Ruth Cardoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Ruth Cardoso
Ruth Cardoso em 2006.
Nascimento 19 de setembro de 1930
Araraquara (SP)
Morte 24 de junho de 2008 (77 anos)
São Paulo (SP)
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação antropóloga e primeira-dama do Brasil entre 1 de janeiro de 1995 e 1 de janeiro de 2003
Magnum opus A aventura antropológica: teoria e pesquisa

Ruth Vilaça Correia Leite Cardoso[1] GCIH (Araraquara,[1] 19 de setembro de 1930São Paulo, 24 de junho de 2008) foi uma antropóloga e professora universitária brasileira.[2]

Ruth era casada desde 1953 com Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente do Brasil. Ruth foi a primeira-dama do País durante o mandato presidencial do marido entre 1995 e 2003, embora tenha sempre rechaçado tal título.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Ruth Vilaça Correia Leite nasceu em Araraquara, no interior do estado de São Paulo. Ela era filha do contador José Correia Leite de sua esposa, a professora e farmacêutica Maria "Mariquita" Vilaça.[4] Tinha uma irmã gêmea, Raquel, que morreu em tenra idade. A casa em que vivia sua família ficava no centro da cidade e hoje é uma agência bancária.[5] Ela viveu em sua cidade natal até os dezoito anos, quando se mudou para estudar Filosofia na Universidade de São Paulo (USP).[2]

Em 1951, Ruth Leite conheceu seu futuro marido, Fernando Henrique Cardoso, então um estudante de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP.[2] Eles se casaram em 1953 e tiveram três filhos juntos: Paulo Henrique (1954), Luciana (1958) e Beatriz (1960).

Estudos e magistério[editar | editar código-fonte]

Na década de 1950, Ruth Cardoso se envolveu no estudo de movimentos feministas, étnico-raciais e de orientação sexual classificados por ela como "novos movimentos sociais”.[1]

Doutora em antropologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), Ruth Cardoso atuou como docente e pesquisadora na USP e em várias instituições universitárias de diferentes países, tais como a Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso/Unesco), a Universidade do Chile, a Maison des Sciences de L'Homme em Paris, a Universidade de Berkeley e a Universidade de Colúmbia.[1]

Ela era membro associado do Centro para Estudos Latino-Americanos da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e membro da equipe de pesquisadores do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap - São Paulo).

Primeira-dama do Brasil[editar | editar código-fonte]

Ruth Cardoso, em evento à época em que presidia o projeto Comunidade Solidária, de combate à exclusão social e à pobreza.

Ruth Cardoso, enquanto primeira-dama do Brasil, criou e presidiu o programa Comunidade Solidária,[6] de combate à exclusão social e à pobreza, dentro de uma perspectiva emancipatória. Em 2000, ela criou a organização não governamental Comunitas, na qual atuou até sua morte.[1]

A 14 de Março de 2000 foi agraciada com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.[7]

Bolsa Família[editar | editar código-fonte]

Foi precursora de um dos maiores programas sociais da história do país: o Bolsa Família [8] [9] [10] .

Morte[editar | editar código-fonte]

Ruth Cardoso faleceu no dia 24 de junho de 2008, aos setenta e sete anos de idade em sua residência, em decorrência de problemas cardíacos, apenas um dia após ter realizado um cateterismo cardíaco e recebido alta hospitalar. Seu corpo foi velado na Sala São Paulo, no centro da capital paulista, e esta enterrada no Cemitério da Consolação.[11]

Obras[editar | editar código-fonte]

Ruth Cardoso publicou vários livros e trabalhos sobre imigração (em especial a imigração japonesa no Brasil), movimentos sociais, juventude, meios de comunicação de massa, violência, cidadania e trabalho. Entre suas obras podemos citar:[1]

  • O papel das associações juvenis na aculturação dos japoneses[1] (1959)
  • Estrutura familiar e mobilidade social (1972)
  • A aventura antropológica: teoria e pesquisa (1986)
  • A trajetória dos movimentos sociais (1994)
  • Bibliografia sobre a juventude (com Helena Sampaio) (1995)
  • Mudança Sociocultural e Participação Política nos Anos 80

Ela também escreveu um livro infantil, Um passeio diferente, publicado pela editora Zit.[12]

Sobre a vida de Ruth Cardoso foi lançada em 2010 uma biografia escrita por Ignácio de Loyola Brandão intitulada Ruth Cardoso - Fragmentos de uma Vida pela Editora Globo.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ruth Cardoso
Artigos sobre Ruth Cardoso
Precedida por:
Rosane Collor
Primeira-dama do Brasil
19952003
Sucedida por:
Marisa Letícia Lula da Silva