SBT Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de SBT Rio Manhã)
Ir para: navegação, pesquisa
SBT Rio
TVSBT Canal 11 do Rio de Janeiro Ltda.
Rua Campo de São Cristóvão, 105, São Cristóvão , Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Brasil
Tipo Empresa privada
Cidade de concessão Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Canais
11 VHF (Sumaré) e 56 UHF (Serra do Mendanha) analógico
24 UHF e 11.1 Virtual digital
Outros canais 23 e 511 HD (NET Rio)
Sede Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro, RJ
Rua Campo de São Cristovão, 105 - São Cristóvão
Slogan #Compartilhe
Rede SBT
Fundador Silvio Santos
Pertence a Grupo Silvio Santos
Proprietário Silvio Santos
Presidente Guilherme Stoliar
CNPJ 43.915.172/0001-06
Fundação 14 de maio de 1976 (37 anos)
Prefixo ZYB 512
Cobertura Grande Rio de Janeiro e áreas próximas
Redes anteriores Rede de Emissoras Independentes (1976-1981)
Nome(s) anteriore(s) TVS Rio de Janeiro (1976-1990)
SBT Rio de Janeiro (1990-2012)
Potência 42 kW
Página oficial Página Oficial

SBT Rio de Janeiro (atualmente conhecido como SBT Rio) é uma emissora de televisão brasileira instalada na cidade do Rio de Janeiro, capital do estado brasileiro homônimo. Opera no canal 11 VHF e 24 UHF digital e é emissora própria do SBT. Devido a dificuldade de recepção dela e de outras emissoras na Zona Oeste, por causa da topografia das montanhas, opera também no canal 56 UHF na Serra do Mendanha. Os estúdios e o escritório da emissora estão localizados no bairro de São Cristóvão, e a sua antena de transmissão está no topo do Morro do Sumaré, no bairro do Rio Comprido.

A emissora entrou no ar em 14 de maio de 1976, com o nome de TVS (TV Studios Silvio Santos), e foi membro da Rede de Emissoras Independentes até 1987, sendo a primeira concessão de TV adquirida pelo empresário Silvio Santos cinco anos antes do Grupo Silvio Santos adquirir parte das concessões da Rede Tupi e formar a rede nacional que viria a ser conhecida como SBT.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

No fim de 1975, o humorista Manuel da Nóbrega convence o empresário e apresentador Silvio Santos a participar de uma licitação do Governo Federal para a compra da concessão do canal 11 do Rio de Janeiro, licitação essa que foi vencida pelo empresário. Já em 1976, Silvio participa de um leilão da massa falida da TV Continental, onde acaba arrematando o lote com os transmissores e a torre de transmissão, fazendo o Jornal do Brasil perder o leilão e entregar a concessão do canal 9 para o governo. Em meio aos preparativos para a inauguração do canal 11, em 17 de março de 1976, morre Manuel da Nóbrega, em decorrência de um câncer. Manoel seria o futuro diretor da TVS, fazendo com que Silvio Santos entregasse o cargo para Luciano Callegari.

TVS Rio de Janeiro (1976-1990)[editar | editar código-fonte]

1976 a 1980[editar | editar código-fonte]

Na noite do dia 14 de maio de 1976, para surpresa dos cariocas, entrava no ar diretamente do Teatro Manuel da Nóbrega (denominado assim em homenagem ao humorista), a TVS Rio de Janeiro. Curiosamente, a TVS foi a primeira concessão de TV cedida a um artista de televisão brasileiro. O primeiro programa de TV a ser exibido pela emissora foi o Silvio Santos Diferente, onde ele entrevistava várias personalidades famosas, num estilo bem diferente (como o próprio nome do programa diz) do Programa Silvio Santos, apresentado por ele na Rede Globo. Durante a semana, a programação da emissora era composta por vários seriados norte-americanos, desenhos animados e filmes. Esses programas eram exibidos mais de uma vez ao dia para preencher os horários da grade. Apesar de o canal ser carioca, os estúdios da TVS ficavam em São Paulo: um na Vila Guilherme, com 4.000m², além do Teatro Manuel de Nóbrega, no bairro da Pompeia (bairro de São Paulo).

No dia 16 de janeiro de 1977, a TVS inaugura a nova torre de transmissão da emissora no Morro do Sumaré, substituindo a antiga que havia pertencido a TV Continental e que era usada pela emissora desde a sua fundação em 1976. O uso da torre também era compartilhado pela TV Tupi Rio de Janeiro, pois a sua antiga torre já estava obsoleta. Além disso, a TVS, em conjunto com a TV Record São Paulo e a Rede Tupi passaram a exibir juntas o Programa Silvio Santos.

Em 1978, o Teatro Manuel da Nóbrega sofre um incêndio, fazendo com que Silvio Santos transferisse a produção do Programa Silvio Santos para o local onde funcionava o antigo Cine Sol, no bairro do Carandiru. Em 1979, Silvio Santos inaugura os estúdios da Rua Campo de São Cristóvão, em frente ao CTN, onde até hoje são produzidos os programas do SBT Rio. Os estúdios ficavam anteriormente na Rua General Padilha, 134, também em São Cristóvão (onde atualmente fica a CNT Rio de Janeiro).

