Síndrome de Dressler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Fevereiro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

A síndrome de Dressler é um distúrbio causado pela inflamação do pericárdio, resultado de uma lesão anterior do músculo cardíaco, o que acarreta a ter sangue no saco pericárdico. É caracterizada por dores do tipo pleuropericárdica e febre. Ocorre geralmente de três a quatro semanas depois do paciente ter um infarto agudo do miocárdio.

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Sinais e sintomas: O quadro caracteriza-se por dor torácica (dor no peito) pleurítica (que piora com a respiração) e febre. Um atrito pericárdico (um tipo de ruído na ausculta cardíaca), costuma estar presente, podendo ser detectado também um derrame pleural (líquido na pleura dos pulmões), causando dispnéia (falta de ar).

Diagnóstico: O exame clínico (história e exame clínico), eletrocardiograma, ecocardiograma e, se necessário, raio x de tórax, são úteis para o diagnóstico da síndrome de Dressler. O exame mais elucidativo, é o ecocardiograma.

Tratamento: O tratamento pode ser com medicamentos ou com uma cirurgia. Os antiinflamatórios são úteis para o tratamento, no entanto, os corticóides poderão ser necessários para o adequado controle dos sintomas. O tempo médio de tratamento da doença é de cerca de 1 a 4 semanas. O tratamento cirúrgico pode ser necessário quando for detectado um derrame pericárdio (líquido no pericárdio) volumoso, que comprometa a dinâmica (funcionamento) cardiopulmonar.

Prognóstico: É uma doença que costuma ser autolimitada, com baixas taxas de complicações graves (derrames pericárdicos volumosos são raros, mas quando presentes necessitam intervenção cirúrgica precoce).