminante, o Monte Roraima, empresta-lhe o nome. Etimologicamente resultado de contração de roro (verde) e imã (serra ou monte), foi batizado por indígenas pemons da Venezuela.[7] [9]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra "Roraima" vem de línguas indígenas. Sua etimologia lhe emprega três significados: “Monte Verde”, “Mãe dos Ventos” e “Serra do Caju”.[10] Seria a junção de roro (papagaio) e imã (pai, formador).[11] Nessa língua indígena, roro - ou também rora - significa verde, e imã significa serra, monte, formando portanto, a palavra "serra verde", que reflete a paisagem natural da região específica.[12]

Há ainda, a hipótese da palavra "Roraima" ter outros dois significados: "Mãe dos Ventos" e "Serra do Caju". O primeiro significado, dá-se pela possibilidade do clima da região, onde os índios acreditavam que os ventos que atingiam o sul da Venezuela seriam provenientes do lugar. O segundo, "Serra do Caju", pelo grande número de serras e colinas existentes nesta área.[13]

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros colonizadores portugueses chegaram à região através do Rio Branco. Antes da chegada dos portugueses, os ingleses e neerlandeses já eram atraídos para a região, com a finalidade de explorar o Vale do Rio Branco através das Guianas. A soberania de Portugal sobre a região só foi estabelecida após os espanhóis invadirem a parte norte do Rio Branco, juntamente com o rio Uraricoera. A partir de 1725, missionários Carmelitas iniciaram a tarefa de conversão do indígena na região.[14]

A Coroa portuguesa preocupou-se com a criação da Capitania Real de São José do Rio Negro, através da Carta-régia de 3 de março de 1755. O primeiro motivo da preocupação era a ameaçada por parte dos espanhóis do Vice-reino do Peru, e o segundo, pelas expedições de neerlandeses do Suriname, com fins de comércio e de apresamento de indígenas.[15]

Vista aérea da Boa Vista de 1924.

As demarcações previstas pelo Tratado de Madrid, de 1750, também influenciaram grandemente na medida: com a criação de uma nova unidade administrativa na região, pretendia-se implementar, na prática, a colonização do alto rio Negro, criando-se a infra-estrutura necessária ao encontro e aos trabalhos das comissões de demarcação portuguesa e espanhola, sendo que esse encontro jamais ocorreu, tendo forças portuguesas ocupado nesse ínterim, provisoriamente, o curso do baixo rio Branco, efetuando plantações de mandioca e de outros víveres, para o aprovisionamento da Comissão.[15]

O Forte de São Joaquim, construído em 1755 na confluência do rio Uraricoiera com o rio Tacutu, foi determinante na conquista do rio Branco pelos portugueses. O Forte, que hoje está destruído, foi construído com a finalidade principal de proporcionar aos portugueses a soberania total de Portugal sobre as terras do Vale do Rio Branco, que despertava uma cobiça internacional.[14]

Os colonizadores, após assumirem a soberania e o controle total da região, criaram diversos povoados e vilas na localidade, juntamente com nativos indígenas. Nossa Senhora da Conceição e Santo Antônio, no rio Uraricoera; São Felipe, no rio Tacutu e Nossa Senhora do Carmo e Santa Bárbara, no rio Branco, foram os principais povoados criados na época, abrigando população significativa. Entretanto, devido aos conflitos entre os índios e os colonizadores pelo fato de os indígenas não aceitarem submeter-se às condições impostas pelos portugueses, os povoados não se desenvolveram.[14]

Para garantir a presença do homem português nas terras do Vale do Rio Branco, o comandante Manuel da Gama Lôbo d'Almada iniciou a criação de gado bovino e equino no território, em 1789. As fazendas de São Bento, no rio Uraricoera, São Jóse e São Marcos, no rio Tacutu, foram as primeiras à introduzirem permanentemente a criação de gado bovino e equino, em 1799. Hoje, a fazenda de São Marcos pertence aos índios e localiza-se em frente ao local onde existia o Forte São Joaquim.[14]

Entre 1810 e 1811, militares ingleses penetraram no Vale, mas foram expulsos pelo comandante do Forte de São Joaquim. A fronteira entre Brasil e Guiana precisou ser remarcada, devido às grandes invasões inglesas ocorridas neste período.[14] Assim sendo, a colonização de Rio Branco dividiu-se em quatro períodos: De 1750 ao século XIX, com a descoberta do rio Branco; do início do século XIX até a criação do município de Boa Vista, em 1890; de 1890 até a criação do Território Federal do Rio Branco; e da criação do Território Federal do Rio Branco aos dias atuais.[14]

O Decreto-lei nº 5.812 de 13 de setembro de 1943, que desmebrou o estado do Amazonas, criou o Território Federal do Rio Branco. Em 1962, o território foi denominado como Território Federal de Roraima e elevado à categoria de Estado pela Constituição brasileira de 1988.[15]

A colonização da região foi altamente incentivada em fins do século XIX, com o estabelecimento de Fazendas Nacionais. Porém, a população do estado só encontrou estabilidade após sua emancipação, um século mais tarde, com os garimpos de ouro e diamantes que atraíram levas migratórias de diversas regiões do país. Essa imigração e exploração desordenada ocasionou na localidade muitos conflitos e mortes por doenças e assassinatos.[15] Atualmente, quase todas as reservas indígenas do estado encontram-se homologadas.[15]

Criação do município de Boa Vista[editar | editar código-fonte]

Pouco mais de mil pessoas viviam na região em que foi criado o município de Boa Vista, em 1890. Entretanto, os dados de 1887 - válidos durante a criação do município - informaram que as cerca de mil pessoas que habitavam a região na época da criação do município eram brancas e mestiças, em sua maioria mamelucos. Isso porque os índios da região não foram acrescentados aos dados da época. Estima-se que havia mais de cinco mil índios na localidade, o que aumentaria consideravelmente a população do município.[16]

O Amazonas, estado ao qual pertencia Boa Vista na época, não possuía recursos financeiros para promover o desenvolvimento do novo município de imediato. A região do extremo norte amazonense dependia economicamente do rebanho bovino criado na região, que também servia para o abastecimento de Manaus. A administração de Augusto Ximeno de Villeroy foi a responsável pela criação do município, que acreditava ser importante a criação de uma localidade no extremo norte do Amazonas para o desenvolvimento da região.[16]

Eduardo Ribeiro, um dos governadores do Amazonas, também voltou sua atenção para Boa Vista e o território do atual estado de Roraima. Em 1896, após inaugurar o Teatro Amazonas, ele ordenou que Sebastião Diniz abrisse uma longa estrada ao norte de Manaus. Sua intenção era construir uma estrada ligando Manaus a Boa Vista, que pudesse servir para o transporte do gado da região do Vale do Rio Branco para o matadouro de Manaus.[16]

Território Federal do Rio Branco - Roraima[editar | editar código-fonte]

O Território Federal do Acre foi o primeiro Território Federal brasileiro, em 1903. Quarenta anos mais tarde, em 1943, Getúlio Vargas, presidente do Brasil à época, criou cinco Territórios Federais: Rio Branco (depois Roraima) Guaporé (depois Rondônia), Amapá, Iguaçu e Ponta Porã. Iguaçu e Ponta Porã foram extintos em 1946. O objetivo da criação de tais Territórios federais era o de ocupar os espaços vazios do território nacional e em especial na Amazônia, tendo ocorrido tais criações durante a Segunda Guerra Mundial. Acredita-se que a Segurança Nacional tenha impulsionado a desmembração.[16]

Apesar de ter sido criado em 13 de setembro de 1943, juntamente com os outros territórios federais, o Território Federal do Rio Branco só recebeu seu primeiro governador em junho de 1944, quando este chegou à Boa Vista. O Presidente Getúlio Vargas foi o criador dos Territórios Federais, mas ele foi deposto do seu cargo em 1944.[16]

De 1943 a 1964, Roraima teve 15 governadores titulares, entre militares, que eram a maioria, e civis. Vitorino Freire, senador do Maranhão, indicou indiretamente 10 desses governadores. Cada governador, no entanto ficou pouco tempo (em média, dezesseis meses). Assim sendo, de 1943 a 1964, o Território Federal de Roraima não alcançou o desenvolvimento esperado pelo governo federal.[16] De 1964 a 1985, durante a Ditadura Militar no Brasil, em um perído de vinte e um anos, Roraima teve 8 governadores que administraram com poderes militares.[16] De 1985 a 1990, após o Governo Militar, a redemocratização do Brasil e a eleição direta de Tancredo Neves para a Presidência da República, o Território Federal de Roraima possuiu novamente governadores indicados por outros políticos e influentes.[16]

Elevação a Estado[editar | editar código-fonte]

Com a Constituição promulgada em 5 de outubro de 1988, o Território Federal de Roraima deixou o estatuto de Território Federal e transformou-se em estado-membro da Federação. A posse do primeiro governador ocorreu em 1 de janeiro de 1991. O primeiro Governador do Estado de Roraima foi Ottomar de Souza Pinto, governando de 1º de janeiro de 1991 a 31 de dezembro de 1994.[16]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Roraima é um estado da Região Norte do Brasil, sendo o estado mais setentrional da federação brasileira. Possui 1.922 quilômetros de fronteira com países sul-americanos, sendo a Venezuela ao norte e noroeste e a Guiana a leste. No Brasil, faz limite com o Amazonas ao sul e oeste; e Pará ao sudeste.[17]

Possui 224 300,506 km² de área. Desta, aproximadamente 104 018 km² são áreas indígenas, representando quase metade do território da unidade (46,37%).[18] A área de preservação ambiental no estado, de responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), também é extensa, sendo 18 879 km², um total de 8,42%.[18] Por este motivo, Roraima é o estado brasileiro com o segundo maior percentual de território ocupado por áreas protegidas, perdendo apenas para o estado do Amapá.

