Rua de São Miguel (Porto)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
PORTO
Rua de São Miguel
Freguesia(s): Vitória
Lugar, bairro: Morro do Olival
Início: Rua de São Bento da Vitória
Término: Rua das Taipas
Comprimento: 120 m
Abertura: 1386
Designação anterior: Rua da Judiaria Nova do Olival
Rua S Miguel (Porto).JPG
Rua de São Miguel
Toponímia do Porto

A Rua de São Miguel é um arruamento na freguesia da Vitória da cidade do Porto, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

A rua de São Miguel constituía um dos principais arruamentos da Judiaria Nova do Olival, criada em 1386 por ordem de D. João I.[1]

Esta foi a quarta, a mais famosa e última judiaria do Porto e existiu durante 111 anos, entre 1386 e 1496. Situada dentro do perímetro das Muralhas Fernandinas do Porto, no espaço atual do quarteirão da Vitória, a judiaria do Olival construía um autêntico gueto, o que permita controlar a movimentação dos judeus. Os judeus tinham liberdade de ação na cidade, comprando e vendendo, mas estavam obrigados a recolher à judiaria à noite, ao toque de Trindades, na torre da porta do Olival.[2]

Por édito de D. Manuel I de 1496, aos judeus portugueses foi dado o prazo de um ano para se converterem ao cristianismo ou para abandonarem o país. Quer porque muitos abandonaram as suas casas, quer porque os que se converteram não queriam ficar ligados ao passado judeu, o facto é que a zona da antiga judiaria ficou quase deserta. Pelas cartas régias de 1534 e 1539, o rei ordenou que os cristãos-novos que se tinham fixado na praça da Ribeira ou noutros locais da cidade voltassem à rua de São Miguel (designação que, na época, abrangia também a atual rua de São Bento da Vitória).[2]

Sabe-se que muitos cristãos-novos continuaram a praticar o judaísmo clandestinamente, o que é atestado pela descoberta em 2003 de um hekhal, elemento central de uma sinagoga, no n.º 9 da rua de São Miguel, considerado Imóvel de Interesse Público desde 2012. Crê-se ser esta a sinagoga clandestina referida pelo médico Emanuel Aboab na sua Nomologia, publicada em Amesterdão em 1629.[3]

Durante o Cerco do Porto, para evitar os vandalismos e saques de que foi alvo o Mosteiro de São Bento da Vitória, foram retirados certos azulejos que representam episódios da vida de Nossa Senhora e do quotidiano em geral, e colocados na fachada da Casa na Rua de São Miguel, no n.° 4, classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1962.[4]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre toponímia, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.