Síria (província romana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Provincia Syria
επαρχία
Província Síria
Província do(a) Império Romano

 

64135
Location of Síria
Província da Síria em 117
Capital: Antioquia
Período : Antiguidade Tardia
 -  Conquista da Cele-Síria por Pompeu 64
 -  Incorporada pela Síria Palestina 135

Síria foi uma das primeiras províncias romanas, incorporadas à República Romana em 64 a.C. por Pompeu durante a Terceira Guerra Mitridática, logo após a derrota do rei da Armênia Tigranes, o Grande[1] .

A Síria romana foi reorganizada administrativa muitas vezes depois disso. Depois da Revolta de Bar Kokhba em 135 d.C., a província da Síria foi fundida com a Judeia para formar a Síria Palestina. Diocleciano subordinou-a à recém-criada Diocese do Oriente da Prefeitura pretoriana do Oriente e ela foi dividida em duas novamente em 415, além de ter fornecido território para a criação de duas outras províncias vizinhas. A região finalmente sucumbiu à conquista muçulmana da Síria na década de 630.

Principado[editar | editar código-fonte]

O exército da Síria contava com três legiões do exército romano, encarregadas de defender a fronteira com o Império Parta. No século I d.C., foram estas legiões que apoiaram o golpe de Vespasiano. Elas estavam diretamente envolvidas na Grande revolta judaica de 66-70 d.C. Em 66, Céstio Galo, o legado imperial na Síria, chamou o exército da Síria, centrado na XII Fulminata, reforçado por tropas auxiliares, para restaurar a ordem e esmagar a revolta. A legião, porém, foi emboscada e destruída por rebeldes judeus na Batalha de Beth Horon, um resultado que chocou a liderança romana.

O exército sírio voltaria a se envolver nos assuntos da Judeia durante a Revolta da Bar-Kokhba de 132-136.

Em 244, Roma foi governada por um sírio de Shahba chamado Marco Júlio Filipo, geralmente conhecido como Filipe, o Árabe, o trigésimo-terceiro imperador romano e o que estava reinando nas celebrações do milênio de Roma.

Anos seguintes[editar | editar código-fonte]

Síria Palestina[editar | editar código-fonte]

Nos estertores finais da Revolta de Bar-Kokhba, a província da Síria foi expandida para incluir a praticamente despopulada Judeia e foi rebatizada de Síria Palestina. A partir do final do século II, o senado romano passou a contar com diversos sírios notáveis, incluindo Cláudio Pompeiano e Avídio Cássio.

Logo depois de 193, durante o reinado da dinastia Severa, de origem síria, a Síria Palestina foi quebrada em duas: a Cele-Síria no norte e a Síria Fenícia (ou "Fenícia") no sul. A província teve importância crucial durante a crise do terceiro século e, entre 260 e 273, juntou-se ao renegado Império de Palmira.

Diocleciano[editar | editar código-fonte]

Depois das reformas administrativas de Diocleciano (r. 284-305), a Cele-Síria foi subordinada pela Diocese do Oriente[2] . Em algum momento entre 330 e 350 (provavelmente ca. 341), a província de Eufratense foi criada a partir do território da Cele-Síria ao longo da margem ocidental do rio Eufrates e do antigo Reino de Comagena, com capital em Hierápolis Bambice[3] .

Síria durante o Império Bizantino[editar | editar código-fonte]

Provincia Syria Prima
Provincia Syria Salutaris
Síria Prima
Síria Salutaris
Província do(a) Império Romano

Depois de 415–630s
Location of Síria
As duas províncias da Síria (e também a Eufratense) neste mapa da Diocese do Oriente ca. 400
Capital: Antioquia (Prima)
Apameia (Salutar)
Período : Antiguidade Tardia
 -  Divisão da Síria Palestina Depois de 415
 -  Justiniano cria a Teodória com território das duas províncias 528
 -  Conquista muçulmana da Síria 630s

Depois de ca. 415, a Cele-Síria foi novamente dividida, desta vez entre a Síria Prima (ou Síria I), com capital em Antioquia, e Síria Secunda (Síria II), chamada também de Síria Salutar, com capital em Apameia no Orontes. Em 528, Justiniano finalmente formou a pequena província costeira de Teodória - uma homenagem à sua esposa Teodora - a partir do território litorâneo das duas províncias[2] .

A região permaneceu sendo uma das mais importantes províncias do Império Bizantino. Ela foi ocupada pelo Império Sassânida entre 609 e 628 durante a guerra entre os dois impérios que resultou na reconquista por Heráclio. Porém, ela foi irremediavelmente perdida durante a conquista muçulmana da Síria depois da Batalha de Jarmuque e da Batalha da Ponte de Ferro, que resultou na queda de Antioquia[2] .

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província e que aparecem no Annuario Pontificio como sés titulares são[4] :

*Sés da província de Teodória, mas cujos bispos metropolitanos continuaram nas províncias sírias.

Governadores[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Between Rome and Jerusalem: 300 years of Roman-Judaean relations By Martin Sicker. [S.l.]: Books.google.co.uk. Visitado em 26 July 2012.
  2. a b c Kazhdan, Alexander (Ed.). Oxford Dictionary of Byzantium. [S.l.]: Oxford University Press, 1991. p. 1999. ISBN 978-0-19-504652-6.
  3. Kazhdan, Alexander (Ed.). Oxford Dictionary of Byzantium. [S.l.]: Oxford University Press, 1991. p. 748. ISBN 978-0-19-504652-6.
  4. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Bagnall, R., J. Drinkwater, A. Esmonde-Cleary, W. Harris, R. Knapp, S. Mitchell, S. Parker, C. Wells, J. Wilkes, R. Talbert, M. E. Downs, M. Joann McDaniel, B. Z. Lund, T. Elliott, S. Gillies. Places: 981550 (Syria) Pleiades. Visitado em March 8, 2012.