SA 8000

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A SA 8000 é uma norma internacional de avaliação da responsabilidade social para empresas fornecedoras e vendedoras, baseada em convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e em outras convenções das Nações Unidas (ONU). Foi desenvolvida em outubro de 1997 pelo Órgão de Credenciamento do Conselho de Prioridades Econômicas (CEPAA[1] ), ligada a ONU, reunindo ONG, empresas e sindicatos[2] .

A Itália é o país com mais empresas certificadas, seguida de Índia, China e Brasil [3]

Temas[editar | editar código-fonte]

A norma SA8000 traz todos os requisitos e a metodologia de auditoria para uma correta avaliação das condições do local de trabalho. Estas condições incluem[4] trabalho infantil, trabalhos forçados, saúde e segurança no trabalho, liberdade de associação, discriminação, práticas disciplinares, carga horária, benefícios e as responsabilidades da gerência em manter e melhorar as condições do trabalho.

A norma é considerada como a mais propícia para aplicação global de processos de auditoria de locais de trabalho, e pode ser implementada em instalações de qualquer porte, região ou setor da indústria. O CEPAA criou requisitos extremamente rigorosos para as organizações responsáveis pela certificação e registro, justamente para assegurar que os auditores sejam devidamente qualificados, que os procedimentos de certificação sejam meticulosamente implementados e que haja grande credibilidade junto ao público.

Outras normas[editar | editar código-fonte]

A norma SA8000 se assemelha em muitos aspectos à série de normas ISO 9000, principalmente no que se refere a ações preventivas e corretivas, revisão gerencial, planejamento e eficácia na implementação e avaliação, controle de fornecedores, registros, além da necessidade de provas objetivas e constatáveis.

Entretanto, há algumas diferenças entre os requisitos da norma SA8000 e os requisitos da série ISO 9000. Algumas características da norma SA8000 incluem certos cuidados na divulgação de informações confidenciais a terceiros, a credibilidade dada a entrevistas com funcionários – que poderão ser confidenciais e ocorrer fora das dependências da empresa – e a coleta de provas em fontes externas à empresa, como, por exemplo, em departamentos locais de saúde, agências de estudos econômicos, igrejas ou escolas. O escopo do registro não deve se limitar a apenas alguns edifícios, linhas de montagem, processos ou divisões: todas as instalações deverão ser avaliadas, desde áreas de recreação até dormitórios, quando disponíveis.

Além da norma SA8000 há outras normas nesta categoria, entre elas, o Fair Labor Association Code, o American Apparel Manufacturers Code, o International Council of Toys Industries Code, além de vários códigos próprios das empresas. Cada norma ou código tem pequenas variações em seu escopo, em seus requisitos de monitoração e aceitação.

Os principais beneficiados da norma SA8000 e de outros códigos de Responsabilidade Social incluem: 1) varejistas, em busca de garantias na cadeia de suprimentos, os gestores Relações Públicas e de mídia favorável; 2) empresas que apóiam o consumo de produtos “éticos” e “verdes”; 3) o interesse e a pressão dos próprios consumidores; 4) o setor que investe em responsabilidade social.

Referências

  1. Sigla para o nome da entidade em inglês, Council for Economic Priorities Accreditation Agency.
  2. Observatório debate certificação de Responsabilidade Social (em português) (9 de setembro de 2005). Página visitada em 30 de abril de 2009.
  3. Certified Facilities By Country (em inglês). Social Accountability Accreditation Services (SAAS) (31 de dezembro de 2008). Página visitada em 30 de abril de 2009.
  4. HOSSAIN, M. Maqbul (2 de abril de 2000). The Debate on Labour Standards:Myth and Reality (em inglês). Global Policy Forum. Página visitada em 30 de abril de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]