No final dos anos 70, a emissora passou a transmitir um boletim informativo denominado Plantão 11. Esse boletim tinha várias edições de curta duração ao longo do dia. Um investimento maior no setor de jornalismo foi feito em 1980, com a transmissão do Jornal da Manhã, exibido as 8h da manhã. No ano seguinte, o telejornal foi transferido para a meia-noite e o seu título foi alterado para Jornal da Noite.

O logotipo usado pela emissora naquele período era uma representação da sigla TVS sobre um círculo contendo o número 11. A concepção do logotipo foi adaptada da WBAL-TV, da cidade americana de Baltimore, no estado de Maryland, que também operava no canal 11.

1980 a 1990[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 1980, Silvio Santos e Adolpho Bloch participam da concorrência das concessões da Rede Tupi e da TV Excelsior de São Paulo. Silvio conquista as concessões da Rede Tupi nas cidades de São Paulo (TV Tupi São Paulo), Porto Alegre (TV Piratini) e Belém (TV Marajoara), além das concessões do Canal 12 de Brasília (que posteriormente viria a ser o SBT Brasília) e o canal 9 do Rio de Janeiro (que atualmente é a CNT Rio de Janeiro). Sendo assim, em 19 de agosto de 1981, cinco anos após a fundação da TVS Rio de Janeiro, Silvio Santos inaugura o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), formado pelas emissoras de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Belém, sendo que estas duas últimas só entraram no ar em 26 de agosto. A denominação TVS era usada apenas quando as emissoras locais não estavam em rede, do contrário usavam a marca SBT.

Na metade dos anos 80, a TVS Rio tinha como informativo local o Jornal da Cidade, que ia ao ar no começo da noite. Em 1986, o SBT resolve investir no jornalismo local e implanta em suas emissoras o telejornal Cidade, que ia ao ar em conjunto com o Noticentro, gerado em São Paulo. No Rio de Janeiro, a TVS exibia o Cidade 11 (11 pois era o canal da emissora, assim como 4 em São Paulo, 5 em Porto Alegre, etc.).

Em 1988, o Cidade 11 é substituído pelo TJ Rio, edição local do TJ Brasil apresentado por Bóris Casoy. O telejornal deixou de ir ao ar em 1991 para ceder espaço na grade ao jornalístico Aqui Agora, transmitido em rede nacional pelo SBT.

SBT Rio de Janeiro (1990-2012)[editar | editar código-fonte]

Em 1987, com o fim das transmissões do Programa Silvio Santos pela Record, o que resulta no esvaziamento da Rede de Emissoras Independentes pela TVS, as emissoras próprias do SBT abandonam a marca TVS e passam a usar a denominação da rede. Sendo assim, a TVS Rio de Janeiro foi renomeada para SBT Rio de Janeiro. Já em 1992, após o fim dos Jogos Olímpicos de 1992, o SBT Rio de Janeiro estreou o programa matinal Agenda, apresentado por Leda Nagle. O programa era baseado em entrevistas e ficou no ar até meados da década de 90.

Após a extinção do Agenda, o SBT Rio de Janeiro passou a atuar como uma mera retransmissora do SBT, sem exibir qualquer programa local, apenas exibindo comerciais locais. A situação continuou a mesma até o ano de 1999, quando estreou o telejornal SBT Rio. A primeira apresentadora do telejornal foi a jornalista Renata Affonso. Outros apresentadores já passaram pelo telejornal como Marcelo Castilho e Luiz Bacci. Juntamente com o lançamento do SBT Rio em 1999, estreou o programa semanal de reportagens Câmera em Ação, hoje fora do ar.

Em 2010, Rogério Forcolen é contratado da TV Record RS para apresentar o SBT Rio, enquanto Luiz Bacci saía do telejornal para apresentar o RJ Record na Record Rio. Forcolen ficou no comando do SBT Rio até 2013, quando também foi contratado pela Record Rio. Em seu lugar, ficou a repórter e então apresentadora eventual, Isabele Benito.[1] [2]

SBT Rio (Desde 2012)[editar | editar código-fonte]

Em 19 de agosto de 2012, data de aniversário do SBT, o SBT Rio de Janeiro passa a se chamar SBT Rio, e a partir de 5 de novembro, a programação do SBT Rio passou a ser transmitida para todo o estado do Rio de Janeiro através do SBT Nova Friburgo. Anteriormente, a programação local do SBT Rio era transmitida apenas para a sua região de cobertura.

Em razão do grande sucesso da versão local do SBT Manhã em São Paulo, a emissora carioca lançou em 23 de setembro de 2013 o SBT Rio Manhã, apresentado por Liane Borges. Baseado nos mesmos moldes da versão paulistana, o telejornal nasceu da necessidade do SBT Rio ter mais programas locais e aumentar a sua audiência nas manhãs.

Programação[editar | editar código-fonte]

Além de retransmitir a grade nacional do SBT, o SBT Rio também produz os seguintes programas:

  • SBT Rio Manhã: Versão local do telejornal SBT Manhã, com Liane Borges. De Segunda à Sexta, das 7h00 às 8h00;
  • SBT Rio: Telejornal, com Isabele Benito. De Segunda à Sexta, das 11h50 às 12h50.

Sinal[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Clube da Televisão (25/03/2013). SBT Rio investe em redes sociais para se aproximar do telespectador. Página visitada em 03/10/2013.
  2. Bonde Carioca. Isabele Benito, personalidade forte e líder de audiência. Página visitada em 03/10/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
TVS Rio de Janeiro
Canal 11 VHF do Rio de Janeiro
1990 - presente
Sucedido por
-