Rudyard Kipling

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rudyard Kipling Medalha Nobel
Nacionalidade Reino Unido indo-britânico
Nascimento 30 de dezembro de 1865
Local Bombaim, Índia Britânica
atual Flag of Índia Índia
Morte 18 de janeiro de 1936 (70 anos)
Local Londres, Inglaterra, Reino Unido
Prêmio(s) Nobel prize medal.svg Nobel de Literatura (1907)
Malabar Point, Bombaim, c. 1860. Oriental and India Office Collection. British Library.
A Índia de Kipling: mapa da Índia Britânica com os locais e períodos de estada de Kipling.
James Jacques Tissot. The Gallery of HMS Calcutta (Portsmouth), 1876. Kipling, who had sailed with his family from Bombaim to Portsmouth on a P&O paddlewheeler four years earlier, however, only remembered "time in a ship with an immense semi-circle blocking all vision on each side of her."[1]

Joseph Rudyard Kipling (Bombaim, 30 de dezembro de 1865Londres, 18 de janeiro de 1936) foi um autor e poeta britânico.

É mais conhecido por seus livros "The Jungle Book" (1894), "The Second Jungle Book" (1895), "Just So Stories" (1902), e "Puck of Pook's Hill" (1906); sua novela, "Kim" (1901); seus poemas, incluindo "Mandalay" (1890), "Gunga Din" (1890), "If"[2] (1910) e "Ulster 1912" (1912); e seus muitos contos curtos, incluindo "The Man Who Would Be King" (1888) e as compilações "Life's Handicap" (1891), "The Day's Work" (1898), e "Plain Tales from the Hills" (1888).

É considerado o maior "inovador na arte do conto curto"[3] ; os seus livros para crianças são clássicos da literatura infantil; e o seu melhor trabalho dá mostras de um talento narrativo versátil e brilhante[4] , [5] .

Foi um dos escritores mais populares da Inglaterra, em prosa e poema, no final do século XIX e início do XX[3] . O autor Henry James referiu: "Kipling me impressiona pessoalmente como o mais completo homem de gênio (o que difere de inteligência refinada) que eu jamais conheci."[3] . Foi laureado com o Nobel de Literatura de 1907, tornando-se o primeiro autor de língua inglesa a receber esse prêmio e, até hoje, o mais jovem a recebê-lo[6] . Entre outras distinções, foi sondado em diversas ocasiões para receber a Láurea de Poeta Britânico e um título de Cavaleiro, as quais rejeitou[7] . Ainda assim, Kipling tornou-se conhecido (nas palavras de George Orwell) como um "profeta do imperialismo britânico"[8] . Muitos viam preconceito e militarismo em suas obras[9] , [10] , e a controvérsia sobre esses temas em sua obra perdurou por muito tempo ainda no século XX[11] , [12] . De acordo com o crítico Douglas Kerr: "Ele ainda é um autor que pode inspirar discordâncias apaixonadas e seu lugar na história da literatura e da cultura ainda está longe de ser definido. Mas à medida que a era dos impérios europeus retrocede, ele é reconhecido como um intérprete incomparável, ainda que controverso, de como o império era vivido. Isso, e um reconhecimento crescente de seus extraordinários talentos narrativos, faz dele uma força a ser respeitada"[13] . Seu poema "If" (Se) é símbolo dos Cadetes da Academia da Força Aérea.

