Síndrome de Conn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome de Conn
Adenoma adrenal
Classificação e recursos externos
CID-10 E26.0
CID-9 255.1
DiseasesDB 3073
MedlinePlus 000330
eMedicine med/432
MeSH D006929
Star of life caution.svg Aviso médico

A síndrome de Conn ou hiperaldosteronismo primário é caracterizada pela produção excessiva do hormônio mineralocorticoide aldosterona pelas glândulas supra-renais. A aldosterona leva a retenção de sódio e de água e a excreção de potássio pelos rins. Quando sua ação é excessiva, ocorre elevação da pressão arterial. É uma causa rara de hipertensão arterial.[1]

É duas vezes mais comum em mulheres e também é mais comum em negros e entre os 30 e 50 anos. Geralmente está associado a hipertensão essencial.[2]

Causas[editar | editar código-fonte]

Existem duas possíveis causas[3] :

  • Adenoma (tumor benigno) no córtex fascicular da adrenal (cerca de 60% dos casos);
  • Hiperplasia idiopática do córtex da adrenal (cerca de 40%);

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os principais sintomas são[4] :

Pode ser imitado através de ingestão de glicirrizina e síndrome de Liddle.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Medir aldosterona sozinha não é suficiente para diagnosticar a síndrome de Conn. Ambos, renina e aldosterona devem ser medidos, e a sua relação deve ser comparada para diagnóstico.

Normalmente, são suprimidos níveis de renina, conduzindo a uma baixa relação de renina-aldosterona (<0.0005). Este teste é feito por drogas de anti-hipertensivas e tem que ser parado em até 6 semanas. Se houver prova bioquímica de hiperaldosteronismo, uma tomografia pode confirmar a presença de um adenoma adrenal. [5]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

Remoção cirúrgica do adenoma adrenal (adrenalectomia) eventualmente controla o excesso de produção de hormônios. Enquanto isso, a pressão sanguínea pode ser controlada com espironolactona (um diurético que antagoniza as ações da aldosterona) ou outros anti-hipertensivos. [6]

Referências

  1. Conn JW, Louis LH. Primary aldosteronism: a new clinical entity. Trans Assoc Am Physicians 1955;68:215-31; discussion, 231-3. PMID 13299331.
  2. http://emedicine.medscape.com/article/127080-overview#a0156
  3. Tiu S, Choi C, Shek C, Ng Y, Chan F, Ng C, Kong A (2005). "The use of aldosterone-renin ratio as a diagnostic test for primary hyperaldosteronism and its test characteristics under different conditions of blood sampling". J Clin Endocrinol Metab 90 (1): 72-8. PMID 15483077.
  4. http://emedicine.medscape.com/article/127080-clinical
  5. http://www.ubht.nhs.uk/pathology/ChemicalPathology/TestProtocols/16Renin.html
  6. Jarrell, Bruce E.; Anthony Carabasi (2007). NMS Surgery. Lippincott Williams & Wilkins. ISBN 0781759013.