Localiza-se a oeste do Meridiano de Greenwich e é cortado pela Linha do Equador, sendo que sua capital, Boa Vista, é a unica capital brasileira ao norte da Linha do Equador. Seu fuso horário é de menos quatro horas em relação à hora mundial GMT e menos uma hora em relação à hora oficial do Brasil.[19] O Monte Roraima, localizado na Serra Pacaraíma, é o ponto mais alto do estado e um dos mais elevados do país, com 2.772 metros.[20]

Relevo e altitude[editar | editar código-fonte]

O relevo é bastante variado; junto às fronteiras da Venezuela e da Guiana situam-se as serras de Parima e de Pacaraima, onde se encontra o monte Roraima, com 2.875 metros de altitude. Como está no extremo norte do Brasil, seus pontos no extremo norte são o rio Uailã e o Monte Caburaí.[18]

De uma forma abragente, o relevo presente em Roraima é, de predominância plana. Aproximadamente 60% da área possui altitudes inferiores a 200 metros, 25% se eleva para uma média entre 200 e 300 metros, 14% de 300 a 900 metros e somente 1% detêm elevações da superfície superiores a 900 metros acima do nível do mar. Existem ainda, duas estruturas geomorfológicas: O Planalto Ondulado e os Escarpamentos Setentrionais, que fazem parte do Planalto das Guianas. O seu Planalto Ondulado é um grande pediplano, formado por maciços e picos isolados e dispersos.[21]

Por ser bastante diferenciado, o relevo é dividido em cinco degraus: O primeiro degrau abriga áreas do estado de acumulação inundáveis, que não apresentem propriamente uma forma de relevo, mas que estejam cobertas por uma fina camada de água; o segundo degrau seria o pediplano Rio Branco, uma unidade de relevo de enorme expressão na unidade federativa, pois ocupa grande parte de suas terras. Nesse pediplano, as altitudes variam de 70 a 160 metros e possuem fraca declividade rumo à calha dos rios. O terceiro degrau é formado por elevações que podem chegar a 400 metros de altitude. São serras como a serra da Lua, serra Grande, serra da Batata e outras. O quarto degrau caracteriza-se por elevações que podem variar de 600 a 2.000 metros de altitude, formado principalmente pela cordilheira do Pacaraima, serra do Parima e serra do Urucuzeiro. Estas serras estão unidas em forma de cadeias e nela nascem os rios que formam o rio Uraricoera. Por fim, o quinto degrau, agrupa as regiões mais altas, formado por elevações que chegam a quase 3.000 metros de altidude.[22]

Clima[editar | editar código-fonte]

Em Roraima predomina o clima similar ao dos estados da Região Norte que abrigam a Floresta Amazônica, basicamente equatorial e tropical-úmido. A temperatura média ocorrida durante o ano, varia de 20 °C em pontos de relevos com maiores altitudes, e 38 °C em áreas de relevo suave ou plano.[23] O índice pluviométrico na parte oriental é cerca de 2.000 milímetros. Na parte ocidental é de aproximadamente 1.500 milímetros. Na capital e em proximidades, os índices atingem 2.600 milímetros.[23]

De modo geral, o clima varia de acordo com a região. O clima é equatorial – quente e úmido – nas regiões norte, sul e oeste do território. A temperatura média anual é de 24 °C. Na região leste do estado, o clima apresentado é o tropical, onde a temperatura média é semelhante as demais regiões do estado, porém o índice de chuvas é menor. Nessa região, a estação de seca é bem definida.[24]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Vista do Rio Branco, o mais importante rio da região.
Rio Branco, nas proximidades de Boa Vista.

O estado de Roraima possui uma extensa hidrografia. Seu território é fartamente irrigado por 14 rios, sendo estes: Água Boa do Univiní, Ailã, Ajarani, Alalaú, Branco, Catrimani, Cauamé, Itapará, Mucajaí, Surumu, Tacutu, Uraricoera, Urubu e Xeruini.[25]

A hidrografia do estado de Roraima faz parte da bacia do rio Amazonas e baseia-se basicamente na sub-bacia do rio Branco (45.530 km²) o maior e mais importante do estado. Este rio é um dos afluentes do rio Negro.[26]

Grande parte dos rios da região possui uma grande quantidade de praias no verão, ideais para o turismo e lazer. Além disso, existem rios de corredeiras localizados ao norte do estado, sendo que estes são uma opção para prática de esportes aquáticos, como a canoagem. Quase todas as fontes hídricas do estado têm sua origem dentro de seu território, com exceção de dois rios com nascentes na Guiana. Todos os rios roraimenses deságuam na Bacia Amazônica.[25]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Roraima apresenta três tipos de coberturas vegetais, sendo todas bem distintas. Ao sul do estado, encontramos uma floresta tropical densa e abundante entrecortada por rios caudalosos, com uma rica fauna e flora. Na região central roraimense, o domínio dos campos gerais, lavrados ou savanas, existindo ainda lagos e riachos. A vegetação vai mudando e se tornando menos densa, em direção ao norte. A fronteira é uma região de serras, acima dos 1.000 metros de altitude, com um clima que varia de 10 °C a 27 °C.[27]

De uma forma abrangente, na parte ocidental e meridional prevalece a Floresta Amazônica, enquanto que na região centro-oriental é caracterizado formações arbustivas e herbáceas, como as campinas e os cerrados. No entanto, a composição paisagística vegetativa do estado pode ser classificada, mais especificamente, da seguinte forma:[28]

  • Floresta Tropical Amazônica, composta por florestas densas e úmidas;
  • Campos Gerais do Rio Branco, formado por gramíneas, palmeiras de grande porte, buritizeiros, entre outros;
  • Região Serrana, árvores espaçadas, existência de uma grande quantidade de matéria orgânica como húmus.

Ecologia e unidades de conservação[editar | editar código-fonte]

Em Roraima o IBAMA administra oito unidades de conservação. O principal é o Parque Nacional do Monte Roraima, criado em 28 de junho de 1989 e localizado no extremo norte do estado. Com 2.785 metros de altitude, o Monte Roraima é o marco divisor da tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana.[29]

Há ainda outras sete unidades de conservação, são elas: Parque Nacional do Viruá, criado em 1998 em Caracaraí;[30] Parque Nacional Serra da Mocidade, criado em 1998 também em Caracaraí;[31] Estação Ecológica de Maracá, criado em 1981 em Amajari;[32] Estação Ecológica de Cacararaí, criada em 1982;[33] Estação Ecológica do Niquiá, criada em 1985, com uma área de 286.600 hectares;[34] Floresta Nacional de Roraima, criado em 1989 nos municípios de Mucajaí e Alto Alegre,[35] e por último a Floresta Nacional do Anauá, criada em 18 de fevereiro de 2005 no município de Rorainópolis.[36]

Flora e fauna[editar | editar código-fonte]

A flora do estado de Roraima é dividida em três blocos: Floresta tropical amazônica, Campos gerais do rio Branco e região Serrana.[37]

  • A Floresta tropical amazônica compõe-se de floresta densa e úmida típica do baixo Rio Branco, estendendo-se pela região sudoeste do estado e penetrando em parte do território do Amazonas;[37]
  • Os Campos gerais do rio Branco se estendem por aproximandamente 44.000 km², sendo também conhecidos como região do lavrado. O lavrado é conhecido também como savana e é formado por gramíneas, entretanto, ao longo dos cursos d'água, situam-se palmeiras de grande porte conhecidas como buritizeiros. No lavrado também encontra-se, em grande quantidade, caimbés, paricaranas e muricizeiros;[37]
  • Região Serrana possui vegetação tipica de montanhas, de árvores mais rarefeitas e de vales ricos em humos com gramíneas de boa qualidade para os animais de criação. Encontra-se mais ao norte do estado, na fronteira deste com a Venezeula.[37] Em qualquer dos blocos, existem três tipos diferentes de cobertura vegetal levando-se em consideração as margens dos rios. Estas são: Matas de terra firme, Matas de várzea e Matas ciliares.[37]
  • Matas de terra firme compreendem as florestas localizadas em terras que não são atingidas pelas enchentes dos rios.[37]
  • Matas de várzeas são as florestas que cobrem as terras atingidas pelas cheias dos rios.[37]
  • Matas ciliares são preservadas por lei. Estas sofrem inundações todos os anos por conta das cheias dos rios amazônicos.[37]

Os diversos ambientes da região contribuem para a formação da fauna roraimense: Florestas tropicais amazônicas, onde encontram-se animais como onça, anta, caititu, jacaré, gato maracajá, lontra, veado, macacos, entre outras espécies; Campos gerais do rio Branco, que apresenta tamanduás, tatus, jabutis, veados campeiros, pacas, cutias, cobras e outras espécies; Bacia do rio Branco, onde estão os peixes, que em Roraima a variedade é grandiosa. Entre os principais peixes, encontramos: pacu, tucunaré, surubim, matrinxã, pirararas, tambaqui, acara, mandi, cachorra, piranha, traíra, piraíbas, aruanã e muitas outras espécies. Nas praias do baixo rio Branco, é possível encontrar ainda, tartarugas e tracajás.[38] Há muitos pássaros no estado, de grande e pequeno porte. Entre os de grande porte destacam-se o passarão e jaburu. Entre os de pequeno porte destacam-se os jacus, garças, carcarás, passarinhos de muitas espécies e outros. Além destes, existem também os domésticos.[38]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Roraima
Crescimento populacional por ano[40]
Ano População
1940 10.514
1950 18.116
1960 28.304
1970 40.885
1980 79.159
1991 217.583
1992 228.749
1993 241.009
1994 253.059
1995 262.200
1996 247.723
2000 277.684
2010 451.227

