São Paulo Fashion Week

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Paulo Fashion Week
Fundação 1995 (19 anos)
Fundador(es) Paulo Borges
Sede São Paulo
Presidente Grupo Luminosidade
Página oficial Portal FFW
Uma das modelos do São Paulo Fashion Week.

São Paulo Fashion Week (SPFW) é o maior evento de moda do Brasil e o mais importante da América Latina, do Hemisfério Sul e a quinta maior semana de moda do mundo, depois das de Paris, Milão, Nova York, Londres[1] .

História[editar | editar código-fonte]

O evento começou a ser realizado no ano de 1995, com o nome de Morumbi Fashion Brasil na Bienal de São Paulo do Parque do Ibirapuera em São Paulo, como uma vertente do Phytoervas Fashion, evento que reuniu estilistas brasileiros de 1992 a 1994. Organizado pelo Grupo Luminosidade do empresário e promoter de eventos Paulo Borges o evento modificou completamente o calendário da moda brasileira. A semana de moda ganhou o nome de São Paulo Fashion Week a partir da edição de janeiro de 2001. Nos anos 90 diversas marcas internacionais como Chanel, Versace e Gucci começaram a abrir lojas no Brasil, esse fato trouxe uma mudança significativa para a indústria têxtil do país. Acirrados pela abertura das importações do Governo Collor os empresários brasileiros foram obrigados a investir em tecnologia de ponta, maquinário e mão-de-obra especializada, para concorrer com o mercado estrangeiro que crescia no Brasil.

No início, eram realizados quatro desfiles por dia com público de 300 pessoas. Durante este tempo, estilistas, produtores, modelos, patrocinadores, tecelagens, jornalistas, agências, indústrias e técnicos se profissionalizaram e ganharam espaço na área. Foi nesse período que começaram surgir as supermodelos brasileiras como Gisele Bündchen, Isabeli Fontana, Adriana Lima, Alessandra Ambrósio dentre outras hoje todas com carreira e fama internacional que trouxeram maior renome e prestígio ao evento. Nessa época muitas marcas brasileiras como Colcci, Osklen, Cavalera, TNG, Triton, Virzi, Zapping, Animale começaram a ter fama internacionalmente e se tornaram grandes multimarcas. Muitos estilistas também despontaram nessa época, como Ricardo Almeida, Reinaldo Lourenço, Alexandre Herchcovitch, Glória Coelho, Victor Dzenk, Ronaldo Fraga, Amir Slama, Tufi Duek, Maria Fernanda Lucena, Neil Barret, Patrícia Vieira, Raia de Goeye, Lorenzo Merlino, Márcia Ganem. Dentre esses destacaram-se os estilistas Carlos Miele, Francisco Costa, diretor criativo da Calvin Klein Collection hoje estilistas de renome internacional.

Gisele Bundchen na São Paulo Fashion Week, desfilando pela Colcci.

Em 2008 a empresa holding InBrands se tornou sócia do Grupo Luminosidade e ambos passaram a promover juntamente o evento. A parceira trouxe maior crescimento ao evento atraindo um número maior de investidores e patrocinadores e movimentando ainda mais o mercado fashion brasileiro. Em 2012 o evento passou por mudanças significativas em seu calendário de desfiles. Neste ano foram realizadas, excepcionalmente, três semanas de moda com duração de cinco dias cada uma. A partir de 2013 os desfiles de primavera-verão que aconteciam em junho foram transferidos para março e os desfiles de outono inverno que aconteciam em janeiro foram transferidos para outubro. Desde então os desfiles passaram a ocorrer 6 meses antes das peças chegarem as lojas possibilitando assim uma melhoria na produção, logística e distribuição das marcas que desfilam no evento.

No decorrer dos anos, os investimentos no evento cresceram de 600 mil reais em sua primeira edição, para mais de cinco milhões de reais por edição. E também houve um aumentou significativo do numero de estilistas que participam do evento de 21 para 34 participantes e o público também cresceu, atualmente mais de 1 milhão pessoas visitam o evento contra cem mil em 1995. Por isso, hoje a SPFW e o evento de moda mais importante da América Latina e do Hemisfério Sul e aparece como a quinta maior semana de moda do mundo, ao lado de Paris, Milão, Nova Iorque e Londres. A semana de moda já foi destaque nas mais importantes publicações de moda do mundo e atualmente mais de duzentos veículos de imprensa internacional como as revistas Vogue, Elle, Vanity Fair, Harper’s Bazaar, Cosmopolitan fazem a cobertura do evento. O mesmo acontece com a cobertura jornalística nacional, são dois mil profissionais credenciados, contra os 250 dos primórdios. A fashion week também foi responsável por criar diversos outros eventos paralelos voltados para as redes de fast-fashion e grandes produtores têxteis que servem de suporte para levar as coleções apresentadas na semana de moda para as grandes lojas gerando um público mais abrangente. Algumas das modelos mais famosas do mundo como Naomi Campbell, Candice Swanepoel, Karolina Kurkova já desfilaram no evento. Hoje, o foco da semana não é apenas divulgar o trabalho dos criadores, mas, principalmente, organizar a produção de moda no Brasil, internacionalizar os desfiles e fomentar novos negócios.

Algumas new faces tiveram a projeção de suas carreiras através do evento. É o caso de Rhaisa Batista, Emanuela de Paula, Aline Weber, Martha Streck entre tantas outras hoje famosas internacionalmente. Alguns modelos não alcançaram fama gigantesca após o evento, mas são considerados modelos de sucesso por muitos fotógrafos e estilistas, como por exemplo: Aleccia Moraez, Rafa Coleone, Luccas Molleto e Karina Colcci. Além de estruturar toda industria têxtil do país o evento já foi marcado pelo apoio a diversas campanhas pela fome, pela prevenção do Câncer e da Aids, reciclagem do lixo, educação entre outras causas sociais. A cada edição o evento conta com exposições de arte, fotografia e moda de renomados artistas brasileiros e internacionais.

Notas e referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre São Paulo Fashion Week
Ícone de esboço Este artigo sobre vestuário ou moda é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.