Sérgio Ricardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sérgio Ricardo
Informação geral
Nome completo João Lutfi
Nascimento 18 de junho de 1932 (82 anos)
País  Brasil
Gênero(s) Samba-Canção
Bossa Nova
Período em atividade 1952 - atualmente
Gravadora(s) Odeon
Página oficial www.sergioricardo.com

Sérgio Ricardo, nome artístico de João Lutfi, (Marília, 18 de junho de 1932) é um diretor de cinema,[1] ator, cantor e compositor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de família libanesa, em 1940, aos 8 anos, foi matriculado no Conservatório de Música de Marília para estudar piano e teoria musical; mudou-se para São Paulo e foi locutor da rádio Cultura em São Vicente, litoral do estado.

Ao mudar para o Rio de Janeiro em 1952 conseguiu emprego como técnico de som e pianista, substituindo Tom Jobim. Familiarizado com a cidade, que foi o berço da bossa nova, passou a fazer parte do primeiro núcleo de compositores desse movimento musical. Lançou no começo dos anos 60 os LPs Não Gosto Mais de Mim e A Bossa Romântica de Sérgio Ricardo.

Participou do III Festival de Música Popular Brasileira transmitido pela TV Record, quando, num momento antológico, foi vaiado pelo público ao cantar "Beto bom de bola", e nervoso, quebrou o violão e atirou-o contra a plateia.[2]

Incentivado por Carlos Lyra, passou a inteirar-se de problemas políticos e sociais, o que o levou a compor canções retratando esses temas. Compôs o romance violado que originou a trilha e narração do filme Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Dançante nº 1 (1958)
  • A Bossa Romântica de S. Ricardo (1960)
  • Depois do Amor (1961)
  • Um SR. Talento (1963)
  • Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964)
  • Esse Mundo é Meu (1964)
  • Grande Música de S. Ricardo (1967)
  • Arrebentação (1970)
  • Sérgio Ricardo (1973)
  • A Noite do Espantalho (1974)
  • Sérgio Ricardo / MPB Espetacular (1975)
  • Do Lago à Cachoeira (1979)
  • Flicts (1980)
  • Estória de João Joana (2000)
  • Quando Menos se Espera (2001)
  • Ponto de Partida (2008)

Filmografia[3] [editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Site oficial de Sérgio Ricardo.
  2. Braune, Bia; Rixa Braune. In: Felipe Schuery. Almanaque da TV - Histórias e curiosidades desta máquina de fazer doido. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007. p. 101. ISBN 978-85-00-02070. Visitado em 28 de dezembro de 2013.
  3. Site oficial de Sérgio Ricardo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um compositor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.