Síndrome da angústia respiratória do recém-nascido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome da angústia respiratória do recém-nascido
Classificação e recursos externos
CID-10 P22
CID-9 769
DiseasesDB 6087
MedlinePlus 001563
eMedicine emerg/15
Star of life caution.svg Aviso médico

Síndrome da angústia respiratória do recém-nascido (SARRN ou antigamente chamada de doença da membrana hialina) é um distúrbio decorrente da produção insuficiente de surfactante pulmonar, e da má adaptação a vida extra-uterina.

A gravidade da doença é inversamente proporcional à idade gestacional, ou seja, quanto maior a idade gestacional ao nascimento menor a gravidade.

Cerca de 50% de incidência entre idade gestacional de 26 a 28 semanas;e 25 % entre 30 e 31 semanas.

Continua, portanto, sendo o maior problema pulmonar no período neonatal.

Patogenia[editar | editar código-fonte]

Há uma diminuição significativa da produção do surfactante e também há uma inativação do surfactante que é produzido por proteínas e líquidos presentes na via respiratória.

A principal consequência da menor quantidade de surfactante é o aumento da tensão superficial na interface ar-líquido, levando, então, ao aumento das forças de fechamento alveolar (colabamento alveolar). Isto leva a um colapso alveolar, diminuindo a complacência pulmonar (distensão).

Temos com isto uma diminuição da oxigenação o que leva a uma vasoconstricção, aumentando a pressão nas artérias pulmonares e conseqüentemente fazendo com que o sangue passe do átrio direito para o esquerdo pelo forame oval (contrariamente ao que ocorre em recém-nascido normal), e fazendo com o sangue continue passando da artéria pulmonar para a aorta pelo ducto arterioso ou canal arterial, piorando a diminuição da oxigenação e não conseguindo fibrosar o canal arterial.

Quadro clínico[editar | editar código-fonte]

O recém-nascido apresenta taquipnéia, esforço respiratório moderado a grave, retração subdiafragmática, gemido, batimento de asa do nariz, cianose. Estes sintomas aparecem precocemente. O desconforto respiratório é progressivo nas primeiras 24 horas e tem um pico com 48 horas.

Quadro radiológico[editar | editar código-fonte]

Aspecto infiltrado retículo granular, hipotransparência homogênea (aspecto de vidro moído) devido à formação de micro atelectasias somadas ao edema interesticial, distribuido regularmente por todos campos pulmonares, broncogramas aéreos são proeminentes nos lobos superiores.

Critérios diagnósticos[editar | editar código-fonte]

  • prematuridade;
  • desconforto respiratório precoce, até três horas de vida;
  • trabalho respiratório aumentado;
  • necessidade de oxigênio inalatório;
  • raio-x característico após 6 a 24 horas de vida;
  • ausência de outras causas que causam insuficiência respiratória.
  • laboratorial-gasometria arterial apresentará baixos níveis de O2 e aumento de pCO2(acidose respirátoria e/ou mista)

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Cuidados Gerais:

  • manter temperatura, para evitar hipotermia;
  • oferta de líquidos adequadamente(líquidos em excesso favorecem o deselvonvimento da persistência do canal arterial);
  • cuidados com infecção;
  • ventilação mecânica;
  • terapia com surfactante exógeno;
  • oxigenoterapia;
  • pressão positiva em vias aéreas,CPAP nasal;
  • ventilação de alta frequência;
  • suporte hemodinâmico e oferta calórica.

Complicações[editar | editar código-fonte]

As principais complicações a curto prazo são pneumotórax, persistência do canal arterial, hemorragia intra-ventricular (causada pela ventilação mecânica), retinopatia da prematuridade, barotrauma e a longo prazo broncodisplasia pulmonar.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

A prevenção é realizada através do uso de corticóides na gestação pra acelerar a maturidade pulmonar.Este é aplicado na mãe, que produz cortisol, que passa via placentária para o feto favorecendo a produção de surfactante.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • MIYOSHI,Milton Harumi;KOPELMAN,Benjamin Israel in:Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. Pediatria.2005.