Rutenos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Os rutenos (também chamados de cárpato-rutenos e russianos) são um moderno grupo étnico da Europa, que fala a língua rutena e descendem dos russianos que não se tornaram ucranianos, no século XIX.

São originários do norte dos Cárpatos e ainda habitam essas áreas como também algumas outras na planície da Panônia. Sua terra natal é freqüentemente citada como Rutênia Cárpata, embora a região não corresponda exatamente aos locais habitados pelos rutenos.

O principal grupo ruteno montanhês dos antigos Cárpatos galicianos é chamado lemko.

História[editar | editar código-fonte]

Alguns grupos étnicos rutenos viviam na fronteira do território não completamente incluído na nação ucraniana, como os povos da Rutênia Cárpata, os cossacos do Don, os poleshukes e os rutenos da Podláquia. Alguns deles continuaram a se autodenominar rutenos.

Em contraste com o movimento nacional ucraniano, o movimento moderno ruteno foi baseado no conceito de unidade com os russos. Nesse sentido os cárpato-rutenos representam a típica etnia de área delimitada e seu despertar nacional é uma negação do nacionalismo ucraniano.

O movimento nacional cárpato-ruteno é especialmente forte entre aqueles grupos rutenos que se tornaram há algum tempo geograficamente separados do território étnico ucraniano (por exemplo os assentamentos rutenos na Sérvia (Vojvodina) e comunidades estabelecidas nos Estados Unidos e no Canadá).

Durante o domínio do Império Austro-Húngaro (séculos XVIII e XIX), alguns rutenos se deslocaram para onde hoje são as regiões norte da Bósnia, Vojvodina (hoje na Sérvia e Montenegro) e Eslavônia (hoje na Croácia). Nessas regiões eles são chamados rusins. Observe-se que no censo iugoslavo de 1971, tanto ucranianos (Ukrajinci/Украјинци) quanto rutenos (Rusini/Русини) foram registrados coletivamente como rutenos, embora inicialmente tivessem sido registrados em separado, formando uma minoria. Os rusins eram registrados como uma nacionalidade separada pelos censos realizados na Polônia, antes da Segunda Guerra Mundial.

Religião[editar | editar código-fonte]

Os rutenos são um grupo étnico que nunca teve uma pátria. Como tal, eles têm sido pelas grandes potências da região (Hungria, Eslováquia, Polônia, Ucrânia, Rússia, etc.).

Quando os rutenos aceitaram o cristianismo, o quem ou o quê eles cultuavam antes, é motivo de algum debate. Mas isso aconteceu claramente antes do cisma entre ortodoxos (no leste) e católicos (no oeste) em 1054. Cirilo (que dá nome ao alfabeto cirílico) e Metódio são citados como os "apóstolos dos eslavos" e muitas igrejas rutenas foram construídas em sua homenagem.

O autor Paul Robert Magocsi fornece uma das mais detalhadas e equilibradas descrições da história rutena em "Our People: Carpatho-Rusyns and Their Descendants in North America" (Nosso Povo: Cárpato-rutenos e seus Descendentes na América do Norte) publicado em 1984. Ele registrou que havia aproximadamente 690.000 membros cárpato-rusins cristãos nos Estados Unidos (320.000 de afiliações católicas, 270.000 de afiliações ortodoxas e cerca de 100.000 protestantes e de utras afiliações).

Católicos de Rito Oriental (Uniatas)[editar | editar código-fonte]

Muitos rutenos pertencem à Igreja Católica Bizantina Rutena, que reconhece a autoridade do Papa, desde os congressos de Uzhhorod em 1508 e de Brest-Litovsk em 1596, mas compartilham a sua antiga liturgia eslavônica e a maioria de suas formas exteriores (tradições, costumes, ritos) com a Igreja Ortodoxa.

Igreja Ortodoxa[editar | editar código-fonte]

Embora originalmente ligada à Igreja Ortodoxa Russa, a afiliação dos rutenos foi adversamente afetada pela revolução comunista na Rússia, com a resultante diáspora ortodoxa. Algumas comunidades emigradas exigiram o direito de continuar a tradição ortodoxa da igreja anterior à revolução, enquanto outras refutaram ou minimizaram a validade da organização da igreja funcionando sob a autoridade comunista. À Igreja Ortodoxa na América foi concedido o estatus de autonomia pelo Patriarcado de Moscou, em 1970.

Língua[editar | editar código-fonte]

O ruteno é semelhante ao ucraniano - tão semelhante que o governo ucraniano a considera um dialeto do ucraniano, o que é uma ofensa para alguns rutenos. No extremo oeste da Rutênia Cárpata, a língua se aproxima do eslovaco. O dialeto ucraniano dos hutsuls, próximo aos limites da Bukovina é também similarmente distinto.

O ruteno tem estatuto de língua oficial na Vojvodina. A língua rutena na Vojvodina, no entanto, é classificada como eslava ocidental e compartilha muitas similaridades com o eslovaco.

Rutenos famosos[editar | editar código-fonte]

  • Andy Warhol (nome de nascimento Warhola) - filho de rutenos da Eslováquia.
  • Tom Ridge - filho de pai mestiço cherokee e mãe rutena de famiíla eslovaca, político norte-americano.
  • Sandra Dee (nome de nascimento Alexandra Zuck) - neta de imigrantes rutenos, atriz norte-americana.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]