Sônia Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde dezembro de 2011) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sônia Braga
Sônia Braga no Cine Ceará de 2010.
Nome completo Sônia Maria Campos Braga
Nascimento 8 de junho de 1950 (64 anos)
Maringá, Paraná
Nacionalidade  brasileira
Ocupação atriz
IMDb: (inglês)

Sônia Maria Campos Braga (Maringá, 8 de junho de 1950) é uma atriz brasileira.Ela tem aparecido em vários filmes e telenovelas no Brasil e nos Estados Unidos e também é reconhecida como um símbolo sexual e ícone cultural no Brasil. 

Sônia Braga nasceu em 8 de junho de 1950 em Maringá, Paraná. Filha de Hélio Fernando Ferraz Braga e Maria Braga Jaci Campos, figurinista natural de Maringá, é irmã de Júlio, Ana e Hélio e tia de Alice Braga, também atriz.[1] Os pais e seis irmãos dela se mudaram para Curitiba e depois para Campinas, São Paulo. Quando ela tinha 8 anos o pai dela morreu e ela se mudou para uma escola de convento em São Paulo. [2] Na sua adolescência, ela conseguiu um emprego no tradicional Buffet Torres em São Paulo como recepcionista e datilografava orçamentos.[3]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Aos 14 anos ela foi convidada por diretor Vicente Sesso para fazer teleteatros e programas infanto-juvenis no programa Jardim Encantado. Depois disso, ela se integrou num grupo teatral que se apresentava na região ABC.[4] Aos 17 anos Sônia estreou na peça Jorge Dandin em Santo Andre.[5] Em 1968 quando Sônia tinha 18 anos ela participou no montagem brasileiro de Hair onde ela fez um escândalo quando apareceu na cena nua. [2] Sônia Braga também foi uma atriz no teatro infantil em 1979 na peça No Pais dos Prequetes.[4]

Filmes[editar | editar código-fonte]

Em 1968, ela participou no filme O Bandido da Luz Vermelha e no inicio dos anos 70s, Sônia Braga participou nos filmes A moreninha e Cléo e Daniel e da novela Irmãos Coragem.[5]   Nos anos seguintes trabalhou em duas novelas: Selva de Pedra (1972), como Flavia, e em Fogo Sobre Terra (1974), como Brisa.[4]

Foi sua participação no filme de Bruno Barreto, Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976) que deu-lhe reconhecimento internacional. O filme era uma obra de Jorge Amado onde uma dona de casa é seduzida por o fantasma do seu primeiro marido. Este filme ganhou muito reconhecimento no exterior do Brasil.[6]

No final dos anos 70s, Sônia Braga teve muito sucesso como o personagem Julia Matos em Dancin’ Days (1978).[4] Nesse filme, o personagem de Sônia personificou uma ex-presidiaria que saio da prisão com a vontade de reconquistar o amor de sua filha.[4] Em 1981, estrelou Eu Te Amo (1981), de Arnaldo Jabor, e ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema de Gramado.

Sua estréia em filmes de Hollywood foi em 1985 quando Sônia protagonizou o filme de Hector Babenco, O Beijo da Mulher Aranha e ajudou o filme receber um Oscar.[5]

 Em 1988, Sônia filmou Lunar Sobre Parador de diretor Paul Mazursky. Depois ela atuou em The Milagro Beanfield War (1999) como ativista Chicana, e em The Rookie (1990), e em Roosters (1995).[2]   Em 2001 atuou no filme Memórias Póstumas e ganhou o Kikito de ouro de melhor atriz coadjuvante, no Festival de Cinema de Gramado.[4]

 Ela foi a primeira brasileira de apresentar uma categoria no Oscar ao lado do astro Michael Douglas em 1987 quando ela só tinha 36 anos.[7]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Em 1972, Sônia foi mais conhecida pelo público depois da sua participação no infanto-juvenil Vila Sésamo.[4] E no ano 1980 voltou para a televisão na novela Chega Mais.[4] Depois ela atuou na peça A Teoria na Pratica é Outra, o filme O Casal