A população de Roraima é de 469 524 habitantes, segundo a estimativa populacional de 2012, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),[41] o que faz do estado a unidade federativa menos populosa do Brasil.[20] A capital, Boa Vista, concentra 65,3% da população do estado.[42] A população de Roraima quase dobrou em vinte anos. Em 1991, o estado contava com 217 583 habitantes, um aumento significativo de 95,51 % de crescimento populacional.[43] Os municípios que apresentaram maior crescimento populacional foram Boa Vista, a capital, e Rorainópolis.[43] Quanto ao número de crescimento populacional anual de Roraima, o estado coloca-se entre os de maior crescimento no Brasil, com uma taxa de 4,6%, muito superior à média nacional de 1,6% de crescimento. Nesse quesito, perde apenas para o Amapá, que registra mais de 5% de crescimento anual.[44] Entretanto, esse alto número de crescimento de população vem caindo nos últimos anos.[43] Um exemplo disto é a taxa apresentada em 2000, quando Roraima apresentou 49,09% de crescimento de população em relação a 1991. No último censo, em 2010, esse número caiu para 31,13%.[43] Do total da população do estado em 2010, 229 343 habitantes são homens e 221 884 habitantes são mulheres.[45] Nos últimos anos, o crescimento da população urbana intensificou muito, ultrapassando o total da população rural. Segundo a estimativa de 2000, 80,3% dos habitantes viviam em cidades.[44]

Densidade populacional de Roraima
  0-1 hab/km²
  1-25 hab/km²
  >25 hab/km²

A densidade demográfica era de 1,8 hab./km² em 2006.[44] Essa marca é inferior à densidade brasileira — 19,94 hab./km².[46] A distribuição da população estadual é desigual, apresentando maior concentração na região da capital e no sul do estado. Cinco municípios (Boa Vista, Rorainópolis, Alto Alegre, Caracaraí e Bonfim) concentram mais da metade da população de Roraima.[44]

Em 2005, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Roraima era de 0.750, sendo classificado como médio e colocando o estado na 18ª posição entre os estados do Brasil.[47]

Religião[editar | editar código-fonte]

Tal qual a variedade cultural verificável em Roraima, são diversas as manifestações religiosas presentes.[48] Embora seu desenvolvimento tenha sido sobre uma matriz social eminentemente católica, tanto devido à colonização quanto à imigração - e ainda hoje grande parte da população roraimense declara-se católica,[48] é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes, assim como a prática do candomblé, do Espiritismo, das religiões antitrinitárias e novos movimentos religiosos, entre outros.[48] Nos últimos anos, as religiões orientais, o mormonismo e denominações evangélicas têm crescido bastante na cidade.[48] De acordo com dados de 2010, do IBGE, a população de Roraima está composta por: católicos (50,5%); protestantes (30,3 %); pessoas sem religião (12,98 %); Tradições indígenas (2,75%); espíritas (0,91 %); budistas (0,13%); Candomblé (0,08%); Tradições esotéricas (0,03%); Judaísmo e Islã (0,03% cada); Umbanda (0,02%) e Hinduísmo (0,01%). Entre as denominações cristãs restauracionistas, destacam-se as Testemunhas de Jeová (0,55%)e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (0,15%).[48] Entre as novas religiões orientais, destaca-se a Igreja Messiânica Mundial (0,06%).[48] Outras crenças são partilhadas por 1,47% da população.[48]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Os traços culturais, políticos e econômicos herdados dos portugueses, espanhóis e neerlandeses são influentes em Roraima. Voltando um pouco atrás na história, não se pode esquecer a importância dos ameríndios no quesito contribuição étnica. Foram os ameríndios que iniciaram a ocupação humana na Amazônia, e seus descendentes, os caboclos, desenvolveram-se em contato íntimo com o meio ambiente, adaptando-se às peculiaridades regionais e oportunidades oferecidas pela floresta.[49]

Na sua formação histórica, a demografia roraimense é o resultado da miscigenação das três etnias básicas que compõem a população brasileira: o índio, o europeu e o negro, formando, assim, os mestiços da região (caboclos). Mais tarde, com a chegada dos migrantes, especialmente nordestinos[50] formou-se um caldo de cultura singular, que caracteriza grande parte da população, seus valores e modo de vida.[50]

Segundo o censo de 2000 do IBGE, a população de Roraima está composta por: pardos (61,55 % ou 199 661 habitantes), brancos (24,78 % ou 80 387 habitantes), indígenas (8,67 % ou 28 128 habitantes), pretos (4,23 % ou 13 725 habitantes) e amarelos (0,14 % ou 455 habitantes).[51] [52] Há ainda, 2 041 pessoas que não declararam suas etnias, representando 0,63 % do total da população.[51] [52] Roraima também reconhece a identidade mestiça.O Dia do Mestiço (27 de junho) é data oficial no estado.[53]

Segurança pública e criminalidade[editar | editar código-fonte]

Segundo o mapa da violência no Brasil de 2011, os municípios de Alto Alegre e Caracaraí são os que apresentam maior taxa de criminalidade no estado, como 73,3 % e 49,7 % e ocupando as 42ª e 146ª posições a nível nacional, respectivamente. Os outros três municípios de maior criminalidade são Mucajaí (41% - 251ª posição nacional), Cantá (37,2% - 312ª posição nacional) e Bonfim (31,4% - 441ª posição nacional). A capital, Boa Vista, apresenta 24,9% de criminalidade e ocupa a 664ª posição entre os municípios brasileiros.[54]

Política[editar | editar código-fonte]

Palácio Senador Hélio Campos, a sede do governo do estado.

Roraima é um estado da federação, sendo governado por três poderes, o executivo, representado pelo governador, o legislativo, representado pela Assembleia Legislativa do Estado de Roraima, e o judiciário, representado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Roraima e outros tribunais e juízes. Também é permitida a participação popular nas decisões do governo através de referendos e plebiscitos.[55]

A atual constituição do estado de Roraima foi promulgada em 31 de dezembro de 1991,[56] acrescida das alterações resultantes de posteriores emendas constitucionais.[56]

O Poder Executivo roraimense está centralizado no governador do estado,[57] que é eleito em sufrágio universal e voto direto e secreto,[57] pela população para mandatos de até quatro anos de duração,[57] e podem ser reeleitos para mais um mandato.[57] Sua sede é o Palácio Senador Hélio Campos, que desde 1991 é a sede do governo roraimense.[58]

O Poder Legislativo de Roraima é unicameral, constituído pela Assembleia Legislativa do Estado de Roraima. Ela é constituída por 24 deputados, que são eleitos a cada 4 anos. No Congresso Nacional, a representação roraimense é de 3 senadores e 8 deputados federais.[57] [59] A maior corte do Poder Judiciário roraimense é o Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. Compõem o poder judiciário os desembargadores e os juízes de direito.[57]

Roraima está dividido politicamente em 15 municípios.[60] O mais populoso deles é Boa Vista, com 284 mil habitantes,[2] sendo o município mais antigo do estado, surgido como um povoado, o primeiro com características urbanas em Roraima.[61]

Símbolos estaduais[editar | editar código-fonte]

Os símbolos do estado de Roraima são: a bandeira, o brasão e o hino.[62]

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A bandeira do Estado de Roraima é de autoria de Mário Barreto. Foi criada pela Lei n.º 133 de 14 de junho de 1996, que "Dispõe a adoção de Símbolos do Estado de Roraima, em conformidade com o artigo 10 da Constituição Estadual e dá outras providências". Consiste em três faixas com linhas transversais, uma estrela na cor amarelo-ouro, na parte baixa do retângulo contém uma linha fina representando a Linha do Equador.[63]

A bandeira compõe-se de cinco cores: Azul, branco, verde, amarelo-ouro e vermelho. O azul representa o céu e o ar puro predominante em Roraima; o branco simboliza a paz; o verde representa a densidade da floresta e dos campos roraimenses, o amarelo-ouro simboliza as riquezas mineiras; e o vermelho representa a Linha do Equador, que corta o estado, colocando-o em sua maior parte no Hemisfério Norte. A estrela presente na bandeira significa mais um estado no pavilhão nacional.[64]

Brasão[editar | editar código-fonte]

O Brasão das Armas de Roraima foi instituído por lei, depois de Concurso Público, e é de autoria de Antonio Barbosa de Melo. De acordo com a descrição feita pelo próprio autor, o brasão roraimense é representativo de:[65]

  • Arroz: nosso produto de exportação.
  • Arma Indígena: homenagem as nossas tribos.
  • Garimpeiro: homenagem às nossas riquezas minerais.
  • Monte Roraima: serra que originou o nome do Estado.
  • Garça: ave típica da região.

O brasão obedece às dimensões proporcionais e originais de 7 partes de largura e 8 de altura. Em Roraima, apenas os municípios de Boa Vista, Caracaraí, Mucajaí, São Luiz do Anauá, São João da Baliza, Alto Alegre, Normandia e Bonfim possuem os seus símbolos.[65]

Hino[editar | editar código-fonte]

O hino do Estado de Roraima tem como autor Dorval de Magalhães, compondo a letra, e Dirson Felix Costa, responsável pela música.[66]

Letra
Nós queremos te ver poderoso,
Lindo berço, rincão Pacaraima!
Teu destino será glorioso,
Nós te amamos, querido Roraima! >>>
Estribilho do Hino do Estado de Roraima.[67]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Imagem mostrando a divisão do estado de Roraima em mesorregiões, microrregiões e municípios.

