Ruptura Tito-Stalin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Ruptura Tito-Stalin foi um conflito entre os líderes da República Socialista Federativa da Iugoslávia e da União Soviética, o que resultou na expulsão da Iugoslávia comunista da Cominform em 1948. Em primeiro lugar, foi dito que foi causada pela deslealdade da Iugoslávia à URSS e do socialismo em geral, mas a maioria das evidências sugere que tinha mais a ver com o orgulho nacional de Josip Broz Tito e a recusa de se sujeitar totalmente à vontade do Josef Stalin.

Ao contrário dos outros países na Europa ocupada, a Iugoslávia libertou sem grandes apoios diretos dos Aliados ocidentais ou da União Soviética. O Exército Vermelho apenas ajudou os partidários iugoslavos na captura de Belgrado. O Marechal Josip Broz Tito o papel determinante na libertação da Iugoslávia não só reforçou fortemente a sua posição no seu partido e entre o povo iugoslavo, mas também fêz com que fosse mais insistente que Iugoslávia começasse a ter mais espaço para seguir os seus próprios interesses do que os outros líderes da coligação política que tiveram mais razões (e pressões) para reconhecer os esforços soviéticos para ajudá-los liberar seus próprios países do controle do Eixo. Isto já tinha levado a alguns atritos entre os dois países antes que a Segunda Guerra Mundial se acabasse.

Após isso, Tito usaria o distanciamento da URSS para conseguir o auxílio dos EUA através do Plano Marshall, bem como para envolver a Iugoslávia no Movimento Não-Alinhados, em que a Iugoslávia era uma força principal. O evento foi importante não só para a Iugoslávia e Tito, mas também para o revisionismo e o fim do socialismo global, uma vez que foi a primeira grande divisão entre estados comunistas, lançando dúvidas sobre as alegações da Comintern para que o socialismo seja uma força unificadora que controlasse eventualmente o mundo inteiro.

Informbiro[editar | editar código-fonte]

A ruptura entre Tito e Stálin levaria ao início de um período conhecido na Iugoslávia como Informbiro, entre 1948 e 1955, caracterizado pelo conflito e tensões com a União Soviética. A palavra Informbiro é o modo pelo qual os iugoslavos se referiam ao Cominform, uma abreviação para "Bureau de Informações". Em 1955, o líder soviético Nikita Khrushchev se reconciliaria com Tito, dando fim ao período, constantemente retratado na cultura popular dos países que formavam a antiga Iugoslávia.