SS Andrea Doria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SS Andrea Doria
Andrea Doria USCG 1.jpg
SS Andrea Doria em Julho de 1956.
Carreira Naval Ensign of Italy.svg Itália
Proprietário Italian Line
Operador Italian Line
Homônimo Andrea Doria
Construção Gênova
Lançamento 16 de junho de 1951
Porto de registo Itália Gênova
Viagem inaugural 14 de janeiro de 1953
Estado Naufragou em 26 de julho de 1956
Características gerais
Tipo de navio Transatlântico
Tonelagem 29 083 t
Largura 27,5 metros
Comprimento 213 metros
Carga 1 241 passageiros, 575 tripulantes

O SS Andrea Doria foi um navio transatlântico italiano lançado ao mar em 1951.[1] Foi assim batizado em homenagem ao almirante genovês Andrea Doria. A embarcação foi construída em Génova, nos estaleiros Ansalto, em Sestri. A mesma levava o nome do príncipe e Almirante do século XVI e fora lançada ao mar no ano de 1951. A embarcação Andrea Dorea foi construída com acomodaçãoes para aproximadamente 1 241 passageiros e ainda 575 tripulantes, tinha 197 metros de comprimento com uma boca de 27 e seu deslocamento com 29 083 toneladas. Em 26 de julho de 1956, quando navegava rumo a Nova Iorque, ao largo de Nantucket (Massachusetts, EUA), colidiu com o MS Stockholm, um navio de bandeira sueco-americana, vindo a naufragar. Transportando cerca de 1 200 passageiros e 500 tripulantes, foram resgatadas 1 670 pessoas. De 46 a 51 pessoas, de acordo com as diversas fontes, perderam a vida no desastre. Perderam-se ainda algumas obras de arte italianas. Este acontecimento serviu de inspiração para o filme "Navio Fantasma", com Gabriel Byrne, de 2002.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Caraterísticas[editar | editar código-fonte]

Um modelo do Andrea Doria

Andrea Doria tinha um comprimento de 212 m (697 pés), uma viga de 27 m (90 pés), e uma tonelagem bruta de 29 100. O sistema de propulsão consistia em turbinas a vapor fixada por parafusos gêmeos, permitindo que o navio atingisse uma velocidade de serviço de 23 nós (43 km / h), e uma velocidade máxima de 26 nós (48 km / h). Andrea Doria não era o maior navio, nem o mais rápido de sua época: as distinções foram para o RMS Queen Elizabeth e o SS Estados Unidos, respetivamente. Em vez disso, o famoso arquiteto italiano, Minoletti, projetou o Andrea Doria para o luxo.

Segurança e Navegabilidade[editar | editar código-fonte]

O navio também foi considerado um dos mais seguros navios já construídos. Equipado com um casco duplo, Andrea Doria foi dividido em onze compartimentos estanques. Quaisquer dois destes poderiam ser preenchidos com água sem pôr em perigo a segurança do navio. Andrea Doria também carregava botes salva-vidas suficientes para acomodar todos os passageiros e tripulantes. Além disso, o navio foi equipado com o radar , o mais recente alerta. No entanto, e apesar de suas vantagens tecnológicas, o navio tinha falhas graves quanto à sua navegabilidade e segurança.

Confirmando as previsões derivadas de testes do modelo durante a fase de design, o navio adernava quando atingido por qualquer força significativa. Isto foi especialmente evidente durante sua viagem inaugural, quando Andrea Doria adernou em enumerados 28 graus após ser atingido por uma grande onda fora de Nantucket. A adernagem era potencialmete agravada quando os tanques de combustível estavam quase vazios, que era geralmente no final de uma viagem.

Este problema de estabilidade seria um foco da investigação após o naufrágio, como era um fator agravante para o naufrágio a impossibilidade da tripulação desembarcar os botes menores a bombordo. Anteparas dos compartimentos estanques estendidas apenas até o topo de uma plataforma, e a adernagem superior a 20 graus permitiu que a água de um compartimento estanque transbordasse ao passar seu topo para compartimentos adjacentes. Além disso, os parâmetros do projeto faziam com que o limite maximo para baixar os botes salva-vidas eram um angulo de 15 graus no máximo. Além deste valor, até metade dos botes salva-vidas não poderiam ser baixados.

Impacto e Penetração[editar | editar código-fonte]

Quando Andrea Doria e Stockholm colidiram a praticamente um ângulo de 90 graus, a proa do Stockholm preparada para quebrar gelo ficou presa ao lado estibodo do Andrea Doria, aproximadamente a meio do seu comprimento. Stockholm penetrou em três cabines de passageiros, os números 52, 54 e 56, a uma profundidade de cerca de 12 m, e a quilha. A colisão danificou muitos camarotes de passageiros ocupados nos níveis mais baixos, rasgou vários compartimentos estanques do Andrea Doria. O corte perfurou cinco tanques de combustível no lado estibordo do Andrea Doria e encheram-se de 500 toneladas de água do mar. Enquanto isso, o ar foi aprisionado nos tanques de lastro vazios no lado bombordo, contribuindo para uma grave inclinação de incorrigíveis danos. Os tanques de combustível do navio de grande porte estavam quase vazio na hora da colisão, uma vez que o navio estava aproximando-se do fim da sua viagem.

Andrea Doria na cultura pop[editar | editar código-fonte]

O Andrea Doria serviu de inspiração à cultura pop em diversos segmentos.

  • Na música, o navio empresta seu título a uma canção da banda brasileira de rock Legião Urbana, incluída em seu álbum Dois, de 1986.
  • Na televisão, a embarcação inspira um episódio do seriado Seinfeld.
  • No Cinema, o Navio serviu de insparação para ser realizado o filme "Navio Fantasma"[3]

Referências

  1. Marcello De Ferrari. O Naufrágio doAndrea Doria. Visitado em 18 de fevereiro de 2009.
  2. Ghost Ship - site oficial
  3. Navio Fantasma

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.