Mesorregiões e microrregiões[editar | editar código-fonte]

O estado de Roraima é dividido estatisticamente em duas mesorregiões (Norte[68] e Sul)[69] e quatro microrregiões (Boa Vista, Caracaraí, Nordeste roraimense e Sudeste roraimense); além dos 15 municípios, segundo o IBGE.[70]

Principais municípios[editar | editar código-fonte]

Avenida do comércio em Pacaraima, município limítrofe com a Venezuela.
  • Boa Vista, a capital do estado, é a única capital estadual brasileira situada no Hemisfério Norte.[18] A cidade é desenhada em forma de leque, com ruas largas, bem iluminadas, e com as principais avenidas seguindo para o Centro Cívico, onde situa-se os principais monumentos da cidade.[71] É a única cidade roraimense que possui mais de 100 000 habitantes.[2]
  • Rorainópolis é o principal centro urbano do sul do estado.[72] Além de abrigar grande parte do potencial agrícola, que segundo as condições climáticas, possibilitam o cultivo de inúmeros produtos, entre os quais o café, cacau, cana-de-açúcar, arroz, feijão, milho, mandica e pastagens,[72] o município destaca-se ainda por possuir grandes atrações turísticas naturais, como a Corredeira do Jauperi, a Pedra da Linha do Equador, o rio Anauá e a ilha de Santa Maria do Boiaçu.[73]
  • Caracaraí, que surgiu como um local de embarque de gado para Manaus. Os animais desciam até a Boca da estrada, onde iniciam-se as Corredeiras do Bem-Querer. Ali eram desembarcados e tangidos até um curral no porto municipal, onde eram embarcados ao matadouro de Manaus.[74]
  • Pacaraima, o município brasileiro mais próximo aos municípios da Venezuela. Destaca-se por abrigar o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada. Localizado na BR-174, mais precisamente na Área Indígena de São Marcos, o sítio arqueológico possui altura de 40 metros e diâmetro de aproximadamente 60 metros. A Pedra Pintada foi abrigo de civilizações há muito desaparecidas. Na caverna existente, há várias pinturas que representam cenas do cotidiano dessas civilizações. Próximo à pedra, existem ainda outras formações: Pedra do Pereira, Pedra do Peixe, Pedra do Perdiz, Pedra do Machado e Pedra da Diamantina que, juntas, formam o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada, bastante visitado por turistas.[78]

Economia[editar | editar código-fonte]

A capital Boa Vista já ultrapassa os 300 mil habitantes mantendo expressivas taxas de crescimento populacional e econômico

Roraima ainda detém o menor Produto Interno Bruto (PIB) entre os estados brasileiros, apesar das altas taxas de crescimento. Seu PIB em 2010 era de R$ 6.341.000 bilhões,[3] representando 0,15% do PIB brasileiro e colocando o estado na 27ª posição nacional.[79] O estado apresentou crescimento anual da ordem de 7,65%, congratulando-se como o estado de maior crescimento econômico no Norte brasileiro.[80] O PIB Per capita roraimense é o terceiro maior da Região Norte do Brasil, com R$ 11.845, atrás somente de Amazonas e Rondônia. Em âmbito nacional, o estado ocupa a 14ª posição, estando 25,9% abaixo da média nacional e 15,9% acima da média regional. Comparado a 2007, o PIB per capita estadual teve uma variação de 15,3%, sendo 15,9% a variação referente à renda per capita média da Região Norte.[81]

Roraima possui duas Áreas de Livre Comércio (ALC): Em Bonfim e em Boa Vista. São áreas de importação e exportação que operam em regime fiscal especial. As duas ALC’s – únicas no País com incentivos fiscais na implantação de indústrias que utilizem matéria-prima da Amazônia Ocidental, já se encontram em funcionamento, ampliando ainda mais a tendência para a realização do turismo de negócios.[82]

Quanto a pauta de exportação do estado, ela é composta principalmente, segundo dados de 2012, de soja (33,29%), madeira serrada (39,13%), barras de ferros forjadas a quente (7,45%) e madeira perfilada (6,04%)[83] .

Exportações de Roraima - (2012)[84]

Setor primário[editar | editar código-fonte]

Produção agrícola de Roraima[85]
Produto Quantidade (t)
Café 24.000
Milho 15.740
Banana 13.415
Soja 11.005
Mandioca 8.745
Laranja 467
Cana-de-Açúcar 373
Feijão 82

O setor primário em Roraima encontra-se atualmente em desenvolvimento. Obteve um crescimento econômico de 4,8%, sendo responsável por 6,4% do PIB do estado. Em 2010, a agricultura teve queda de 5,2% com relação a 2006, onde os principais produtos da agricultura (arroz em casca e soja), tiveram queda de produção em 2007. Houve redução de 14,4% na área de cultivo do arroz, sendo que este teve uma produção 4,37% menor que o ano anterior. A produção de soja também teve uma redução na área plantada em 36,4% e a sua produção havia diminuido 34,1% em 2007.[79] [80]

Os três principais produtos exportados por Roraima, em 2010, foram o couro, com uma participação de 63,32%, a madeira (28,13%) e água mineral com 1%. No acumulado, a madeira representa 42,17% do volume exportado seguido de consumo de bordo com 36,26%. Com relação as importações realizadas por Roraima, os três principais produtos importados no segundo semestre de 2010 foram os Cimentos portland, representando 35,43%, vidros com 11,20% e farinha de trigo com 9,32%.[86]

De acordo com o Censo Agropecuário de 2006, existem em Roraima 10 260 estabelecimentos agropecuários legalizados, sendo 10 082 de caráter individual e 178 de caráter consorcial, que ocupavam 1.645.219 hectares de terra. Há ainda, o registro de 10 cooperativas agropecuárias legalizadas, divididas em 3.160 hectares. Foi registrado também 10 310 estabelecimentos agropecuários informais, sendo 8 993 administrados por homens e 1 317 administrados por mulheres. Estes espaços informais ocupavam 7.379 hectares de terra do estado. Quanto aos assentamentos sem titulação definitiva, foram contabilizados 568 unidades nesta condição, sendo 483 de propriedade de homens e 85 de propriedade de mulheres, distribuídos em 44.230 hectares de terra. As lavouras permanentes no estado são notáveis, existindo 3 216 unidades destas, que ocupavam 50.669 hectares. As lavouras temporárias estão concentradas em maior número, 3 689, distribuídas em 58.322 hectares de terra.[87]

Em relação a empregados, cerca de 29 513 pessoas trabalham formalmente em estabelecimentos agropecuários, sendo em sua maioria, homens (19 413 dos trabalhadores).[87] Ainda em 2006, haviam 480.704 bovinos, 314.076 aves, 42.970 suínos, 25.659 ovinos, 20.664 equinos, 5.963 caprinos, 562 muares, 234 asininos e 105 bubalinos.[87]

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

O Extrativismo é o destaque no setor secundário. Esse segmento sofreu retração de 2006 para 2008 da ordem de 11,2%, enquanto as atividades de produção e distribuição de eletricidade e gás, água e esgoto e limpeza urbana não apresentaram variação de desempenho. O setor secundário apresentou crescimento de 8,1% em 2008. Somente a construção civil cresceu 11,7%, aumentando sua participação em 7,7% da economia de Roraima, enquanto que a indústria de transformação diminuiu 2,5% em relação ao ano anterior.[79] [80]

Roraima possui um parque industrial de porte médio, situado em Boa Vista, destinado principalmente à produção de refrigerantes, derivados do leite e derivados cereais. São Paulo é o principal destino destes produtos, como maior comércio importador, com destaque também para o Amazonas e a Venezuela. Outros indústrias dedicam-se à produção de cimento, ferro, combustíveis, produtos para alimentação, entre outros.[38] O setor extrativista, que integra o setor secundário, é um dado que tem se destacado negativamente. Esse segmento sofreu retração de 2006 para 2008 da ordem de 11,2%, enquanto as atividades de produção e distribuição de eletricidade e gás, água e esgoto e limpeza urbana não apresentaram variação de desempenho.[88]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

O setor terciário tem sua maior expressão na administração pública, educação, saúde e seguridade social. Juntos, esses segmentos obtiveram participação de 47,3% no PIB, com crescimento da ordem de 5,7%.[79] Ainda no setor terciário, os serviços de informação, intermediação financeira, atividades imobiliárias, turismo e aluguéis, representam 33,1% do PIB roraimense. Isso fez com que o setor terciário representasse 80,4% do PIB do estado.[80]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Mortalidade infantil 20,1 por mil nascimentos[89]
Médicos 8,3 por 10 mil hab. (2005)[89]
Leitos hospitalares 1,6 por mil hab. (2005).[89]

Em 2005, existiam, no Estado, 455 estabelecimentos hospitalares, com 725 leitos e 56 médicos, 10 enfermeiros diplomados e 60 auxiliares de enfermagem.[90] Em 2010, dos 455 hospitais existentes, 378 eram de adultos e crianças, 22 eram exclusivamente de crianças, sendo 49 gerais e 3 especializados.[90] [91] Em 2005, 85,2% da população roraimense tinham acesso à rede de água,[89] enquanto 75% se beneficiam da rede de esgoto sanitário.[89]

De acordo com o Censo brasileiro de 2010, 81,4 % da população de Roraima avalia sua saúde como boa ou ótima; 72,5 % da população realiza consulta médica periodicamente; 44,9 % dos habitantes consultam o dentista regularmente e 7,4 % da população esteve internado em leito hospitalar nos últimos doze meses. Aproximadamente 22 % dos habitantes declarou ter alguma doença crônica e apenas 9,8% possui plano de saúde. Outro dado significante é o fato de 44,7 % dos habitantes declararem necessitar sempre do Programa Unidade de Saúde da Família - PUSF.[92]

Na questão da saúde feminina, 30,5 % das mulheres com mais de 40 anos fizeram exame clínico das mamas nos últimos doze meses; 39,1 % das mulheres entre 50 e 69 anos fizeram exame de mamografia nos últimos vinte e quatro meses; e 85,6 % das mulheres entre 25 e 59 anos fizeram exame preventivo para câncer do colo do útero nos últimos trinta e seis meses.[92]

Educação[editar | editar código-fonte]

Campus da UFRR em Boa Vista.