Uma de suas obras o "Livro da Selva" foi adotado por Robert Baden-Powell, fundador do Escotismo como fundo de cena para as atividades com jovens de 7 à 11 anos, denominando os jovens dessa faixa etária como lobinhos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kipling nasceu em Bombaim, na Índia britânica, filho de Alice Kipling (nascida MacDonald) e John Lockwood Kipling[14] . A mãe, uma das quatro memoráveis irmãs da Era Vitoriana[15] , foi uma mulher vivaz[16] , sobre a qual o futuro Vice-rei da Índia diria: "O tédio e a Sra. Kipling não podem existir no mesmo espaço"[3] . Lockwood Kipling, um escultor e designer de cerâmica, foi o diretor e professor de escultura arquitetônica na recém-fundada Sir Jamsetjee Escola de Arte e Indústria em Bombaim[16] . Os dois, que se mudaram para a Índia no início daquele ano, haviam se conhecido dois anos antes em Rudyard Lake na área rural de Staffordshire, na Inglaterra, e encantaram-se tanto com a beleza do lugar que deram o nome dele ao primeiro filho. A tia de Kipling, Georgiana, era casada com o pintor Edward Burne-Jones e a sua tia Agnes, com o pintor Edward Poynter. O seu parente mais famoso foi o primo em primeiro grau Stanley Baldwin, que foi três vezes Primeiro-Ministro pelo Partido Conservador nas décadas de 1920 e 1930[17] . O local de nascimento de Kipling ainda pode ser visitado, no campus do Sir J.J. Instituto de Arte Aplicada em Bombaim e serviu por muitos anos como residência do reitor. O historiador de Bombaim, Foy Nissen, esclarece que, embora a cabana ostente uma placa afirmando que aquele é o lugar onde nasceu Kipling, o fato é que a cabana original foi demolida décadas atrás e uma nova foi construída em seu lugar. O bangalô de madeira ficou vazio e trancado por muito tempo[18] .

Acerca de Bombaim, Kipling escreveria:[19]

Mãe das Cidades para mim,
Porque nasci à sua entrada,
Entre palmeiras e o mar,
Onde os navios do fim do mundo esperam.

De acordo com Bernice M. Murphy:[20] :

"Os pais de Kipling se consideravam 'anglo-indianos' (termo usado no século 19 por cidadãos britânicos residentes na Índia) como também ele próprio o faria, embora ele tenha vivido a maior parte de sua vida no exterior. Questões complexas de identidade e lealdade nacional foram aspectos proeminentes de sua ficção. O próprio Kipling escreveria sobre esses conflitos aos setenta anos:[1]

"À tarde antes de fazer a sesta, ela (a portuguesa ayah, ou babá) ou Meeta (palavra Hindu para carregador, ou criado do sexo masculino) nos contaria histórias e cantaria canções infantis de memória, e éramos encaminhados para a sala de jantar depois de vestidos com a advertência 'Fale inglês agora com o papai e a mamãe.' Então falava-se 'inglês', traduzido abruptamente do idioma vernáculo em que pensava e se sonhava".

Os dias de Kipling de "intensa luz e escuridão"[1] em Bombaim terminariam quando ele tivesse 7 anos. Como era o costume na Índia britânica, ele e a sua irmã de três anos, Alice ("Trix"), seriam mandados para a Inglaterra – no caso deles para Southsea (Portsmouth), onde deles cuidariam um casal que recebia filhos de compatriotas britânicos vivendo na Índia. As duas crianças viveriam com o casal, Capitão Holloway e esposa, na casa deles, Lorne Lodge, pelos próximos seis anos. Em sua autobiografia, escrita 65 anos depois, Kipling lembraria aquele tempo com horror, e se perguntaria ironicamente se a combinação de crueldade e negligência que ele experimentou nas mãos da Sra. Holloway não poderiam ter apressado o começo de sua vida literária:[1]

"Se você interroga uma criança de sete ou oito anos sobre suas atividades diárias (especialmente quando ela quer dormir), ela se contradiz com satisfação. Se cada contradição for tomada como uma mentira no café-da-manhã, a vida não é fácil. Eu experimentei um bocado de intimidação, mas isso era tortura calculada – tanto religiosa quanto científica. Ainda assim, isso me fez dar atenção às mentiras que eu, cedo, achei necessário contar: e isso, eu presumo, é a base do meu esforço literário."

Kipling faleceu em Londres, e foi sepultado na Abadia de Westminster.

