Símio-de-bondo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

Os símios-de-bondo seriam macacos gigantes de existência não provada que habitariam a região de Bondo na República Democrática do Congo.[1]

Há relatos deste animal durante vários séculos. Foram encontrados crânios de macacos gigantes na região de Bili. Foram classificados como pertencentes a uma nova subespécie de macaco pelo pesquisador Henri Shoutenden em 1927.

Karl Ammann, um fotógrafo suíço partiu em 1934 para procurar evidências dos símios-de-bondo. Ele achou uma série de moradias de macacos no chão, Um hábito de gorilas. Karl Ammann também achou fezes no chão ricas em proteínas de frutas. Este fato e mais análises de DNA indicou para os cientistas que na verdade se tratavam de chimpanzés. Os cientistas acreditam que os Símios de Bondo sejam uma subespécie resultante do cruzamento de Chimpanzés e Gorilas.

Ainda não se provou a existência dos símios-de-bondo, mas Karl Ammann conseguiu duas supostas fotografias do animal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]