O Estado dispunha em 2009 de uma rede de 585 escolas de ensino fundamental, das quais 322 estaduais, 252 municipais, 10 particulares e 1 pública federal. O corpo docente era constituído de 4.842 professores, sendo que 2.952 trabalhavam nas escolas públicas estaduais, 1.627 nas escolas públicas municipais e 217 nas escolas particulares. Estudavam nestas escolas 86.547 alunos, dos quais 82.208 nas escolas públicas e 4.339 nas escolas particulares. O ensino médio foi ministrado em 100 estabelecimentos, com a matrícula de 17.512 alunos. Dos 17.512 discentes, 16.175 estavam nas escolas públicas e 1.337 nas particulares.

Quanto ao ensino superior, destaca-se a Universidade Federal de Roraima (UFRR), a Universidade Estadual de Roraima (UERR) e o Instituto Federal de Roraima (IFRR). Há ainda estabelecimentos de Ensino Superior privados: Faculdade Roraimense de Ensino Superior (FARES)[93] , Faculdade Estácio Atual[94] , Faculdade Cathedral[95] e Faculdade de Ciências, Educação e Teologia do Norte do Brasil (FACETEN)[96] .[97] [98]

Resultados no ENEM
Ano Português Redação
2006[99]
Média
31,40 (23º)
36,90
45,37 (27º)
52,08
2007[100]
Média
43,82 (24º)
51,52
52,12 (26º)
55,99
2008[101]
Média
35,47 (22º)
41,69
56,52 (23º)
59,35

Foram registrados ainda, 14.575 estudantes de ensino pré-escolar, divididos em 270 unidades de ensino. Destas, 258 eram municipais, não existindo nenhuma a nível estadual. No estado haviam 857 professores de ensino pré-escolar.[97]

Em 2010 a taxa de analfabetismo no estado era de 6,7%, uma das mais baixas do Brasil, colocando o estado na 8ª posição entre os estados do Brasil por analfabetismo.[102] Da população, 15,9% dos roraimenses são analfabetos funcionais. Isso faz da educação de Roraima a 13ª melhor educação do Brasil, com um Índice de Desenvolvimento Humano de 0,885.[89] , tendo sua educação sendo comparada à de Hong Kong, na China. A última estatística informou que o Estado possuia 450 prédios destinados a unidades de ensino público.[103] Em 2009, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), o estado alcançou nota de 4,3, sendo superior à média nacional e se configurando na 14ª posição nacional.[104]

A nota média de Roraima no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) é de 35,03 na prova objetiva e 56,37 na prova de redação, sendo uma das maiores notas do Norte-Nordeste brasileiro. Nestas duas regiões, Roraima perdeu apenas para o Amazonas (57,77). Entretanto, mesmo com a segunda maior nota, a média de Roraima ficou abaixo da média nacional, que foi de 57,26. Em relação ao número de estudantes, 7 463 participaram do ENEM em 2010, sendo que destes, 2 404 eram concluintes do ensino médio e 4 493 egressos. 85,52 % do total de estudantes eram oriundos de escola pública.[105]

Pesquisa realizada pelo Portal G1 apontou Roraima como um dos estados brasileiros que melhor remuneram o professor de nível médio, com salário médio de R$ 2.099,47 por 25 horas semanais. Segundo a pesquisa, o maior salário do país, no Distrito Federal - no valor de R$ 3.121,96 – era referente a uma carga horária de 40 horas. No mesmo ano, a ONG Todos pela Educação também citou Roraima como o segundo estado brasileiro com maior investimento no aluno da educação básica ao ano, com R$ 4.834, 43, para cada aluno.[106]

Transportes[editar | editar código-fonte]

BR-174 na reserva indígena Waimiri-Atroari.

No estado existe apenas um aeroporto administrado pela Infraero, o Aeroporto Internacional de Boa Vista - Atlas Brasil Cantanhede, localizado na capital estadual.[107] Em 2009, o aeroporto da capital estadual movimentou 190 469 passageiros e 931 248 cargas aéreas.[108] O estado possui ainda outros 7 aeroportos de categoria estadual e menor porte: Aeroporto Auaris, em Amajari; Aeroporto de Mucajaí, em Mucajaí; Aeroporto de Pacaraima, em Pacaraima; Aeroporto Surucucu, Uaicas e Surucucus, em Alto Alegre, sendo este último localizado no interior da Terra Indígena Yanomami; e o Aeroporto de Caracaraí. Estes aeroportos são de administração municipal e estadual.[109]

O transporte aéreo é o mais rápido em regular em Roraima, encontrando-se em melhores condições que os demais. As cidades, distritos e vilas do interior roraimense são atendidas, na maioria das vezes, por transportes oriundos de Boa Vista. Posto isto, é a mais isolada unidade federativa da nação.[110] Não há rede ferroviária no estado.[110]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Mapa Rodoviário RR - detalhado.png

O único estado brasileiro que possui ligação rodoviária com Roraima é o Amazonas, através da BR-174, que interliga os municípios do Sul aos municípios do Norte do estado, sendo responsável também por interligar o Brasil à Venezuela. A BR-174 possui 992 quilômetros e corta o território do estado do sul ao norte, cruzando o rio Branco na altura de Caracaraí através da Ponte José Vieira de Sales Guerra.

Há ainda, a BR-210, também chamada de Perimetral norte, um projeto oriundo de meados do Século XX, do Governo Federal, que fora realizado apenas parcialmente e que, a princípio, ligaria o estado ao Pará, Amapá e ao município de São Gabriel da Cachoeira (AM). Esta rodovia possui 481 quilômetros de extensão e corta o estado no sentido leste-oeste. Outra rodovia em Roraima que cruza o Brasil é a BR-401, fazendo a comunicação do estado com a Guiana. Inicia em Boa Vista e cruza o rio Branco pela ponte dos Macuxis, penetrando em território guianense. Entretanto, esta rodovia, que possui 185 quilômetros de extensão, não se encontra totalmente asfaltada. Outras rodovias federais são a BR-431, a BR-432 e a BR-433.

Existem ainda rodovias de caráter estadual, entre as quais destacam-se a RR-205 (que conecta a capital à sede de Alto Alegre)[111] e a RR-203[112] (interligando a sede e distritos de Amajari à BR-174), ambas totalmente asfaltadas e sinalizadas e com boas condições de tráfego. Outras importantes rodovias são a RR-325 (Rodovia da Produção) — asfaltada — e a RR-319 (Transarrozeira) — em pavimentação —, que cortam importantes áreas agrícolas e colônias de assentamentos rurais.

As estradas federais em Roraima somam 1.638 quilômetros. As estradas estaduais somam pouco mais de 2.000 quilômetros de extensão, estando, em grande parte, em condições de uso indevidas.[110]

A capital Boa Vista dispõe de um anel viário de quase 30 quilômetros, denominado Contorno Oeste Ottomar de Souza Pinto, fazendo a interligação de três importantes rodovias.

Fluvial[editar | editar código-fonte]

Ponte dos Macuxis, sobre o rio Branco, comunicando Boa Vista ao município do Cantá.

Também é notável no estado, assim como em outros estados da Amazônia, o transporte fluvial. Entretanto, a navegação fluvial encontra-se limitada ao rio Branco.[113] O transporte no rio Branco é fortemente usado para a economia, mas de pouco movimento em passageiros para as cidades do interior.[114] A navegação regular neste rio ocorre somente no trecho foz (rio Negro/Caracaraí), com cerca de 440 quilômetros de extensão. Neste segmento, o rio Branco apresenta calado máximo de 5,0 metros no período de cheias e mínimo de 0,7 metros, no período de estiagem. Roraima fica em desvantagem em relação aos demais estados amazônicos quanto ao sistema hidroviário. Por ser o único destes em que todos os seus rios notórios têm sua nascente no seu próprio território - o sistema hidrográfico estadual é 100% roraimense -, fica fadado a ter poucas saídas fluviais. Na verdade Roraima dispõe de apenas uma grande saída fluvial: pelo rio Branco, chegando ao rio Negro, rumando daí à Manaus e São Gabriel da Cachoeira. Ainda assim, o mais importante rio roraimense ainda impõe dificuldades adicionais.[110]

O porto de Caracaraí encontra-se desativado, dadas as precárias condições do cais. A movimentação é feita diretamente nas barrancas do rio, o que dificulta as operações de embarque e desembarque. O trecho Caracaraí - Boa Vista, com extensão de aproximadamente 150 quilômetros se desenvolve em zona encachoeirada nos primeiros 14 quilômetros, num desnível de 7,5 metros conhecida como Corredeiras do Bem Querer.[115]

Energia[editar | editar código-fonte]

Até meados da Década de 1990, o estado convivia com sérios problemas de energia elétrica. Em 2001, foi inaugurada na fronteira entre Brasil e Venezuela, a primeira etapa do Complexo Hidrelétrico de Guri/Macaguá, que atualmente fornece energia elétrica para Roraima e regiões da Venezuela.[116]

