Síndrome compartimental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Síndrome compartimental é o aumento de pressão num espaço anatómico restrito com queda da perfusão sanguínea dos músculos e órgãos nele contido.

Caracterizada pela parestesia, dor contínua, hipoestesia, edema e enrijecimento da região acometida. As causas principais podem ser a constrição de membros por aparelho gessado, curativos compressivos bem como uso inadequado de braçadeiras/manguitos para aferição de pressão arterial não invasiva (principalmente em neonatologia), além de um possível aumento de substâncias no compartimento muscular causado por um edema ou hemorragia. É uma urgência ortopédica.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Na literatura americana, os sinais e sintomas da síndrome são conhecidos por ser associados aos cinco "Ps":

O exemplo clássico é o da criança que fratura a perna ou o braço. Após a colocação do gesso inicia-se quadro de dor desproporcional e sem melhora com analgésicos. Portanto, é de fundamental importância explicar ao paciente, à mãe ou ao responsável que qualquer piora progressiva na dor é necessário o rápido encaminhamento a um hospital, para a avaliação médica e, se indicado, a realização da fasciotomia.

Causas[editar | editar código-fonte]

Como o tecido conjuntivo que determina as lojas anatômicas dos membros tem um limite de elasticidade, o edema dos músculos, por exemplo, pode aumentar a pressão dentro das lojas. Qualquer processo patológico ou iatrogênico que aumente o conteúdo dentro desse espaço anatômico delimitado por tecido conjuntivo (no caso, a fáscia), pode causar síndrome compartimental.

O aumento da pressão dentro do compartimento/loja anatômica impede a entrada de mais sangue, diminuição do fluxo arterial e venoso e consequente isquemia dos músculos, nervos e demais órgãos.

As principais causas são:[1]

  • Fratura;
  • Compressão do membro por talas, enfaixamento e gesso;
  • Trauma, esmagamento ou isquemia de reperfusão após trauma;
  • Queimaduras;
  • Hemorragias;
  • Infusão de medicação ou punção de artéria (possíveis causas iatrogênicas).

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Fasciotomia realizada na perna direita

A síndrome compartimental aguda é uma emergência médica que requer tratamento cirúrgico imediato conhecido como fasciotomia, para permitir que a pressão retorne ao normal.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Brunner e Suddarth - Tratado de enfermagem médico-cirúrgica; Guanabara-Koogan, 1994
  1. Konstantakos EK, Dalstrom DJ, Nelles ME, Laughlin RT, Prayson MJ. (dezembro 2007). "Diagnosis and management of extremity compartment syndromes: an orthopaedic perspective". Am Surg 73 (12): 1199–209 pp.. PMID 18186372.
  2. Salcido R, Lepre SJ. (outubro 2007). "Compartment syndrome: wound care considerations". Adv Skin Wound Care 20 (10): 559–65; quiz 566–7 pp.. DOI:10.1097/01.ASW.0000294758.82178.45. PMID 17906430.
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.