Notas

  1. a b c d Kipling, Rudyard (1935). Something of myself. University of Newcastle (public domain). Página visitada em 2006-10-03.also: 1935/1990. Something of myself and other autobiographical writings. Cambridge University Press. ISBN 0-521-40584-X.
  2. tradução em http://traicoestraducoes.blogspot.com/search/label/RUDYARD%20KIPLING
  3. a b c d Rutherford, Andrew. 1987. General Preface to Oxford World's Classics Editions of Rudyard Kipling, in "Puck of Pook's Hill and Rewards and Fairies", por Rudyard Kipling. Oxford University Press. ISBN 0-19-282575-5.
  4. Rutherford, Andrew. 1987. Introduction to the Oxford World's Classics edition of "Plains Tales from the Hills", by Rudyard Kipling. Oxford University Press. ISBN 0-19-281652-7.
  5. James Joyce considerou Tolstói, Kipling e D'Annunzio como os "três escritores do século 19 de maior talento natural", mas que "ele não cumpriu essa promessa". Ele também observou que todos os três escritores "tinham idéias semi-fanáticas sobre religião, ou sobre patriotismo". Diary of David Fleischman, 21 de Julho de 1938, citado em "James Joyce" por Richard Ellmann, p. 661, Oxford University Press (1983) ISBN 0-19-281465-6.
  6. Alfred Nobel Foundation (2006-09-30). Who is the youngest ever to receive a Nobel Prize, and who is the oldest?. nobelprize.org. Página visitada em 2006-09-30.
  7. Birkenhead, Lord. 1978. Rudyard Kipling, Appendix B, "Honours and Awards". Weidenfeld & Nicolson, London; Random House Inc., New York.
  8. Orwell, George (2006-09-30). Essay on Kipling. Página visitada em 2006-09-30.
  9. Lewis, Lisa. 1995. Introduction to the Oxford World's Classics edition of "Just So Stories", by Rudyard Kipling. Oxford University Press. pp.xv-xlii. ISBN 0-19-282276-4
  10. Quigley, Isabel. 1987. Introduction to the Oxford World's Classics edition of "The Complete Stalky & Co.", by Rudyard Kipling. Oxford University Press. pp.xiii-xxviii. ISBN 0-19-281660-8
  11. Said, Edward. 1993. Culture and Imperialism. London: Chatto & Windus. Page 196. ISBN 0-679-75054-1.
  12. Sandison, Alan. 1987. Introduction to the Oxford World's Classics edition of Kim, por Rudyard Kipling. Oxford University Press. pp. xiii–xxx. ISBN 0-19-281674-8.
  13. Douglas Kerr, University of Hong Kong. "Rudyard Kipling." The Literary Encyclopedia. 30 May. 2002. The Literary Dictionary Company. 26 de Setembro de 2006. [1]
  14. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas carrington
  15. Flanders, Judith. 2005. A Circle of Sisters: Alice Kipling, Georgiana Burne-Jones, Agnes Poynter, and Louisa Baldwin. W.W. Norton and Company, New York. ISBN 0-393-05210-9.
  16. a b Gilmour, David. 2002. The Long Recessional: The Imperial Life of Rudyard Kipling, Farrar, Straus, and Giroux, New York.
  17. thepotteries.org (2002-01-13). did you know ..... The potteries.org. Página visitada em 2006-10-02.
  18. Sir J.J. College of Architecture (2006-09-30). Campus. Sir J. J. College of Architecture, Mumbai. Página visitada em 2006-10-02.
  19. "To the City of Bombay", dedication to Seven Seas, by Rudyard Kipling, Macmillan and Company, 1894.
  20. Murphy, Bernice M. (1999-06-21). Rudyard Kipling - A Brief Biography. School of English, The Queen's University of Belfast. Página visitada em 2006-10-06.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Rudyard Kipling
Commons
O Commons possui multimídias sobre Rudyard Kipling


Precedido por
Giosuè Carducci
Nobel de Literatura
1907
Sucedido por
Rudolf Eucken