O fornecimento de energia elétrica no interior do estado é fornecido através da Companhia Energética de Roraima[117] e na capital pela Eletrobrás Distribuição Roraima. Nos últimos anos, o consumo de energia elétrica em Roraima tem crescido de forma abrupta. Em fevereiro de 2011 foi registrado um aumento de 4% no consumo, em relação ao mesmo período de 2010. Somente em Boa Vista, o aumento total foi de 9,05%.[118] O setor comercial foi quem apresentou maior aumento no consumo: 16,4%, seguido das residências, com um gasto de 12,86%. O setor público foi o único que apresentou redução no consumo de energia: -7,2% nos orgãos municipais, -1,9% nos orgãos estaduais e -1,4% nos federais.[118]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A ECT - Empresa de Correios e Telégrafos possui agências em apenas cinco municípios de Roraima: Boa Vista, Caracaraí, Alto Alegre, Sào Luiz do Anauá e Pacaraima. Na questão da área telefônica, há aproximadamente 40.000 terminais telefônicos, com destaque para a telefonia celular. O interior do estado também é atendido. Há no estado, apenas 4 estações de rádio e 7 retransmissoras de canais de televisão. Existem alguns jornais, sendo os principais a Folha de Boa Vista e o jornal Diário. Ainda no estado, há três provedores de internet, a TechNet , Mandic Scan e RRNet.[119]

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

As principais unidades das Forças Armadas presentes em Roraima são: no Exército Brasileiro, Roraima é integrante do Comando Militar da Amazônia, este sediado em Manaus, capital do Amazonas e abrange todos os estados da Região Norte do Brasil, com exceção do Tocantins.[120] na Marinha do Brasil, o estado faz parte do 9º Distrito Naval (com sede em Manaus),[121] ; e na Força Aérea Brasileira, Roraima integra o I Esquadrão do III Grupo de Aviação, sediado na própria cidade.[122]

A Polícia Militar do Estado de Roraima (PM RR) é uma das forças de polícia militar do Brasil, sendo responsável pelo policiamento ostensivo no Estado de Roraima. Teve origem na Guarda Territorial do Rio Branco, em 21 de novembro de 1944. Além da sua missão atual, tinha também como missão realizar serviços de transportes, controlar incêndios e queimadas, além de várias outras atribuições. Com o desenvolvimento sócio-econômico da região na década de 1970 e a emancipação política de Roraima do Amazonas fez-se necessário criar uma instituição dedicada permanentemente ao policiamento ostensivo em suas diversas modalidades. Desta forma, foi criada a Polícia Militar do Território Federal de Roraima, através da lei nº 6.270 de 26 de novembro de 1975.[123]

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Roraima (CBMRR) é uma Corporação cuja missão primordial consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito do estado de Roraima. Ele é Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil. Seus integrantes são denominados Militares dos Estados pela Constituição Federal de 1988, assim como os membros da Polícia Militar do Estado de Roraima.[124]

A Polícia Civil do Estado de Roraima é uma das polícias de Roraima, sendo um órgão do sistema de segurança pública ao qual compete, nos termos do artigo 144, § 4º, da Constituição Federal e ressalvada competência específica da União, as funções de polícia judiciária e de apuração das infrações penais, exceto as de natureza militar.[125]

De acordo com o Censo brasileiro de 2010, 77,7 % dos habitantes de Roraima sentem-se seguros em seus domicílios; 72,3 % sentem-se seguros no bairro ou comunidade em que residam; e 64,8 % da população sente-se segura na cidade onde resdide. Entretanto, 18,7 % das residências no estado possuíam algum tipo de proteção ou segurança particular, que não fosse de domínio público.[126] 11,1 % das pessoas declararam já terem sido vítimas de roubo ou furto, sendo que destas 20,4 % não procuraram atendimento em delegacias de polícia.[126]

Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]

A cultura de Roraima apresenta forte influência indígena. Entretanto, é marcada também pela influência dos colonizadores, e também pelos mestiços que habitam e habitaram a região. O artesanato é um dos marcos centrais da cultura. Os Ianomâmi - grupo indígena do estado - produzem diversos produtos artesanais, como cestas, leques, jóias e redes. Muitos destes são comercializados na Feira de Artesanato de Roraima, sediado em Boa Vista, capital do estado.[127]

Entre as principais entidades culturais do estado encontram-se: Fórum de Cultura Permanente de Roraima, Sebrae, SESC,Teia Roraima, Academia Roraimense de Letras e Federação de Teatro de Roraima.[128] [129]

O Museu Integrado de Roraima, em Boa Vista, capital do estado, foi inaugurado em 13 de fevereiro de 1985[130] . É um museu público estadual e mantido pela Fundação de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado de Roraima (FEMACT). Está instalado em um edifício de 750 metros quadrados no interior do Parque Anauá.[131] [132] Conserva o mais importante acervo museológico de Roraima. A coleção, bastante diversificada, é composta por peças adquiridas por meios de coletas, aquisições e doações, abrangendo diversos temas, como geologia, botânica, zoologia, arqueologia, etnologia, história e artes visuais.[131] [132] O museu realiza ainda, atividades de pesquisa nas áreas de zoologia e antropologia, além de exposições temporárias temáticas e atividades culturais e educativas.[132] É equipado com biblioteca e auditório com capacidade para 140 pessoas. Conta com a participação da sociedade civil na realização de atividades, por meio da Associação de Amigos do Museu Integrado de Roraima (AMIRR), criada em 1999.[131]

Dança, música e teatro[editar | editar código-fonte]

A dança em Roraima tem sua origem em grupos folclóricos de boi-bumbá e cirandas. Entretanto, são notáveis também grupos de dança clássica e moderna. A maior entidade cultural voltada ao ensino da dança clássica é a Escola de Balé Cristina Rocha, responsável pela formação de grande parte dos bailarinos e dançarinos que atuam na capital, Boa Vista. Na época das festas populares, há diversos grupos de dança regional em atuação, com destaque para os Cangaceiros do Tianguá, que têm coreografias baseadas em elementos regionais amazônicos.[128]

A música roraimense possui uma grande variedade de ritmos e harmonias. Sua origem remonta à variedade de etnias e povos que viveram e vivem no estado. Desta forma, há grupos de cantos indígenas e caboclos. A Escola de Música de Roraima é voltada ao ensino da música clássica e MPB. No estado, é notável ainda os festivais de música que trazem uma demonstração da arte musical da Amazônia.[128]

As artes cênicas em Roraima são difundidas pela Federação de Teatro de Roraima, que realiza espetáculos e eventos culturais nos espaços públicos locais da cidade, além de apoio a grupos teatrais e formação teatral. Há vários grupos teatrais no estado, entre os quais: Sol da Terra, Criart Teatral, Arteatro, Locômbia Teatro de Andanças e a A Bruxa tá Solta.[133]

Folclore e literatura[editar | editar código-fonte]

O folclore roraimense é hoje o encontro das tradições trazidas pelos colonizadores nordestinos e de todas as partes do Brasil, com a força das lendas e vivências dos índios, que têm no seu ambiente natural uma perfeita harmonia entre homem e natureza. É festejado tanto os santos da Igreja católica como também as tradições indígenas, que exercem forte influência no estado, na área de curandeirismo e pajelança. No mês de junho, assim como em outros estados do Brasil, acontece as festas juninas nos diversos municípios.[128]

A Academia Roraimense de Letras representa a literatura da unidade federativa. É nela que está reunida grande parte dos poetas, historiadores, escritores e contistas do estado. Um dos poetas roraimenses de maior renome é Eliakin Rufino, que também é compositor, tendo suas músicas alcançado outras regiões do país.[128]

Monumentos[editar | editar código-fonte]

Há dois monumentos em Roraima: o Monumento ao Garimpeiro e o Monumento aos Pioneiros.[134]

O Monumento aos Garimpeiros presta homenagem aos homens que prestaram serviço e contribuíram para o desenvolvimento do antigo Território Federal do Rio Branco. Localiza-se em Boa Vista. O Monumento aos Pioneiros também localiza-se em Boa Vista e é uma construção de concreto armado. Reproduz o Monte Roraima, as etnias que formam o povo roraimense e as tradições e costumes regionais do território.[134]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Vista panorâmica do imponente Monte Roraima, que empresta o nome ao estado.

Roraima possui um grande potencial turístico, em especial no ecoturismo. Por se localizar no extremo norte do país, na parte setentrional deste e por fazer limites com três países sul-americanos, Roraima mantém estreitas relações comerciais baseadas no turismo com esses países, em especial a Venezuela. Os atrativos naturais em Roraima são os principais pontos turísticos do estado, em especial o Monte Roraima.[135]

Arqueólogos de diversas partes do mundo têm forte interesse na Pedra Pintada, que é o mais importante sítio de tal ciência do estado. Nela, há inscrições de civilizações milenares que atraem a curiosidade de turistas e arqueólogos. Neste ponto, há pinturas rupestres, pedaços de cerâmicas, machadinhas, contas de colar, entre outros artefatos que indiciam a história da evolução humana, datados de quatro mil anos. A rocha é um monólito de granito com 60 m de diâmetro e cerca de 40 m de altura. Na face externa existem pinturas rupestres vermelhas que são até hoje consideradas um enigma para cientistas. Há também cavernas funerárias com até 12 metros de extensão. A Pedra Pintada localiza-se em Pacaraima.[136]

O Monte Roraima, um dos lugares mais antigos do planeta, atrai diversos turistas de todo o mundo, entre aventureiros, cientistas, biólogos, antropólogos, esotéricos e místicos.[137] O explorador botânico inglês Everd Thurm descreveu sua passagem pelo Monte Roraima, em 1884, com as seguintes frases:

Cquote1.svg O Monte Roraima é caracterizado por um extraordinário número de plantas, quase todas com desusada beleza, de estranha forma e talvez com ambas peculiaridades. Como a flora, também a fauna, embora igualmente peculiar, parece ser, no entanto, sem contestação, menos abundante. Roraima ergue-se, numa verdadeira terra maravilhosa cheia de coisas raras, belas e estranhas. Cquote2.svg
Everd Thurm, em 1884, durante expedição ao Monte Roraima.[138]
Manhã de sol às margens do Lago Caracaranã.

