Síndrome medular central

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome medular central
A síndrome medular central está representada no desenho superior
Classificação e recursos externos
CID-9 T1-6 952.13
T7-12 952.18
C1-4 952.03
C5-7 952.08
Lombar 952.2
Sacral 952.3
DiseasesDB 33409
eMedicine pmr/22
MeSH D020210
Star of life caution.svg Aviso médico

A síndrome medular central é um conjunto de sintomas causado por uma lesão medular ocorrida na região central da medula espinhal. Geralmente ocorre na região cervical. Produz reduzida sensação sacral e maior enfraquecimento dos membros superiores do que nos inferiores.

É mais comum ocorrer em pessoas idosas com artrite cervical e também pode ocorrer na ausência de fratura cervical.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

É a mais comum lesão incompleta da medula espinhal. Ela contabiliza por aproximadamente 9% de todas as lesões traumáticas da medula espinhal.[1] A síndrome afeta predominantemente mais homens do que mulheres, de modo semelhante às outras lesões da medula espinhal.

Apresentação[editar | editar código-fonte]

A síndrome é caracterizada por déficit motor desproporcionalmente maior nas extremidades superiores do que nas extremidades inferiores, disfunções da bexiga urinária (retenção urinária) e diferentes graus de perda sensorial abaixo do nível da lesão.

Causas[editar | editar código-fonte]

A síndrome medular central ocorre mais frequentemente após uma lesão por hiperextensão em um indivíduo com espondilose cervical de longo prazo. Historicamente têm-se acreditado que a lesão da medula espinhal se origina da concussão ou contusão da medula com estase do fluxo axoplásmico, causando lesão endematosa e não hematomielia destrutiva. Mais recentemente, estudos de autópsia demonstraram que a SMC pode ser causada por sangramento na porção central da medula, significando um prognóstico menos favorável. Estudos também demonstraram que a SMC provavelmente é associada com disrupção nas cornos laterais no nível da lesão da medula espinhal com preservação relativa da substância cinzenta.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. McKinley W, Santos K, Meade M, Brooke K. (2007). "Incidence and outcomes of spinal cord injury clinical syndromes". J Spinal Cord Med 30 (3): 215–24 pp.. PMID 17684887.