Em 1986 apareceu no programa dos EUA, The Cosby Show, onde ela atuou como professora de matemáticas.[5] Sônia Braga voltou para o Brasil em 1996 para filmar Tieta do Agreste onde ela personificou uma mulher madura que volta ao Brasil depois de vários anos morando no estrangeiro.[2]

Depois de quase 20 anos sem participação na televisão brasileira, Sônia participou na novela Força de um Desejo (1999).[4] Nos anos 2000s, Sônia participou em vários programas e filmes americanos como: From Dusk Till Dawn 3: The Hangman’s Daughter (2000), Angel Eyes (2001), Steve Martini’s The Judge (2001), Sex and the City (2001), Law & Order (2003), Ghost Wisperer, CSI: Miami (2005), Alias (2005), e Brothers and Sisters (2010/2011), Meddling Mom (2013).[8] Em 2006 voltou a trabalhar com telenovelas em Paginas da Vida de Manoel Carlos, onde interpretou uma escultora internacionalmente reconhecida. Depois ela protagonizou no A Adultera da Urca (2010), e atuou na serie As Cariocas (2010), e participou na serie Tapas & Beijos (2011).[5]

Símbolo sexual[editar | editar código-fonte]

Em 1975 ela se tornou em um dos maiores símbolos sexuais do Brasil com sua participação na novela Gabriela, Cravo e Canela.[4] Os seus papeis de outras personagens do escritor Jorge Amado, como Dona Flor e Seus Dois Maridos e Tieta do Agreste, também ajudarem ela manter o seu símbolo sexual.[1]

 Depois Sônia participou em Saramandaia donde ela atuou como Marcina, uma mulher tão sensual que causava incêndios com o calor do seu corpo.[4]   Em 1984 e 1986 Sônia posou nua para a Revista de Playboy.[1]  

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nos anos 70, Sônia namorava o ator Arduíno Colassanti e os dois moravam num barco à vela que ficava ancorado em Parati.[9] Ela depois namorou Caetano Veloso no final dos anos 1970 e Veloso depois escreveu as músicas “Tigresa” e “Trem das Cores” para ela.[10]

O último relacionamento da estrela foi com o guitarrista Mark Lambert, durou quase dois anos e acabou em 1996.[9]

Agora sua casa em Niterói está sendo renovada e por enquanto mora num apartamento em Cinelandia, perto do centro do Rio de Janeiro.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filmes[5] [editar | editar código-fonte]

Telenovelas[5]
Séries[5]

No teatro[5] [editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Venceu
Indicada

Referências

  1. a b c Destaque Sp
  2. a b c d Sônia Braga. Film Bug (11 de agosto, 2002). Página visitada em 12 de abril, 2014.
  3. a b Eliane Trinidade (11 de julho, 2010). Sônia se despe do glamour de Hollywood. Folha de São Paulo. Página visitada em 20 de maio, 2014.
  4. a b c d e f g h i j k Sônia Braga. Memoria Globo (2013). Página visitada em 15 de abril, 2014.
  5. a b c d e f g h i João Rocha. Sônia Braga. Sônia Braga Online. Página visitada em 15 de abril, 2014.
  6. Sonia Braga. New York Times. Página visitada em 15 de abril, 2014.
  7. Sônia Braga foi a primeira brasileira a apresentar uma categoria no Oscar. Rede Globo (22 de fevereiro, 2013). Página visitada em 15 de abril, 2014.
  8. Sonia Braga Biography. Pure People. Página visitada em 15 de abril, 2014.
  9. a b Sônia Braga. Basta Clicar Cinema. Página visitada em 15 de abril, 2014.
  10. Eliane Lobato (3 de setembro, 2010). Sônia Braga. ISTOÉ Independente. Página visitada em 30 de maio, 2014.
  11. Governo do Estado de São Paulo, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Coleção Aplauso Cinema Brasil, O Bandido da Luz Vermelha, roteiro e direção Rogério Sganzerlade [em linha]
  12. Cinemateca Brasileira, A Moreninha [em linha]
  13. Cinemateca Brasileira, Cléo e Daniel [em linha]
  14. Keila Jimenez (8 de junho de 2010). Sônia Braga e Daniel Filho voltam à Globo. AdNews. Página visitada em 8 de junho de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sônia Braga