A Serra do Tepequém também é um dos atrativos turísticos do estado. Possui um riquíssimo artesanato em pedra-sabão e sua área é de livre exploração de diamantes. O local serve como prática de trekking (caminhada), até as cachoeiras do Paiva, Sobral, do Barata e do Funil. O platô é o ponto culminante de toda a Serra, onde se inicia a cadeia montanhosa que delimita as fronteiras entre o Brasil e a Venezuela. A serra do Tepequém conta com altitude média de 1500 m e está situada no município de Amajari.[139] O terceiro dos principais pontos turísticos do estado é o Monte Caburaí. Geógrafos comprovaram que ele está situado a 70 km acima do Oiapoque, o que faz do monte o ponto mais setentrional do Brasil, tendo sido reconhecidamente convencionado nas Instituições Oficiais responsáveis pelas demarcações territoriais geográficas, como o Ministério da Educação e IBGE.[140]

Destaca-se ainda no roteiro turístico do estado o Lago Caracaranã, no município de Normandia. Com quase 6 quilômetros de perímetro, é famoso por suas praias de areia fina rodeadas de cajueiros, além do incrível reflexo no espelho d'água nas noites de Lua cheia. Dista aproximadamente 2 horas de Boa Vista, com acesso pela BR-401.[141]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Paçoca feita de carne. Prato típico de Roraima.

Sua culinária apresenta forte influência do estado brasileiro do Maranhão, apresentando também as características dos pratos amazônicos. O peixe é o principal produto usado em seus pratos típicos.[127] São comidas típicas da região a tapioca, a farinha de mandioca, a paçoca de carne seca e o cuzcuz.[127]

Esporte[editar | editar código-fonte]

Postscript-viewer-blue.svgVer também a categoria: Clubes de futebol de Roraima

No futebol, Roraima abriga nove clubes relevantes, o Atlético Roraima, o Baré, o GAS, o São Raimundo, o River, o Rio Negro, o Náutico, o Progresso e o São Francisco.[142] Há também clubes amadores: Norte Sport, Caranã, Tancredo Neves, Cambará, Racing, Guarani, América, Grêmio, Barcelona, Jockey, ABC, União, Tiradentes, Anauá, Brasil, Boa Vista, Atlético Iracema e União de Iracema.[143]

Há dois estádios relevantes em Roraima: o Estádio Flamarion Vasconcelos e o Estádio Raimundo Ribeiro de Souza, ambos em Boa Vista. O Estádio Flamarion Vasconcelos, popularmente conhecido como Canarinho, pertence ao Governo do Estado de Roraima. Foi inaugurado em 6 de setembro de 1975, e inicialmente designado Estádio 13 de Setembro. Anos depois teve seu nome modificado em homenagem póstuma ao jornalista roraimense Flamarion Vasconcelos. Contudo o estádio é conhecido popularmente como Canarinho, por estar localizado no bairro de mesmo nome.[144]

O Estádio Raimundo Ribeiro de Souza, chamado popularmente de Ribeirão, também pertence ao governo estadual e possui capacidade para 3000 pessoas.[145]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Em Roraima, há apenas um feriado estadual: o dia 5 de outubro. Nessa data, comemora-se a elevação do Território Federal de Roraima à categoria de estado, que aconteceu com a promulgação da Constituição de 1988.[146] [147]

Referências

  1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Área Territorial Oficial - Consulta por Unidade da Federação. Página visitada em 9 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de abril de 2014.
  2. a b c d Estimativa Populacional 2013 (PDF). Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Página visitada em 29 de agosto de 2012.
  3. a b Produto Interno Bruto - PIB e participação das Grandes Regiões e Unidades da Federação - 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Página visitada em 24 de novembro de 2010.
  4. Síntese dos Inidicadores Sociais 2009. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 22 de outubro de 2009.
  5. PNUD Brasil. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, 2010 - Todos os Estados do Brasil. Página visitada em 29 de julho de 2013.
  6. História de Roraima. Roraima virtual. Página visitada em 16 de março de 2011.
  7. a b Estado de Roraima. Brasil República (22 de novembro de 2010).
  8. Roraima, localização geográfica e população.. ARN - Agência Roraimense de Notícias (22 de novembro de 2010).
  9. Qual é a origem dos nomes dos Estados brasileiros?. Revista Galileu, edição de março de 2003 (22 de novembro de 2010).
  10. Roraima: O paraíso do extremo norte. Wonder Amazon. Página visitada em 8 de abril de 2011.
  11. Universidade Estadual Paulista, Cardoso, 1961
  12. Estados brasileiros da Região Norte - Origem dos nomes. Fernando Dannemann. Página visitada em 8 de abril de 2011.
  13. Notícias e conteúdos. LFG. Página visitada em 20 de abril de 2011.
  14. a b c d e f A história de Roraima. Roraima Virtual. Página visitada em 8 de abril de 2011.
  15. a b c d e Roraima. Portal São Francisco. Página visitada em 24 de novembro de 2010.
  16. a b c d e f g h i Criação do município de Boa Vista (1890). BV News (2002). Página visitada em 24 de novembro de 2010.
  17. Geografia de Roraima. Só Geografia. Página visitada em 16 de março de 2011.
  18. a b c d Dados Gerais sobre o Estado de Roraima. Governo do Estado de Roraima (10 de novembro de 2010).
  19. Temperatura, fuso horário e localização. Portal do Governo de Roraima. Página visitada em 16 de março de 2011.
  20. a b Guia geográfico - Roraima. Brasil - Turismo. Página visitada em 16 de março de 2011.
  21. Relevo. Brasil Escola. Página visitada em 16 de março de 2011.
  22. Relevo. Portal do Governo de Roraima. Página visitada em 16 de março de 2011.
  23. a b Clima. Brasil Escola. Página visitada em 16 de março de 2011.
  24. Geografia de Roraima - Clima. Info Escola. Página visitada em 16 de março de 2011.
  25. a b Geografia de Roraima - Hidrografia. Brasil Escola. Página visitada em 16 de março de 2011.
  26. Bacias hidrográficas. Portal do Governo do Estado de Roraima. Página visitada em 16 de março de 2011.
  27. Vegetação. Portal do Governo do Estado de Roraima. Página visitada em 16 de março de 2011.
  28. Vegetação. Brasil Escola. Página visitada em 16 de março de 2011.
  29. Parque Nacional de Monte Roraima. Terra Networks. Página visitada em 16 de março de 2011.
  30. Parque Nacional do Viruá. Ministério da Ciência e Tecnologia. Página visitada em 16 de março de 2011.
  31. Parque Nacional Serra da Mocidade - RR. Eco Viagem - UOL. Página visitada em 16 de março de 2011.
  32. ESEC Maracá. Ministério da Ciência e Tecnologia. Página visitada em 16 de março de 2011.
  33. Estação Ecológica de Caracaraí. Ambiente Brasil. Página visitada em 16 de março de 2011.
  34. Estação Ecológica Niquiá/RR. Amazônia. Página visitada em 16 de março de 2011.
  35. Projeto altera os limites da Floresta Nacional de Roraima. Ambiente Brasil. Página visitada em 16 de março de 2011.
  36. Floresta Nacional de Anauá. Via rural. Página visitada em 16 de março de 2011.
  37. a b c d e f g h Flora. Senador Mozarildo Cavalcanti. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  38. a b c Fauna. Senador Mozarildo Cavalcanti. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  39. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativa populacional 2013. [S.l.: s.n.]. Página visitada em 8 de dezembro de 2013.
  40. População. Senador Mozarildo Cavalcanti (1 de abril de 2011).
  41. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_Pop_2012
  42. Censo 2010: Boa Vista concentra 65,3% da população de Roraima; São Luis é o menos populoso com 1,5%. SEPLAN RR. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  43. a b c d População cresce, mas sem infraestrutura. Jornal Folha de Boa Vista. Página visitada em 16 de março de 2011.
  44. a b c d Roraima. Portal Brasil. Página visitada em 17 de março de 2011.
  45. População recenseada por situação do domicílio, sexo, forma de declaração da idade, idade e relação com a pessoa responsável pelo domicílio. IBGE - Sidra. Página visitada em 17 de março de 2011.
  46. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico de 1991. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.
  47. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IDH_2005
  48. a b c d e f g Sidra-IBGE. Amostra - Características gerais da população. Página visitada em 25 de dezembro de 2012.
  49. Ensaios sobre a riqueza do pensamento ameríndio. Scielo. Página visitada em 17 de março de 2011.
  50. a b Imigração de nordestinos para Roraima. Scielo. Página visitada em 17 de março de 2011.
  51. a b Tabela 2094 — População residente por cor ou raça e religião. IBGE (2000). Página visitada em 28 de janeiro de 2010.
  52. a b Tabela 2094 — População residente por cor ou raça e religião. IBGE (2000). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  53. " Paraíba vence o racismo e reconhece identidade mestiça. Nação Mestiça (03/12/2008).
  54. Sangari (2011). Mapa da Violência no Brasil. Instituto Sangari. Página visitada em 18 de março de 2011.
  55. Supremo Tribunal Federal (STF) (10 de novembro de 1999). Lei nº 9.868 de 10 de novembro de 1999. Página visitada em 22 de março de 2011.
  56. a b Roraima.[Constituição Estadual (1991)]. Constituição do Estado de Roraima. Biblioteca digital do Senado Federal. Página visitada em 22 de março de 2011.
  57. a b c d e f Constituição do Estado de Roraima. Senado Federal. Página visitada em 22 de março de 2011.
  58. Governo do Estado de Roraima. Buscalaw. Página visitada em 22 de março de 2011.
  59. Número de deputados pode aumentar nas próximas eleições. Vote Brasil. Página visitada em 22 de março de 2011.
  60. Estado de Roraima - Brasil. Brasil República. Página visitada em 22 de março de 2011.
  61. História de Boa Vista. Brasil Escola. Página visitada em 22 de março de 2011.
  62. Governo do Estado de Roraima. Símbolos Oficiais. Página visitada em 23 de março de 2011.
  63. Roraima virtual. Bandeira de Roraima. Página visitada em 23 de março de 2011.
  64. Governo do Estado de Roraima. Bandeira de Roraima. Página visitada em 23 de março de 2011.
  65. a b Governo do Estado de Roraima. Brasão de Roraima. Página visitada em 23 de março de 2011.
  66. Governo do Estado de Roraima. Hino do Estado de Roraima. Página visitada em 23 de março de 2011.
  67. Letras - Terra. Hino do Estado de Roraima. Página visitada em 23 de março de 2011.
  68. Mesorregião do Norte de Roraima. City Brazil - UOL (2009). Página visitada em 28 de março de 2011.
  69. Mesorregião do Sul de Roraima. City Brazil - UOL (2009). Página visitada em 28 de março de 2011.
  70. Microrregiões de Roraima. City Brazil - UOL (2009). Página visitada em 28 de março de 2011.
  71. Boa Vista - História & Cultura. Webventure - Destino aventura. Página visitada em 22 de março de 2011.
  72. a b Rorainópolis. Portal do Governo do Estado de Roraima. Página visitada em 22 de março de 2011.
  73. Atrativos naturais de Rorainópolis. CityBrazil - UOL. Página visitada em 22 de março de 2011.
  74. História de Caracaraí. CityBrazil - UOL. Página visitada em 22 de março de 2011.
  75. Distância rodoviária de Alto Alegre (RR). CityBrazil - UOL. Página visitada em 22 de março de 2011.
  76. Limites de Alto Alegre (RR). CityBrazil - UOL. Página visitada em 22 de março de 2011.
  77. a b c Mucajaí. Roraima.8m. Página visitada em 22 de março de 2011.
  78. Pacaraima (RR) - Pontos turísticos. Prefeitura de Pacaraima. Página visitada em 22 de março de 2011.
  79. a b c d Produto Interno Bruto de Roraima cresceu 2,6% em 2007. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento de Roraima (SEPLAN). Página visitada em 28 de março de 2011.
  80. a b c d Roraima é o estado que mais cresce na Região Norte. Povos da Amazônia. Página visitada em 28 de março de 2011.
  81. PIB DE RORAIMA TEVE O MAIOR CRESCIMENTO DA REGIÃO NORTE. Agência Roraimense. Página visitada em 28 de março de 2011.
  82. Roraima. Secretaria de Planejamento do Estado de Roraima (SEPLAN). Página visitada em 7 de abril de 2011.
  83. Exportações de Roraima (2012). Plataforma DataViva. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  84. Exportações de Roraima (2012). Plataforma DataViva. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  85. @Estados - IBGE. Censo Agropecuário de 2006. Página visitada em 11 de abril de 2011.
  86. Exportações em Roraima voltam a crescer em novembro. Portal Amazônia (23 de dezembro de 2010). Página visitada em 28 de março de 2011.
  87. a b c Censo Agropecuário 2006. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2006). Página visitada em 11 de abril de 2011.
  88. [1]
  89. a b c d e f TOSCANO, Fernando. Portal Brasil - Roraima. Portal Brasil. Página visitada em 28 de março de 2011.
  90. a b Serviços de saúde 2009. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2009). Página visitada em 28 de março de 2011.
  91. Cadernos de Informações de Saúde - Roraima. DATASUS (2010). Página visitada em 11 de julho de 2010.
  92. a b Acesso e Utilização dos Serviços, Condições de Saúde e Fatores de Risco e Proteção à Saúde 2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2008). Página visitada em 11 de abril de 2011.
  93. Faculdade Roraimense de Ensino Superior. Acesso em 4 fev 2014.
  94. Faculdade Estácio Atual. Acesso em 4 fev 2014.
  95. Faculdade Cathedral. Acesso em 4 fev 2014.
  96. Mundo Vestibular. Faculdade de Ciências, Educação e Teologia do Norte do Brasil. Acesso em 4 fev 2014.
  97. a b Ensino - matrículas, docentes e rede escolar 2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 28 de março de 2011.
  98. Escolas. 6º BEC. Página visitada em 28 de março de 2011.
  99. http://download.globo.com/vestibular/enem2006_desempenhoregiaouf.doc
  100. http://download.uol.com.br/educacao/enem2007_mediasredacao.xls
  101. http://www.inep.gov.br/download/enem/2008/Enem2008_tabelas_01a101.xls
  102. Síntese dos Inidicadores Sociais 2010 (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Tabela 8.2 - Taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais de idade, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas - 2009. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  103. CAVALCANTE, Mozarildo. Educação. Senado.Gov. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  104. MEC divulga notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) por UF Acessado em 2 de abril de 2011
  105. Portal do Governo do Estado de Roraima. Enem: Roraima supera Norte e Nordeste. Portal do Governo do Estado de Roraima. Página visitada em 20 de abril de 2011.
  106. http://oglobo.globo.com/educacao/mat/2011/06/29/educacao-em-roraima-considerada-uma-das-melhores-do-pais-924794230.asp
  107. Infraero Aeroportos - Roraima. Página visitada em 31 de março de 2011.
  108. Movimento Operacional. Página visitada em 31 de março de 2011.
  109. Aeroportos Públicos Nacionais - Estado de Roraima acessado em 31 de março de 2011.
  110. a b c d Estradas e transportes. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  111. Roraima Adventures. Alto Alegre. Acesso em 4 fev 2012.
  112. Roraima Adventures. Amajari. Acesso em 4 fev 2012.
  113. Roraima (RR) - Quadro natural. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  114. Na terra de Macunaíma. Revista Planeta. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  115. Caracaraí. Portal de Roraima. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  116. Roraima. BrazilSite. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  117. MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA - CERR SEDIA REUNIÃO DA COPAM. Agência Roraimense de Notícias. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  118. a b Cresce consumo de energia elétrica em Roraima. Folha de Boa Vista. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  119. Comunicação. senado.gov. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  120. Exército Brasileiro. Quartéis por estado. Site Oficial do Exército Brasileiro. Página visitada em 5 de abril de 2011.
  121. 9º Distrito Naval. Site Oficial do 9º Distrito Naval. Página visitada em 5 de abril de 2011.
  122. 1º/3º GAv - Esquadrão Escorpião. Spotter. Página visitada em 5 de abril de 2011.
  123. PM RR (26 de novembro de 2010). Polícia Militar de Roraima comemora 34 anos protegendo a população roraimense. Página visitada em 5 de abril de 2011.
  124. Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Roraima. Instituição. Página visitada em 5 de abril de 2011.
  125. Constituição Federal, artigo 144 - Da Segurança Pública
  126. a b @Estados - IBGE. Características da vitimização e do acesso à justiça no Brasil 2009. Página visitada em 11 de abril de 2011.
  127. a b c Brasil Channel. Culinária de Roraima. Brasil Channel. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  128. a b c d e PGRR. Cultura roraimense. Portal do Governo do Estado de Roraima. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  129. Teia Roraima discutirá políticas públicas para a Cultura do Estado. Roraima em Foco. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  130. Resgate da cultura de Roraima. Revista Educarede. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  131. a b c Comissão de Patrimônio Cultural da USP, 2000, pp. 345-346.
  132. a b c Museu da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia de Roraima (Femact) faz 22 anos e abre exposição. Jornal da Ciência. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  133. BANQUETE TEATRAL - Federação de Teatro de Roraima reúne grupos teatrais. Roraima Hoje. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  134. a b Monumentos. Brasil Channel. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  135. Roraima Adventures. Monte Roraima. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  136. Sítio Arqueológico da Pedra Pintada. Overmundo. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  137. Departamento de Turismo de Roraima - DETUR. Venha ao Místico Monte Roraima. Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento de Roraima (SEPLAN). Página visitada em 7 de abril de 2011.
  138. Portal São Francisco. Turismo. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  139. DETUR - Departamento de Turismo de Roraima. Serra do Tepequém. Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN). Página visitada em 7 de abril de 2011.
  140. DETUR - Departamento de Turismo de Roraima. Monte Caburaí. Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN). Página visitada em 7 de abril de 2011.
  141. Anasps. Destinos turísticos. Acesso em 8 fev 2012.
  142. Clubes de Futebol de Roraima. Federação Roraimense de Futebol. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  143. Arquivo de Clubes - Clubes amadores de Roraima. Acesso em 7 de abril de 2011.
  144. Estádio Flamarion Vasconcelos. Guia Roraima. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  145. Estádio Raimundo Ribeiro de Souza. Guia Roraima. Página visitada em 7 de abril de 2011.
  146. Vaneza Targino (3 de outubro de 20111). Culto ecumênico abre hoje comemoração. Jornal Folha de Boa Vista. Página visitada em 4 de outubro de 2011.
  147. Feriados Estaduais 2011. Página visitada em 4 de outubro de 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • CARVALHO, Avery Milton Veríssimo de. Índio na Rede: Ciberativismo e Amazônia: (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2002. 135 p. ISBN 34523432
  • FARAGE, Nádia. As muralhas dos sertões: os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. 1 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra/ANPOCS, 1991. 197 p. 1 vol. ISBN 912122
  • FREITAS, Aimberê. Estudos Sociais - RORAIMA: Geografia e História. 1 ed. São Paulo: Corprint Gráfica e Editora Ltda., 1998. 83 p. ISBN 34523432
  • SANTILLI, Paulo. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito. 1 ed. São Paulo: UNESP, 2001. ISBN 34523432
  • SOUSA, Antônio Ferreira de. Noções de Geografia e História de Roraima. Manaus: Gráfica Palácio Real, 1959. ISBN 34523432

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Bandeira de Roraima
Roraima
História · Política · Geografia · Economia · Rodovias · Portal · Imagens